Por que eu nunca compraria um dos novos iPods shuffle

Ok, a poeira baixou, a respiração está menos ofegante, o Campo de Distorção da Realidade® começa a perder força. O novo iPod shuffle é lindo e fantástico em diversos aspectos, mas eu nunca o compraria. Se você quer saber por que, prossiga lendo este artigo.

VoiceOver do novo iPod shuffle 3G

Antes de mais nada, a César o que é de César: pelo mesmo preço do seu antecessor, o novo iPod shuffle oferece o dobro de capacidade interna e um revolucionário recurso VoiceOver, que resolve o “problema” da ausência de tela no aparelho, informando o nome da música e do artista em reprodução através de uma voz computadorizada.

Eu colocaria o tamanho dele como ponto positivo, mas isso já inicia a minha discussão: até que ponto gadgets como o iPod shuffle podem ser miniaturizados? Pô, é muito legal a Apple conseguir criar algo assim, mas por outro lado a facilidade de se perder o aparelho aumenta consideravelmente. Jogá-lo na máquina de lavar esquecido dentro do bolso de uma camiseta ou calça, então, é tarefa pra dois palitos. Desculpem, mas é impossível não lembrar disto aqui:

A ausência de muitas opções de cores também não me incomoda muito. Sempre preferi e optei por comprar modelos de cores neutras, como branco, preto ou prata. Então, disponível nestas últimas duas, neste aspecto o iPod shuffle não deixa nada a desejar, ao menos na minha percepção.

Parte superior do novo iPod shuffle 3GAinda falando no seu design, gostei da mesclagem dos dois switches outrora separados: agora, o mesmo botão que você desliza para ligar o iPod serve também para definir se você quer reproduzir as suas músicas na ordem ou em modo randômico. Mas o grande problema e principal motivo deste post está bem aí: este é o *único* botão do novo iPod shuffle.

Como vocês já sabem, os controles de reprodução e volume encontram-se agora no cabo dos fones de ouvido. O grande problema disso? Estamos sem alternativas senão usar esses fones originais da Apple — que, no meu caso, é horrível, como expliquei numa resenha recente sobre os BudFits. A Apple deverá abrir a tecnologia para outros fabricantes colocarem no mercado soluções semelhantes, mas ainda assim o número de opções é absurdamente reduzido e eu não poderia usar um fone qualquer que já tenha comprado, como os meus Sony MDR-EX81LP. Em outras palavras, a brincadeira fica um pouco mais cara.

Pensando numa situação ainda mais prática e corriqueira, imagine só se você esquecer os seus fones em algum lugar, perdê-los de vez ou até quebrá-los por algum motivo. Sim, isso mesmo: você ficará sem o seu iPod até que compre novos fones… da Apple.

Mas o mais grave de tudo isso — e aí é que entra o meu caso específico, e que também deve ser de alguns dos nossos leitores — é que eu nem sequer poderia usar o novo iPod shuffle como fonte auxiliar de um som qualquer, como o do meu carro. Ora, eu posso usar hoje o meu iPhone 3G, o meu iPod video de 80GB e/ou o meu iPod shuffle 2G com um cabo P2 «» P2 (vulgo bananinha «» bananinha) comum no carro. Com um iPod shuffle 3G, como é que diabos eu controlaria o que vai tocar?!

Os controles em si podem parecer muito intuitivos e fáceis de se decorar, mas são um retrocesso em usabilidade. Ora, veja o iPod shuffle 2G e me diga se é preciso alguma explicação de como este aparelhinho funciona:

Novos iPods shuffle

Para a nova geração, a Apple teve que criar isto aqui:

Instruções de uso do iPod shuffle 3G

Isso não me parece lá muito inteligente. Desde quando alguém imaginaria, sem ninguém lhe dizer ou sem ler um manual (nem que seja um guia rápido, como é o caso de todos os iPods), que dois toques num botão — que só tem dois ícones: mais (+) e menos (-), para controle de volume — significaria avançar uma faixa? Que dirá três, para retroceder uma faixa ou voltar ao início da que está tocando?

No mínimo, são alguns novos comandos que a pessoa terá que se forçar a aprender e memorizar. Pode parecer besteira, mas foge um pouco ao padrão de facilidade de uso clamado pela Apple em todos os seus produtos. Para uma pessoa mais velha, então, pode ser um tanto inconveniente. Há quem diga, até mesmo, que a posição dos controles não faz muito sentido. No iPhone eles só estão ali porque têm embutido um microfone, que obrigatoriamente deve estar no nível da boca da pessoa.

Por fim, colocar 1.000 músicas nos 4GB internos do novo iPod shuffle é ótimo, mas não seria nada mal se a Apple continuasse oferecendo uma versão de 2GB por, quem sabe, US$60. Para muita gente, 500 canções num gadget como esse é mais do que suficiente.

Bom, pelo menos ainda dá pra gravar frasezinhas nele:

Gravação de fases no iPod shuffle 3G

E, para quem quiser, uma boa notícia: os iPods shuffle 2G ainda estão disponíveis. Assim que soubermos de alguma mudança de preços aqui no Brasil, avisaremos a vocês aqui no site.

Posts relacionados

Comentários