Apple usa recursos especiais para dar funções nativas do iPhone OS aos seus web apps

Mobile Safari

Mobile SafariEmbora a App Store seja o principal local onde desenvolvedores investem na criação de soluções de terceiros para o iPhone OS, a Apple nunca deixou de dar valor aos web apps, a primeira forma de criação de programinhas para seus gadgets multi-touch, lançada em junho de 2007. Conforme o Mobile Safari foi sendo aprimorado em suas subsequentes versões, eles puderam ser personalizados com algumas funções especiais, para se comportar como recursos nativos do sistema móvel sem deixar de usar as linguagens essenciais da web — como HTML, CSS e JavaScript.

Isso é interessante para muitas aplicações que não exigem necessariamente o uso de recursos nativos do iPhone OS, mas o que a Apple colocou nas mãos de desenvolvedores web até hoje não oferece todas as possibilidades que o Mobile Safari suporta para dar aos web apps visual e algumas funções de softwares nativos. Há soluções de terceiros que oferecem funções mas caprichadas para eles, mas John Gruber, do Daring Fireball, fez um extenso artigo cobrindo uma tecnologia especial que a própria Apple vem usando em seus serviços móveis online, a fim de oferecer melhor integração com funções nativas.

Aparentemente, essa nova tecnologia está sendo empregada pela empresa sob a forma de um framework especial, conhecido como PastryKit. Com ele, Gruber conta que é possível remover a barra de título do Mobile Safari da vista do usuário enquanto o web app é usado — mesmo quando executado a partir do próprio navegador, e não de um WebClip —, além de implementar barras de ferramentas precisas no topo (e talvez no rodapé) da tela e proporcionar rolagem suave por longas listas, exatamente igual ao efeito momentum dos aplicativos nativos para iPhone OS.

É possível conferir o resultado do PastryKit visitando o guia de usuário especial que a Apple fornece em cada iPhone/iPod touch (certifique-se de estar em um deles ou no iPhone Simulator quando clicar no link acima), sob a forma de um favorito no Mobile Safari. Gruber até fez uma pequena apresentação em vídeo dele, que pode ser conferida a seguir:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=rNyvVLkVbHI[/youtube]

De acordo com o blogueiro, não é difícil para um desenvolvedor web compreender o código necessário para gerar as funções especiais apresentadas no vídeo, mas elas aparentam ser perfeitamente compreensíveis apenas em iPhones/iPods touch. Isso ocorre pois tudo relacionado à rolagem e ao posicionamento dos elementos na tela (em como as animações) é implementado através de JavaScript, para uso de gestos multi-touch.

No entanto, ainda existem algumas limitações com o uso do PastryKit: nem todos os aparelhos que a Apple lançou até hoje o suportam com total perfeição — todos os efeitos gerados apenas são perfeitamente apresentados em iPhones 3GS ou nos iPods touch de 32GB e 64GB lançados em 2009. Ainda assim, em qualquer gadget com uma versão recente do Mobile Safari, é possível experimentar os seus recursos no guia de usuário dos aparelhos — sem falar que ele funciona mesmo com o aparelho desconectado da internet, via HTML5.

A única questão sem resposta é se a Apple liberará ou não uma documentação do PastryKit para desenvolvedores terceirizados, algo que seria bem-vindo para muita gente que não se rendeu à App Store. Hoje, ela fornece suporte para criação de web apps no seu aplicativo de desenvolvimento de widgets — o Dashcode —, mas nele nunca foram vistas funções tão avançadas como essas.

Posts relacionados

Comentários

Deixe uma resposta