Qualidade de jogos para iOS já está sendo comparada à de consoles; Fortnite e PlayerUnknown’s Battlegrounds são bons novos exemplos

Nós aqui no MacMagazine já refletimos um pouco sobre a relação entre a Apple, seus produtos e sistemas, e jogos. O post, entretanto, já completou um ano e, como é de se esperar, as tecnologias da Maçã evoluíram bastante nesse período de 12 meses.

Ainda que, como sabemos, os computadores da Maçã não sejam grandes máquinas de jogos, como muitos gostam de abordar o assunto de forma jocosa, não há como negar que os minicomputadores que carregamos conosco para cima e para baixo podem realizar coisas incríveis (apesar do tamanho). Falo, é claro, dos iPhones, que ficam mais potentes a cada novo lançamento, permitindo executar mesmo as tarefas que exijam bastante processamento como, por exemplo, rodar jogos com gráficos incríveis de maneira fluida.

Já faz um tempo desde que os jogos mobile vão além de mero passatempo ocasional para se tornar a principal fonte de entretenimento de muita gente. Quem curte desde sempre consoles portáteis como Game Boys, PSPs e outros, certamente viram nos smartphones uma maneira de jogar seus títulos preferidos e poder carregá-los para onde for. Os desenvolvedores perceberam isso e, como temos visto, muitas franquias famosas já estão presentes nas lojas de aplicativos tanto do iOS quanto do Android.

A Apple, portanto, não ficaria de fora da grande fonte de lucro que a indústria de games proporciona: ela tem incentivado e ajudado muitos desenvolvedores a criar e divulgar seus jogos, de maneira que também é muito fácil ter acesso aos games — no final, todos saem ganhando.

E a Maçã investe tanto que ela consegue ser destaque de eventos que sequer participa. Como? Bem, você já deve ter percebido que na Consumer Electronics Show (CES), por exemplo, há muitos dispositivos e acessórios próprios para o ecossistema Apple — assim, a mídia que cobre os lançamentos sempre acaba citando a Maçã sem necessariamente ela ter de fato participação na feira.

O mesmo está acontecendo nesta semana, na Game Developers Conference. Sucesso em outros consoles, os games Fortnite e PlayerUnknown’s Battlegrounds (ou PUBG), ambos de sobrevivência, foram lançados para iOS1 e já mostram a capacidade incrível que os smartphones hoje podem apresentar, principalmente os aparelhos da Apple.

Fornite, desenvolvido pela Epic Games, é o título mais assistido no Twitch atualmente e, agora que está disponível para mobile, sua fama pode aumentar ainda mais.

Na verdade, ele já mostra números bastante animadores: nos quatro primeiros dias de venda, o jogo conseguiu faturar US$1,5 milhão somente em compras internas (In-App Purchases), de acordo com a Sensor Tower.

Fortnite receita

Comparando os números de outros títulos populares no mesmo período pós-lançamento, ele ficou abaixo apenas de Pokémon GO (US$4,9 milhões) e Clash Royale (US$4,6 milhões), porém está no topo dos jogos do mesmo gênero de sobrevivência: o segundo lugar, Knives Out, teve apenas US$57 mil e Rules of Survival, US$39 mil — uma diferença bastante substancial!

Por enquanto, é possível baixar Fortnite gratuitamente na App Store, mas ainda é preciso um convite para jogar (você pode se inscrever na lista de espera por aqui).

Para competir com Fortnite, a Tencent Games lançou PlayerUnknown’s Battlegrounds em versão mobile. Diferentemente do jogo mais assistido no Twitch, PUBG parece ter sido de fato adaptado para funcionar melhor nos dispositivos móveis, porém muitos já estão curtindo bastante o jogo que também tem seu sucesso.

No game, 100 jogadores saltam de pára-quedas em um mapa e precisam coletar armas e outros equipamentos; em seguida, eles lutam entre si até que sobre apenas um sobrevivente.

O jogo era basicamente o dono do pedaço antes de Fortnite chegar; ainda existem muitos jogadores no Xbox One e em PCs, contudo, agora, ele está conquistando também usuários de smartphones (tanto no iOS quanto no Android). Para rodar o app, é preciso estar no iOS 11 em um iPhone 6 ou superior ou iPad Air 2 ou superior.

