Resenha: Prizmo, um scanner em software pra quem já tem uma câmera digital

Ícone do PrizmoTer um scanner em casa certamente é bem bacana, mas ele definitivamente não se tornou e nem irá se tornar um periférico indispensável em residências. Com a popularização das câmeras digitais, muitos se acostumaram a tirar fotos de documentos/recibos/notas fiscais/papéis/caixas/embalagens, fazer uma rápida edição gráfica (ou nem isso) e usar aquilo ali em impressões, emails e afins.

Realmente, a coisa funciona, ainda mais se você tem prática no Adobe Photoshop. Se souber tirar uma boa foto (com iluminação e ângulo adequados), uma pós-produção não muito demorada pode lhe dar um resultado tão bom quanto o gerado por um scanner. Pensando nisso, a Creaceed desenvolveu o Prizmo, um software de digitalização para quem só tem uma câmera digital.

Prizmo

O aplicativo é simples e direto: em sua janela principal, basta arrastar uma imagem qualquer e começar a brincadeira. Usaremos esta como exemplo:

Prizmo

Se quiser, também dá pra puxá-la do Aperture, iPhoto, Photoshop Lightroom ou da pasta de imagens do seu Mac. Apesar de a resolução da iSight não ser das melhores, eu senti falta de uma opção de captura em tempo real pela webcam.

Prizmo

Com a fotografia carregada, em poucos segundos você pode alinhar a grade verde com os cantos do que deseja selecionar e pronto! 😉 A imagem está pronta para ser gerada.

Prizmo

Porém, três opções inferiores são importantíssimas para que o trabalho saia realmente bem feito:

PrizmoPrizmoPrizmo
  • Page Dimension: aqui, você define as dimensões exatas do arquivo que será gerado. Ele já vem com pré-definições para alguns tipos de papéis, mas é possível customizar o formato do jeito que você quiser. Um botão “Guess” força o software a adivinhar as melhores dimensões com base na imagem que está sendo trabalhada.
  • Lens Distortion: uma das opções mais avançadas do Prizmo, aqui você pode fazer ajustes de distorções de lentes com base nas informações passadas pela sua câmera. Se for preciso, ele ainda oferece um assistente de calibração e possibilita uma definição manual de primeiro e segundo raios.
  • Image Processing: por fim, é aqui que o visual da figura melhorará bastante, contando com configurações de brilho/contraste, nitidez e saturação. Na parte inferior, é possível binarizar a saída e/ou homonegizá-la, equalizando as sombras e os brilhos.

Quando você terminar o seu trabalho, basta exportá-lo num dos três formatos suportados pelo Prizmo: JPEG, PNG ou TIFF.

Prizmo

“Hoje em dia, mais e mais pessoas têm suas próprias câmeras digitais”, afirmou Sandrine Loiseau, da Creaceed. “Modelos atuais possuem normalmente sensores de 10 megapixels, sendo que uma imagem de 10MP é tão boa quanto um scan em US-Letter de 300dpi. E com algum processamento de imagem e binarização, é possível passar dos 600dpi. Portanto, usar uma câmera ao invés de comprar um aparelho adicional só pra isso é uma boa maneira de economizar espaço e dinheiro.”

O Prizmo é um binário universal, requer o Mac OS X 10.5.6 ou superior e custa US$40. É possível usá-lo em versão de testes, mas todas as imagens geradas ganham uma marca d’água. Para baixar sua versão 1.0.1, clique aqui (13,4MB) — infelizmente ele não está disponível em português, somente em inglês, francês e alemão.

[Dica do Francisco Pires, obrigado!]

Promoção-relâmpago: concorra a uma licença do Prizmo!

Tava achando que nossas promoções só ocorrem para iPhones/iPod touch? 😉 Pois o primeiro leitor que responder corretamente qual foi a data exata da última atualização do Prizmo leva uma licença dele pra casa. Só vale uma participação por pessoa e, como de praxe, lembre-se de preencher os campos do comentário com o seu nome completo e um email válido, caso contrário sua participação será descartada.

Boa sorte! 😉

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…