Por dentro da curadoria humana das playlists do Apple Music

O BuzzFeed publicou uma longa e detalhada reportagem sobre a curadoria das playlists e os seres humanos por trás delas nas três principais provedoras de serviços de streaming: Apple, Spotify e Google. O texto traz uma série de detalhes interessantes sobre as maquinações da indústria musical e, especialmente, da dinâmica de trabalho no Apple Music em comparação aos seus concorrentes.

Uma informação que ninguém imaginava, por exemplo: na Apple, apenas 12 empregados de tempo integral trabalham na curadoria destas playlists, liderados por Scott Plagenhoef (ex-editor chefe da Pitchfork) — o trabalho adicional fica com freelancers. São profissionais da área de música — separados por seus gêneros musicais favoritos — que contam com um amplo grau de liberdade para eleger artistas, faixas, álbuns e coleções preferidos no grande catálogo para realizar sugestões na plataforma, seja nas playlists, na página principal ou mesmo na rádio Beats 1.

Apesar da equipe diminuta, o Apple Music já conta com cerca de 14.000(!) playlists, um número mais que três vezes maior que as 4.500 listas de reprodução do Spotify — que começou nove anos antes, é bom lembrar. Como afirma a reportagem, as famigeradas playlists são responsáveis por cerca de 20% das reproduções de faixas nos serviços de streaming — ou seja, é uma área que todos tratam com o maior carinho.

[via 9to5Mac]

Posts recomendados
Comentários

O Modo Escuro foi ativado ou desativado.
Atualize esta página para ver os comentários.


Carregar mais posts recentes