De graça, até injeção na testa! XLIII

Músicas 20090519Galera, vou tentar ser o mais breve possível, porque o hoje é O dia. Não só entramos com o pé direito numa nova fase, como o pessoal da iTS parece ter dado de presente algo que posso classificar como “A Melhor Semana EVER“: nada mais adequado para comemorar. A coisa foi tão boa que eu até me senti mal por não ter a quem escrachar criticar construtivamente.

Publicidade

Por falar em festa, quem faz aniversário hoje é a Apple Retail Store da 5th Avenue! Será que a profusão de hits se deve a isso? Não sei, mas eu bem que gostaria de estar por lá para marcar a data, mas meu jatinho foi ser encerado e só volta do hangar de madrugada. 😛

Sem mais delongas, vou tentar ser breve no post, pois hoje vamos aonde nenhum Injeção na Testa jamais esteve!

Single of the Week

Diane BirchToda semana, encontramos uma faixa de um artita ou banda de que gostamos e a trazemos até você, gratuitamente, como nosso Single of the Week. No jazz, uma frase popular entre os artistas é trazer um tanto de “igreja” ao palco. A cantora/compositora/pianista Diane Birch faz isso de mais de uma forma com sua música comovente. A filha mais jovem de um pregador itinerante, ela passou um bom tempo com sua família na África e na Austrália antes de acabar em Portlando, Oregon. Inicialmente sem exposição a músicas não-seculares, ela estudou piano clássico antes de explorar um largo espectro de músicas americanas. “Rise Up” começa com um piano indolente com um toque de blues, metais calorosos e a voz envolvente de Birch. Preste atenção ao brilhante “coro” de múltiplas camadas, que reluz tanto nos refrões como acompanhando o solo de clarinete do final.

[Pré-compra do álbum Biblie Belt; 13 faixas por US$7, porém o conteúdo está sujeito a mudanças até o lançamento, previsto para 2 de junho.]

Existe “amor à primeira ouvida”? Eu me apaixonei, não sei se por conta da semelhança física com a Feist, pela arte de álbum singela e eficiente ou se pela qualidade da faixa — óbvia desde o primeiro segundo. “Rise Up” (link para a iTS) soa perfeitamente encaixada no gênero jazz e prova-se simplesmente obrigatória, sem questionamento. Aliás, eu posso dizer que ouvi muita coisa boa no MySpace e recomendo a você dar um pulinho lá — seis faixas além desta, todas excelentes, não consigo nem parar de ouvir, nem escolher uma favorita! Para conhecer melhor a Diane, aqui está a biografia dela. Curiosidade 1: segundo a Wikipédia, o produtor dela é o mesmo cara por trás da notória faixa “Who Let the Dogs Out?”. Curiosidade 2: sabia que “Fire Escape” (4/5) está disponível para download gratuitamente na Vanity Fair? Masterizado bem baixinho, mas tá de graça… IMHO: 5/5 Do começo ao fim, uma canção muito boa, de um álbum que certamente valerá a pena ter na coleção.

Publicidade

Discovery Download

AnuheaNosso Discovery Download põe em foco um gênero diferente a cada semana, oferecendo gratuitamente uma faixa que julgamos merecer sua atenção. Anuhea provê um doce lembrete de que as aparências enganam. Esta cantora/compositora loira de olhos azuis é, na verdade, havaiana de nascimento e de criação, sendo que a tranquila “Right Love, Wrong Time” exibe sua envolvente marca de R&B com uma jovialidade inesperada — adequada às raízes insulares dela.

Se você gostar da faixa, dê uma sacada no álbum. [12 faixas por US$6]

Hoje é meu dia de sorte? Logo de cara, dá pra sentir no cérebro que a musicalidade da Anuhea é havaiana “Right Love, Wrong Time” (link para a iTS) tem cara de reggae, ares relax e pode anestesiar até os piores humores. Sabe o que mais? A moça tem um timing genial para as canções, inserindo quebras de ritmo que não têm nada a ver, mas que transformam as faixas em pequenas obras de arte — eu me arrepiei ao ouvir “tic-tac, tic-tac” nesta, foi demais! No MySpace você só vai encontrar trechos das músicas, porém são excertos gigantes: muito boa jogada, para dar um gostinho do seu trabalho sem irar os fãs! IMHO: 5/5 Você vai querer mais, depois que ouvir!

Canción de la Semana

Publicidade

Domino SaintsToda semana, encontramos uma faixa de um artista ou banda que está na crista do sucesso e a trazemos até você, gratuitamente, como nossa Canción de la Semana. A Domino Saints traz muitos dos sons das ruas de Porto Rico à superfície e os combina num todo cheio de embalo. “Buenos Dias San Juan” é uma faixa monstro com cornetas sólidas, nonsense, combinando com um riff de guitarra dub-friendly e os vocais elegantes de Giselle Ojeda. Se há uma faixa que merece o retorno do boombox, é esta.

