Editoras de livro podem estar cometendo o mesmo erro das gravadoras musicais na distribuição online

Amazon Kindle 2Quem usa a internet desde meados da década de 90 viu e acompanhou de perto o surgimento e a evolução do e-commerce. Ainda estamos, hoje, aprendendo como lidar com isso, quais as melhores formas de chegar ao consumidor e que modelo é perfeito para distribuição de conteúdos online.

Publicidade

A iTunes Store passa agora por uma grande transição, removendo aos poucos todo o DRM (software de proteção de direitos autorais) das músicas comercializadas por lá. A Apple e as gravadoras demoraram, mas perceberam que os usuários não estavam nem um pouco contentes em pagar por um conteúdo e ainda ficarem bastante limitados quanto ao que pode-se fazer com ele.

O interessante (e impressionante) é que, segundo o Techdirt, parece que as editoras de livro estão cometendo o mesmo erro, mais uma vez. E o pior de tudo é que tal vontade de “proteger o seu conteúdo” foi um dos fatores que mais contribuiu para o sucesso estrondoso da Apple neste mercado, diante da popularidade da dupla iPod + iTunes. Se tudo tivesse sido aberto desde o começo, quem sabe a concorrência tivesse mais chances para brigar frente a frente com projetos da firma de Cupertino.

A bola da vez não é a Apple, e sim a Amazon.com, com o Kindle. Da mesma maneira, as editoras obrigam-na a implementar DRM nos conteúdos distribuídos para o aparelho, dando uma força para o monopólio da plataforma. As gravadoras podem até ser desculpadas, já que foram pioneiras… mas escorregar na mesma casca de banana, meus caros, eu não vejo muito sentido.

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…