Appreendedor: por que, como e o quê?

Dando continuidade à série de artigos iniciada na semana anterior, hoje abordarei um conceito criado por Simon Sinek chamado “Círculo de Ouro”.

Círculo de Ouro - Simon Sinek

Atualmente existem mais de 1.000.000 de apps publicados em cada uma das principais lojas (App Store e Google Play) e os números crescem de forma exponencial a cada dia. Desenvolver um app não é como abrir um novo documento e começar a digitar um texto, exige técnica e experiência, além de conhecimento específico em linguagem de programação orientada a objetos. Mesmo com tanto requisito e conhecimento inicial, as ofertas de novos apps não param de crescer — embora nem 10% deles conseguirão atingir valores financeiros que cubram as despesas iniciais de desenvolvimento e publicação. Então, por que mesmo com uma taxa de insucesso alta e rentabilidade incerta, mais e mais pessoas se arriscam neste segmento? Como ganhar dinheiro em uma área aparentemente saturada?

Primeiro precisamos entender quem são e o que levam essas pessoas e empresas a terem um app publicado:

Basicamente estes são os grupos presentes através dos seus apps nas principais lojas. Se os analisarmos, perceberemos que o objetivo comum da grande maioria é o de alcançar visibilidade e, consequentemente, retorno financeiro. Seja através da venda do app para o consumidor final, ou pela venda de itens internos — como por exemplo novos recursos, assinaturas, anúncios, propagandas, etc. —, ou até mesmo a venda do app para uma grande empresa. Em busca do sonho de ser o próximo milionário do mundo dos apps, muitos darão o sangue, investirão tempo e dinheiro para alcançarem seus objetivos. Mas poucos atingirão o sucesso!

Em anos de experiência como empresário e Instrutor Autorizado Apple, pude notar que desses “Appreendedores” nem 5% sabem o verdadeiro sentido do seu próprio negócio, nem chegam a planejar e elaborar um simples plano de negócios. Mesmo assim, partem para o desenvolvimento que pode demorar meses — simplesmente baseados em crenças e esperanças. Há um certo tempo tive a oportunidade de assistir a uma palestra no TED chamada “How great leaders inspire action” proferida por Simon Sinek, e fiquei surpreendido ao conhecer o conceito simples e funcional chamado “Círculo de Ouro”. Através dele o autor nos mostra que a maioria das pessoas não compram o que fazemos e sim por que fazemos. Ou seja, elas compram ideias compartilhadas. Se você conseguir atingir o público que compartilha da mesma ideia, este será fiel e propagador do seu produto, entretanto você precisa primeiro conhecer e estabelecer objetivos claros para o seu negócio.

O quê? Cada empresa e organização sabe o que faz. Isso é verdade, não importando o tamanho (grande ou pequena) e o ramo de atividade. Cada pessoa é capaz de descrever facilmente os produtos ou serviços que a empresa vende ou a função de trabalho que exerce dentro de um sistema.

Como? Algumas empresas e pessoas sabem como fazem o que fazem. Os “comos” quase sempre são estabelecidos para explicar como algo é diferente ou melhor.

Por que? Muito poucas pessoas ou empresas podem articular claramente por que fazem o que fazem. Quando digo “por que”, não significa ganhar dinheiro — esse é o resultado. Com o porquê pergunto qual é a sua finalidade, a sua causa ou a sua crença? Por que a sua empresa existe? Por que você levanta da cama cada manhã? E por que alguém deve se importar?

Seguindo esse raciocínio o autor nos mostra como podemos alcançar o sucesso nos comunicando de dentro para fora, ou seja, começando pelo “Por que”. A partir de estudos e observações, são apresentadas as formas com que grandes líderes e empresas de sucesso se comunicam — dentre elas o segredo de sucesso da própria Apple.

Grande parte das empresas e desenvolvedores atualmente utilizam apenas técnicas de marketing de massa, como por exemplo ícones chamativos, imagens de captura com informações claras, propagandas em portais ou redes sociais, comentários positivos do app — embora a grande maioria dessas avaliações sejam falsificadas e compradas. Esse tipo de técnica pode ter resultado imediato, entretanto ela vai atingir um público que provavelmente nunca mais abrirá o seu app e muito menos irá recomendá-lo para um amigo, é um público que não está afim de fazer negócio com você se você não tiver um porquê bem definido e claro.

Conseguir um grande número de downloads não é impossível, o difícil é conseguir manter e fidelizar o usuário. O Instagram, por exemplo, foi vendido ao Facebook pela cifra de US$1 bilhão, não porque era um app revolucionário ou possuísse uma tecnologia insuperável, e sim porque eles tinham um propósito bem definido e seus usuários cresciam exponencialmente e compartilhavam do mesmo “porquê”, criando uma taxa de retenção alta — e isto poderia ser uma ameaça direta ao Facebook. Recentemente ouvi de um “Appreendedor” que retornou do Vale do Silício a seguinte informação após uma reunião com investidores: “Preferimos apps que tenham 1.000 usuários conectados do que 100.000 downloads.”

Livro - Por Quê? - Como Grandes Líderes Inspiram AçãoSe analisarmos todos os casos de apps de sucesso, a grande maioria compartilha de um ponto em comum: a propagação boca a boca, ou seja, os usuários compraram a ideia, compartilharam do porquê e fazem a informação proliferar. No mercado de jogos não é diferente, por anos e anos as grandes empresas dominaram o mercado utilizando estratégias de marketing de massa. Recentemente uma cultura chamada “indie games” explodiu e fez com que essas empresas repensassem os seus modelos de negócios. E o que está por traz da cultura de “indie games”? A causa, o “porquê” compartilhado.

A dica desta semana é o livro “Por Quê? – Como Grandes Líderes Inspiram Ação” do autor Simon Sinek. Embora a versão traduzida tenha inúmeros erros de digitação e português, o conteúdo vale a pena! Na próxima semana falaremos sobre hábitos, uma técnica interessante para prender a atenção dos usuários ao seu app.

Posts recomendados

O Modo Escuro foi ativado ou desativado.
Atualize esta página para ver os comentários.


Carregar mais posts recentes