Como quase caí num golpe ao vender meu MacBook Pro pelo Mercado Livre


Devido ao meu hobby de fotografar, meu MacBook Pro começou a reclamar de memória nas vezes em que precisava editar imagens grandes. Apesar de o meu gosto por fotos ser bastante antigo, a brincadeira começou a ficar séria quando comprei uma câmera DSLR e lentes específicas: os arquivos JPEG passam a ser imagens RAW com tamanhos gigantescos e o esforço de edição do computador passa a ser muito maior. Resolvi, então, fazer um upgrade no meu Mac.

Tenho, ainda, um agravante: viajo muito pelo trabalho e carregar um computador portátil grande é ruim por diversas razões. Meu setup é: MacBook Pro de 13″, ponto. Quando o adquiri, não havia como colocar mais do que 8GB de RAM; no entanto, hoje já é possível. Decidi então, trocar o meu “antigo” MacBook Pro 2016 por um modelo 2018 com 16GB de RAM.

O caminho para quem quer vender algo pela internet no Brasil quase que se resume a dois websites: OLX e Mercado Livre. Escolhi o segundo por questões de segurança pessoal — e foi justamente essa segurança que foi colocada à prova e que irei descrever neste artigo.

Na noite do dia 14 de novembro, resolvi criar o anúncio: usei minha câmera para fazer umas fotos legais, coloquei um bom atrativo como diferencial do anúncio (dar o meu Magic Mouse 2 de brinde), coletei todos os dados técnicos do meu MacBook Pro e criei o anúncio no Mercado Livre. Era muito próximo da minha hora de dormir — eu iria para Salvador na manhã seguinte e acordaria muito cedo para pegar o voo.

Acordei cedo no dia 15; eram 4h45 quando vi que já havia recebido três emails referentes ao meu anúncio; ignorei até estar no Uber, rumo ao aeroporto. Eram duas supostas mensagens do Mercado Livre e outra do “comprador”. Eu havia vendido meu MacBook sem pechinchas, sem nenhuma pergunta e com um valor de frete 3x maior pago pelo comprador. Claro que me empolguei com tudo aquilo! Estava indo para Salvador e a caixa do meu MacBook Pro estava (com adesivos da Apple e tudo mais) na casa dos meus pais esperando esse momento… era o timing perfeito!

O tempo de espera no aeroporto e uma boa dose de experiência como vendedor e de vida me fizeram perceber que algo não estava correto. Resolvi, então, ver aos detalhes da venda e reler os emails com calma:

Golpe pelo Mercado Livre

Os valores estavam “bloqueados provisoriamente” por “motivos de segurança” e seriam liberados após o envio?

Segundo email que recebi:

Golpe pelo Mercado Livre

Enviar meus dados bancários para o Mercado Pago via email? Quem já fez vendas pelo Mercado Pago sabe que não funciona assim…

E o terceiro email:

Golpe pelo Mercado Livre

O comprador pedindo para eu pausar o anúncio e que a confirmação poderia estar na minha caixa de spam/lixo eletrônico?

·   •   ·

A magia da venda havia sido desfeita e a raiva tomou conta de mim. Esperei dois dias para retomar o assunto e olhar tudo com cabeça fria; alguém tentou me passar a perna e tinha meu email. Ele conseguiu enviar uma mensagem para mim com menos de duas horas após a publicação do anúncio e isso era bastante esquisito para um sistema seguro de vendas online no Brasil.

Minha primeira atitude foi reunir todos os emails, imprimir seus cabeçalhos (é como podemos rastrear o remetente), o máximo de dados possível do “comprador” e efetuar uma reclamação no site do Mercado Livre. Fiz isso após os dois dias da tal “venda”, já de cabeça fria, relatando cada situação e com todos os dados conforme o site exige. Inclusive informei que seria muito mais interessante se a própria empresa pedisse medidas para a polícia, por ser uma pessoa jurídica interessada no assunto e com milhares de clientes. Nunca recebi uma resposta do Mercado Livre, hoje é dia 11 de dezembro e não recebi nem uma confirmação de recebimento de reclamação.

Eu agradeço a confiança da MacMagazine, o espaço e a credibilidade para que possa alertar aos que querem efetuar uma venda como no meu caso. Pensamos em fazer uma denúncia, mas não quero usar o termo “denúncia” neste artigo. Por mais estranhas que possam ser as coisas no meu relato, prefiro o benefício da dúvida para todos os envolvidos (inclusive retirando nome e endereço do “comprador”).

Vale ressaltar alguns detalhes que são facilmente identificáveis e que ocorreram no meu caso:

  1. O Mercado Livre não usa o endereço “confirmacaodacompra.com”1 para envio de mensagens de confirmação da venda;
  2. O Mercado Livre não solicita que o anúncio seja pausado numa venda;
  3. A transação do Mercado Pago é efetuada dentro do sistema do Mercado Pago e protegido por criptografia (utilizada no HTTPS), não via email;
  4. Desconfie do valor recebido para envio — o Mercado Livre informa o valor a ser cobrado do comprador no ato da criação do anúncio.

O mais importante: contenha a sua euforia! É assim que caímos em golpes de compra. Sempre averigue o que está acontecendo e, no menor sinal de algo estranho, peça ajuda ao suporte do site.

Apesar de reafirmar que gostaria de dar o benefício da dúvida aos envolvidos, cabem notas pessoais e reclamações acerca do ocorrido:

  1. O Mercado Livre ignorou, perdeu ou não dá a devida atenção para as reclamações no seu site. Isso é preocupante; deixei de usar outros métodos de venda por confiar na credibilidade do website, inclusive meu anúncio continua ativo até a presente data.
  2. Como um suposto impostor conseguiu meu email para enviar mensagens de fraude? Seria uma brecha de segurança ou simplesmente uma infeliz coincidência?

Este artigo é para demonstrar os perigos de uma venda de produtos online e auxiliar os novos vendedores nos caminhos da venda online brasileira. Vale também como uma cobrança de melhorias no suporte ao cliente do Mercado Livre e alerta geral para os demais sites que tenham a mesma finalidade.

Comentários

O Modo Escuro foi ativado ou desativado.
Atualize esta página para ver os comentários.

Posts recomendados

Relatório de erro de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: