Vendas do Nexus One (aka Google Phone) teriam ficado muito aquém do esperado

Em um relatório especial divulgado pela Flurry, uma empresa que monitora o uso de aplicativos móveis, estimativas levam a crer que a semana inicial de vendas do famoso “Google Phone” tenha sido um fiasco.

O Nexus One é um smartphone e tanto, havemos de convir. Contudo, algo bizarro se deu: como pode um gadget tão promissor vender apenas 20.000 unidades em sua primeira semana no mercado? Veja o seguinte gráfico, feito pela Wired, que compara graficamente as primeiras semanas de vendas de quatro smartphones, segundo a Flurry:

Não é por nada, não, mas o iPhone 3GS vendeu 80 (!) vezes mais em sua primeira semana que o Nexus One. O Motorola DROID, por sua vez, foi 12 vezes mais vendido na primeira semana. São números oriundos de uma pesquisa indireta, verdade, mas eles devem significar alguma coisa.

Entre as causas para tal fiasco estaria todo o alarido gerado durante as festas de fim de ano por causa dos rumores e vazamentos de imagens do aparelho. O buzz teria feito os consumidores esperarem algo bom demais e se decepcionarem com o aparelho de verdade — ou seja, faltou “Wow!” no lançamento. Um outro fator é o sistema de preços e distribuição: por ser vendido exclusivamente via site do Google e custar US$530 desbloqueado ou US$180 num contrato com a T-Mobile, os potenciais compradores ficam sem ter como testar o aparelho em lojas físicas e o investimento parece alto demais diante de ofertas concorrentes.

E, falando em “concorrência”, a própria operadora parceira pode estar contribuindo com canibalização: enquanto o Nexus One só é vendido via google.com/phone, o myTouch 3G conta com pontos de venda físicos e ainda pode ter um papel importante ao recrutar clientes para a T-Mobile. Devemos ter em mente que o Nexus, apesar de tudo, não representou nenhuma revolução para handsets com Android. O que nos leva a mais um fator: falta de investimento em marketing. Compare o estardalhaço do lançamento do DROID com o que o Google fez. No mínimo, a falta de dinheiro destinado a isso poderia ter se refletido em preços mais palatáveis para o consumidor final.

Agora, o que eu particularmente acho ter sido _péssimo_ para o “Google Phone” foi ele ter sido lançado uma semana e uns dias depois do “Natal do DROID”: a esta altura, quem não queria um iPhone provavelmente já entrou em janeiro amarrado à Verizon.

Enfim, algo parece ter dado muito errado. O que você acha que pode ter sido? Dê sua opinião nos comentários e não deixe de conferir nossas primeiras impressões sobre o Nexus One!

Posts relacionados

Comentários