Surgem rumores do “Google TV”; seria agora uma boa hora para o Apple TV deixar de ser um “hobby”?

De acordo com o The New York Times, o Google estaria envolvido na criação de um set-top box para levar vídeos da internet para televisores, com foco especial em conteúdos de sites como YouTube e Hulu — ou seja, tanto produções de Hollywood quando vídeos produzidos por milhões de pessoas e distribuídos na web. O projeto teria ainda o envolvimento de algumas empresas nos ramos de acessórios, computação pessoal e entretenimento, incluindo Intel, Sony e Logitech.

A base do software usado no dispositivo (já denominado na internet como “Google TV”, meio óbvio) seria o sistema operacional Android, que possibilita a criação de interfaces de usuário mais avançadas — e o uso de aplicativos do Market. No entanto, também é cogitado o uso do Chrome OS para navegação na internet, visto que interfaces especiais para isso já existem entre os protótipos de uso do sistema operacional desktop do Google, baseado inteiramente em tecnologias web para desenvolvimento de aplicativos.

Por trabalhar com sistemas abertos, o Google não daria exclusividade apenas à Sony para apresentar o seu set-top box ao mercado, mas firma japonesa pode aproveitar a oportunidade de trabalhar a fundo no projeto em desenvolvimento para criar TVs com o serviço habilitado por padrão, sem a necessidade de hardware extra. A parceria com a Intel sugere a plataforma Atom como base tecnológica, enquanto a Logitech cuidaria de criar acessórios especiais para conexão ao gadget, como teclados e controles para uso remoto.

Do jeito que Google e Apple estão em pé de guerra, é provável que essa notícia faça a turma de Steve Jobs dar uma nova vida para o Apple TV, que até hoje vive ligado ao iTunes para a obtenção de filmes e programas de TV. Entretanto, a minha visão sobre o produto da Maçã sempre foi bastante positiva (embora eu não tenha condições de adquirir uma unidade), e até me questiono se recriá-lo com base no iPhone OS seria o jeito certo de fazê-lo decolar, como alguns pensam.

[via TechCrunch]

Posts relacionados

Comentários

Deixe uma resposta