Começou a marmota? Apple exige que Lexcycle retire recurso do Stanza [atualizado]

Agora eu fiquei chateado, e olha que eu nem usava esse recurso: ontem à noite eu notei que tinha duas atualizações disponíveis para meus apps e fui, todo contente, baixar as novas versões. Uma delas era para meu querido Stanza e, segundo a descrição na página do aplicativo na App Store, a atualização removeria a capacidade de sincronizar livros via USB. Ah, legal, uma atualização que remove recurs… ÊPA! Não era pra uma versão nova _adicionar_ funcionalidades?

Segundo o TechCrunch apurou, o recurso foi removido por conta de um pedido específico e direto da Apple — contudo, por ser proibida de divulgar detalhes da conversa, a Lexcycle não pôde fornecer mais informações que isso. Obviamente, os usuários do app estão injuriados (1, 2), principalmente porque a imagem acima, inicialmente, não continha a parte “as required by Apple” — eu vi ontem à noite, mas infelizmente não posso provar com uma screenshot; pelo menos Wauters, do TechCrunch, também testemunhou isso.

Se a História nos ensinou alguma coisa, pode ser que o bom e velho discurso de “duplicar funcionalidade existente” já tenha entrado em efeito. Pense comigo e veja se o raciocínio tem lógica: o Stanza tinha a capacidade de sincronizar, via USB, livros no formato ePub; o iBooks, app nativo do iPad, deverá ter essa mesma funcionalidade; ergo, a Apple começou a quebrar as pernas da concorrência. Lindo, né?

Ou não: pode ser que a Apple queira simplesmente exterminar toda e qualquer sincronização USB extra-iTunes, pois pode ser que esse recurso use APIs privadas (o que é proibido, exceto para casos bem específicos). Se você bem recorda, a Lexcycle pertence à Amazon.com, que passou o fim de semana em pé de guerra com uma editora por causa do modelo de negócios adotado na iBookstore do iPad.

E então, terá sido isso mais um capítulo da epopeia em que a Apple se transforma num império monopolista do mal ou apenas mais uma jogada da Amazon para tentar (toscamente) dar uma de boazinha frente à concorrência do Kindle?

Atualização

Parece que podemos ficar um pouco tranquilos quanto à transformação da Apple num império monopolista do mal (por enquanto): pelo que o blog PatternMusic apurou, a questão do compartilhamento de arquivos via USB era um grande arremedo que os desenvolvedores usavam. O estratagema era lançar mão da pasta DCIM (onde são guardados vídeos, fotos e screenshots), a única fora do sandbox que pode ser acessada por um app, para trocar arquivos via USB.

Contudo, o acesso é autorizado unicamente para imagens/vídeos, sendo proibido escrever ou ler dados de outra natureza nesta pasta. Com isso temos uma violação dos termos de uso, portanto todos os apps com tal funcionalidade deverão ser podados, a não ser que Apple resolva abrir exceções.

[via The iPhone Blog]

Posts relacionados

Comentários