Se você gostar faixa, dê uma sacada no álbum. [8 faixas por US$7]

Morri e fui pro Céu! Uma Canción com cara de Canción, mas que presta? Animada, latina, bem feita, contagiante, dançante! Tomara que “Buenos Dias San Juan” (link para a iTS) seja um bom presságio — e o fim do reggaetón. Eu acho que tudo o que pode haver de bom se faz presente nesta faixa, sendo que o final apoteótico vai te fazer prender a respiração, com um leve susto. Os Domino Saints me fisgaram: esta canção foi uma ótima pedida para angariar novos fãs. Não deixe de conferir o que há no MySpace: você pode gostar muito das mega-amostras lá disponíveis. 😉 IMHO: 5/5 Música LA-TI-NA da boa, divina pra ser seu toque de despertar.

Video of the Week

Justin Moore“É uma estrada de terra, uma vara de pescar, uma cerveja gelada na carroceria da picape, uma igreja antiga, uma palavra doce, é onde eu nasci e cresci, o Paraíso não fica tão distante.” Justin se mudou para Nashville, Tennessee, saído da high school aos 18 anos, vindo de Poyen, Arkansas, população 272, onde foi criado por seus pais Tommy Ray e Charlene Moore, nos 100 acres de terra da família.

[Adaptado da biografia dele no MySpace.]

Justin Moore é um caubói com saudades de casa e a iTS mantém seu dedo bom para talentos da música country. “Small Twon USA” (link para a iTS) tem tudo o que faz uma canção bela: é sentimental, tocante e melódica. O vídeo pode tocar as pessoas que têm raízes em cidade pequenas, mesmo que retrate uma realidade (bem) diferente do Brasil: orgulho pela sua terra natal é universal. Os “urbanitas” como eu podem se sentir um pouco alienados deste sentimento, mas ainda assim o clipe vale a pena. Algo que o compromete, porém, é o fato de Moore simplesmente não saber onde enfiar as mãos, quando é exibido de corpo inteiro — já os closes revelam um empolgação até genuína do cantor. Pontos a menos pelo © no final: isto não é o YouTube, meu povo, não precisa fazer isso, é chato! No MySpace, “Back That Thing Up” (4/5) é uma mensagem ótima para todos os geeks e seus HDs (desvirtuei). IMHO: 3/5 O Moore precisa de treino para se portar na frente das câmeras, mas a edição e o som neste clipe são dignos de mérito.

Publicidade

LeftRightLeftRightLeft

LeftRightLeftRightLeftOk, prometo como esta é a última vez que falo deste álbum — presente do Coldplay, não dá pra não falar! Primeiramente, devo relembrar que não sou fã de gravações ao vivo: o único álbum assim que posso dizer que aprecio na íntegra é o MTV Unplugged da Shakira (4/5), baseado no ótimo Dónde Están los Ladrones?. Porém, LeftRightLeftRightLeft é especial. Dado como um presente aos fãs, ele tem todo um ar carinhoso, que merece ser lembrado e imitado — acho que a iniciativa do Radiohead e seu In Rainbows veio com dedicatória, então ela não se enquadraria exatamente na mesma categoria.

A qualidade das músicas aqui presentes é primorosa, mas faltou um pouquinho mais de “tchan” no conteúdo (não que seja ruim, mas eu acho complicado equilibrar um álbum ao vivo entre o igual demais e o diferente demais do original em estúdio). “Viva La Vida” me fez chorar, “Fix You” está super especial, com uma participação de arrepiar da plateia, e as demais faixas arrematam até bem os quase 40 minutos de espetáculo. A mudança de baterista para vocalista do William Champion na faixa “Death Will Never Conquer” foi uma quebra de ritmo interessante, mas não me cativou (muito). No final das contas, LRLRL não tirou a coroa da Shakira, mas conquistou um merecidíssimo segundo lugar. IMHO: 3/5 Eu não gosto de álbuns ao vivo, mas este não pode ser ignorado — baixe agora!

Montt Mardié — We’re All The Pirate Bay

A-ham!… Para não dizer que não falamos de flores, veja que curiosa, esta música de protesto, dica do leitor Rodolfo Belentani.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=1fCHoI0h7Tc[/youtube]

E então? O “bixo baixador de torrents” que mora dentro de você se identificou? Não acredito que a qualidade sonora seja o objetivo desta canção, (tá na cara que a meta é a viralidade), mas mesmo assim ela não é de se jogar fora: o Montt Mardié merece kudos por seu talento. Fica aqui registrada a notícia e deixo que cada um tire suas conclusões — só lembrando que, juridicamente, o The Pirate Bay faz coisa feia! Mais do (ótimo) trabalho do Martié, no site oficial ou no MySpace — “Dancing Shoes”, por exemplo, é 5/5. IMHO: -/5 Abstenho-me e dou a palavra a você; compartilhe sua opinião nos comentários!

. . .

Este, que deve ter sido o Injeção na Testa mais WIN de todos os tempos, termina com um “Otsukaresama!” bem energético e a esperança de que nosso velho conhecido rebote cármico não dê as caras semana que vem.

Até lá! 😀

Caso você não tenha uma conta na iTS norte-americana, leia este post. As músicas da iTS aqui comentadas só podem ser adquiridas gratuitamente até 25 de maio e o álbum do Coldplay só continuará gratuito até o último show da banda em 2009 — se você perder a chance, já era. 🙁

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…