Inúmeras curiosidades da biografia de Steve Jobs vêm à tona [atualizado]

O livro será lançado em todo o mundo nesta segunda-feira, mas diversos sites (como os do New York Times, da Associated Press e do Huffington Post — todos contam como “Dica de leitura”, vale notar) já trouxeram uma espécie de aperitivo do que aguarda os leitoras da biografia de Steve Jobs escrita por Walter Issacson. Só para ficar registrado, esse livro promete ser seriamente épico.

Capa da biografia de Steve Jobs, por Walter Isaacson

Ao descrever Bill Gates para Isaacson, Jobs não poupou palavras doces:

Bill basicamente não tem imaginação e nunca inventou nada, o que, creio, explica ele hoje estar mais confortável trabalhando com filantropia do que com tecnologia. Ele apenas copiou desavergonhadamente as ideias dos outros. […] Ele seria um cara mais aberto se tivesse usado ácido ou ido a um ashram quando era mais jovem.

Steve Jobs e Bill Gates na D5: All Things Digital

“Te odeio.” “Te desprezo.” ♥

Ok, estamos chegando ao ponto em que fica um pouco constrangedor ver uma pessoa falando mal da outra, mas, se serve de alento, o sentimento era recíproco: ao falar sobre Jobs, Gates disse que ele “nunca conheceu muito de tecnologia, mas tinha um instinto incrível para saber o que funciona”, acrescentando ainda que o ex-CEO da Apple era “fundamentalmente esquisito” e “estranhamente falho como ser humano”, funcionando de forma extremada, ou “dizendo que você é um merda ou tentando te seduzir”. Apesar de tudo, Gates ainda foi uma das pessoas a visitar Jobs em seus últimos dias. Frenemies 4LIFE.

Agora a coisa fica um pouco mais íntima: ao falar sobre Abdulfattah Jandali, seu pai biológico, Jobs disse ter chegado a visitar algumas vezes o restaurante do qual Jandali era proprietário e apertado sua mão. Contudo, nem ele nem o pai sabiam do parentesco.

Posteriormente, com ajuda de Mona Simpson, sua irmã, Jobs conheceu um pouco mais sobre o pai e… infelizmente, ele não gostou do que ficou sabendo e pediu à irmã que jamais contasse que os dois já haviam se visto ou revelar-lhe quem era, com receio de ser chantageado (pois já era bem-sucedido, nessa época) ou de Jandali ir à imprensa.

A respeito de seu tratamento contra o câncer de pâncreas, Jobs pode ter adiado o momento da sua cirurgia, mas não mediu esforços para tentar combatê-la: ele chegou a pagar US$100.000 para ter seu DNA sequenciado como parte de um tratamento que ajusta drogas precisamente às proteínas defeituosas do tumor. Jobs acreditava que, com a evolução dessa tecnologia, ele seria ou o primeiro a superar um câncer desse tipo, ou um dos últimos a morrer por causa dele.

Num aspecto mais leve, uma informação bastante curiosa veio à tona: Jobs estava trabalhando desde 2009 com a Feadship para construir seu próprio iate de luxo. Com design minimalista (claro!) e paredes de vidro de 12 metros de extensão, o barco estaria sendo construído nos Países Baixos. Será que algum dia chegaremos a vê-lo navegar?

Sobre o iPhone, curiosamente Jobs se opunha à abertura a apps de terceiros, por temer que a Apple não desse conta de criar um ambiente adequado para tal recurso. Um dos responsáveis por essa mudança de postura teria sido Arthur Levinson, membro do conselho executivo da Apple, que ligou uma dúzia de vezes para defender a ideia. Felizmente, o time de desenvolvedores da Maçã se mostrou mais que capaz de criar a plataforma móvel mais prolífica da história — e agora seus membros estão rodando o mundo.

Barack Obama com MacBook

Sobre política, Jobs tinha uma postura quase conservadora. Em uma visita do então candidato à presidência Barack Obama, o ex-CEO da Apple teria dito que ele estava no rumo de ter apenas um mandato, caso não se tornasse mais amigável a empresas.

Mais recentemente, durante um encontro em 2010 com o presidente Obama, além de conversar sobre políticas tributárias e regulatórias, curiosamente Jobs também se ofereceu para cuidar da propaganda política para a campanha de 2012 — a intenção era fazer por Obama o que os famosos clipes Morning in America (exemplo) fizeram por Reagan em 1984. A mesma oferta fora feita em 2008, mas a indisposição do estrategista David Axelord a concordar com tudo teria feito Jobs recuar.

Steve Jobs por Walter Isaacson estará à venda a partir de segunda-feira em todo o mundo. Aqui no Brasil, ele será publicado pela Companhia das Letras e custará R$50.

[via MacStories, Engadget, 9to5Mac, SAI, CNET News, Cult of Mac]

Atualização

Mais dois vislumbres sobre o que nos aguarda neste livro: o 9to5Mac destacou uma extensa lista de influências culturais importantes na vida de Jobs, indo de Bob Dylan aos Beatles, passando por seus autores e livros favoritos (Shakespeare, Paramahansa Yogananda — cujo Autobiography of a Yogi foi o único ebook baixado em seu iPad —, Shunryu Suzuki, Chogyam Trungpa, Moby Dick e Dylan Thomas); já o AppleInsider comentou que Jobs teria dito ter descoberto o segredo para uma TV fácil de usar.

HDTV da Apple (iTV, Apple TV)

Oooh! Isso, sim, é suculento: “Ela vai ter a interface mais simples que você pode imaginar. Finalmente solucionei esse problema”, Jobs disse. Isaacson escreveu que o ex-CEO da Apple queria fazer pela TV o que ele fez pelos computadores, tocadores de música e smartphones, simplesmente integrando-a a todos os aparelhos do usuário através do iCloud.

Será que decola? Veremos, mas creio que ainda pode demorar um pouco para algo assim aparecer — e, se aparecer, pode ser que seja o retorno do Power Mac G4 Cube. Só acredito numa TV da Apple se ela for 1% TV e 99% computador. 😛

Posts recomendados
Comentários

O Modo Escuro foi ativado ou desativado.
Atualize esta página para ver os comentários.


Carregar mais posts recentes