Como era o mercado de telefonia celular antes de a Apple lançar o iPhone?

iPhone 3GS deitado, de lado

Num artigo irônico de defesa à Apple, Kontra escreveu há alguns dias no counternotions sobre a modinha recente de chamar a Apple de “evil” (diabo), tanto quanto muita gente faz com o Google, em analogia ao conhecido histórico Microsoftiano.

iPhone 3GS deitado, de lado

Em meio a citações de usuários revoltadinhos com a Apple, à inveja que se dá pelo seu crescimento acelerado, à aversão do mercado pelo fato de uma pessoa — Steve Jobs — ter tanto controle sobre uma multinacional, a uma taxa de rejeição de apps de 0,03% (entre mais de 65 mil), entre outros, Kontra compilou uma lista bem bacana de como o mundo da telefonia celular era *antes* de o iPhone ser lançado.

Em tradução livre, aqui está:

  1. As operadoras mandavam na indústria ditatorialmente.
  2. Para acessar redes de operadoras, as fabricantes de handsets tinham que descrever tudo o que faziam.
  3. As operadoras ditavam os designs de aparelhos, recursos, apps, preços, marketing, propaganda e marcas.
  4. Telefones eram reduzidos a iscas baratas e descartáveis para contratos de serviços de operadoras.
  5. Não havia compartilhamento de receitas entre operadoras e fabricantes.
  6. Não havia previsão de redes de telefonia se tornando meios de trocas de dados tão cedo.
  7. Planos de dados ilimitados e acessíveis eram desconhecidos.
  8. Um aparelho que incentivasse a troca entre operadoras por milhões de pessoas era um sonho.
  9. Celulares eram simples telefones, e não computadores handheld de fato.
  10. Mesmo os telefones mais “inteligentes” não tinham integração com redes Wi-Fi.
  11. Sem Visual Voicemail, mensagens não podiam ser gerenciadas não-linearmente.
  12. Não havia lojas de aplicativos controladas e operadas por fabricantes de telefones somente.
  13. Uma loja com 65.000 apps baixados quase 2 bilhões de vezes não estava no radar de ninguém.
  14. Uma estratégia de preços de apps de baixo custo com alto volume e compartilhamento 70/30 não existia.
  15. Transações robustas de apps com um clique eram desconhecidas.
  16. Não havia um mercado de apps eficiente, de larga escala, consistente e lucrativo para pequenos e grandes desenvolvedores.
  17. Botões, teclas, joysticks, sliders… tudo, menos a tela, era foco de telefones.
  18. Telefones não vinham com touchscreens enormes de 3,5 polegadas.
  19. Telas sensíveis ao toque e interfaces baseadas em gestos eram coisa de ficção científica.
  20. Teclados virtuais multi-touch realmente “usáveis”, com múltiplos idiomas, não existiam em telefones.
  21. Sensores integrados, como acelerômetros ou detectores de proximidade, não tinham lugar em handsets.
  22. Telefones nunca poderiam competir em jogos/3D com consoles portáteis dedicados.
  23. Tocadores multimídia com a qualidade de iPods não existiam em telefones celulares.
  24. Nenhum telefone havia oferecido uma experiência de navegação na web como a de desktops.
  25. SDKs sofisticados e telefones eram estranhos uns para os outros.

E você, o que adicionaria nesse bolo? 😉 Que empresa além da Apple pode se gabar tanto de revolucionar um mercado que já existia há mais de uma década e que era dominado por nomes gigantes como Nokia, Motorola, Sony Ericsson, Samsung e outras, todas correndo atrás do prejuízo atualmente?

A Apple é mesmo diabólica… para as suas concorrentes. 😛

[Via: Daring Fireball.]

Posts relacionados

Comentários