·   •   ·

Greg Joswiak, vice-presidente de marketing de produtos da Apple, conversou com Matthew Panzarino (do TechCrunch) sobre os caminhos que os jogos mobile estão tomando e o que estão se tornando.

O vice-presidente lembrou que a categoria “Jogos” sempre foi uma das mais populares da App Store e que o redesenho loja no iOS 11 permitiu aos games ter a sua própria aba e, é claro, isso ajudou o tráfego e as vendas a aumentarem ainda mais.

PUBG Mobile

Joswiak afirmou que Fortnite e PUBG estão “trazendo a atual geração de jogos de console para o iOS”, e que a Maçã está, anualmente, melhorando a tecnologia e levando tudo isso aos desenvolvedores — e ele fala isso comparando o smartphone ao ciclo de melhorias de consoles, que é basicamente de quatro a cinco anos. “Antes que a indústria desse conta, estávamos surpreendendo as pessoas [com a tecnologia]. A jogabilidade completa desses títulos despertou muita gente.”

As palavras de Joswiak foram ecoadas por Ryan Cash, que faz parte do time do recém-lançado Alto’s Odyssey:

Temos alguns jogadores de Fortnite na equipe e a versão para celular os deixou extremamente animados. Eu acho que, mais do que a completude desses jogos (que por si só é uma proeza técnica que vale a pena comemorar!), coisas como a dedicação da Epic ao jogo entre as plataformas é enorme. Criar esses ecossistemas interligados onde os jogadores que preferem jogar em seus iPhones podem desfrutar de enormes títulos culturais como Fortnite ao lado de jogadores de console é enorme. Isso nos leva a um passo mais perto de uma atitude da indústria que se concentra mais na acessibilidade e menos em separar as experiências em níveis de qualidade percebida.

A presença do jogo Fortnite no iOS representa muito mais que apenas lucro; este game que hoje se pode aproveitar nos iGadgets é *exatamente o mesmo jogo*, completo e inteiro, do apresentado em consoles e PCs — isso é basicamente inédito, já que normalmente os grandes títulos vão para o mundo mobile em versões mais capadas, tentando agradar apenas o público de jogos mobile.

Para rodar o game sem engasgos, claro, é necessário um bom dispositivo; apesar de rodar bem em aparelhos a partir do iPhone 5s (com o iOS 11), a genialidade de Fortnite consegue se destacar bastante é no iPhone X. Pelos gráficos impressionantes, o flagship da Apple foi colocado lado a lado a um Xbox One X e seus 6 teraflops.

Confira:

Na comparação, o iPhone X acaba chamando atenção por ser um pequeno aparelho rodando um jogo basicamente de console, mas também pela qualidade da tela e por ter o circuito integrado (SoC) mais rápido do mercado. De fato, as diferenças são pequenas e impressionaram muita gente.

[…] Grande parte da sua identidade visual foi mantida — vagar por várias cidades e edifícios revela pequenas mudanças na geometria, mas o efeito geral é notavelmente similar. A animação está lá, a densidade dos objetos está lá e o mundo do jogo é apresentado assim como no console e no PC. É realmente a experiência completa nesse sentido e o fato de que tudo está rodando em um dispositivo de mão — apesar de ter o SoC móvel mais rápido do mercado — é simplesmente excepcional.

É claro que as equipes por trás dos games são os responsáveis por trazer aos usuários algo fidedigno, porém a Apple pode receber muito crédito pela tecnologia dos seus produtos e, como sempre, por atender bem aos desenvolvedores, colocando seus jogos cada vez mais em evidência.

Confira nesta página a entrevista completa de Joswiak e outros desenvolvedores com o TechCrunch.


Ícone do app Fortnite

Fortnite

de Epic Games

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 8.11.1 (135.5 MB)
Requer o iOS 11.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR


Ícone do app PUBG MOBILE

PUBG MOBILE

de Tencent Mobile International Limited

Compatível com iPadsCompatível com iPhones
Versão 0.11.0 (2.4 GB)
Requer o iOS 9.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

via 9to5Mac, Cult of Mac

Posts recomendados
Comentários

O Modo Escuro foi ativado ou desativado.
Atualize esta página para ver os comentários.


Carregar mais posts recentes