Foxconn aumentará salário-base de seus empregados em 20%; mais empresas se preocupam com a situação

Ym Yik/European Pressphoto Agency

Sem contar horas extras ou bônus, um trabalhador iniciante ganha cerca de US$130 por mês na Foxconn. De acordo com a MSNBC, hoje foi anunciado que um aumento de 20% (~US$26) desse salário-base será concedido aos trabalhadores chineses, apesar de não ter sido comunicado quando tal alteração terá efeito.

Ym Yik/European Pressphoto Agency

As análises do impacto deste aumento sobre os lucros da empresa são conflitantes: uns dizem que o aumento de US$84 milhões nas despesas trimestrais trarão uma queda de 10–12% nos ganhos operacionais; outros dizem que gastos com força laboral não chegam a 2% dos custos da Hon Hai. Adicionalmente, não é incomum que sejam dados aumentos de até 50% em períodos de grande demanda, como o terceiro trimestre.

Um trabalhador de sobrenome Wang, contatado pela reportagem, mencionou que tal aumento pode ajudar a conter a onda de suicídios na Foxconn, tendo em vista que reduzirá um pouco a pressão financeira sobre os trabalhadores.

Em uma coletiva cedida na quarta-feira, à qual o New York Times compareceu, Terry Guo, CEO da Foxconn, anunciou que medidas para prevenir os suicídios estão sendo tomadas, dentre elas a instalação de redes de proteção nos alojamentos dos trabalhadores. Infelizmente, horas depois desta entrevista, mais um trabalhador teria caído de um prédio da Foxconn — ainda não há confirmação se este seria mais um suicídio ou um acidente.

Uma explicação concedida por Jing Jun, professor de sociologia da Universidade de Tsinghua convidado pela empresa para a entrevista, apontou que rumores indicando que as famílias dos suicidas receberiam cerca de US$14,6 mil em indenizações podem ter alimentado a onda de suicídios. Para evitar isso, recentemente foi liberado um termo que os trabalhadores deveriam assinar, isentando a Foxconn de pagar qualquer coisa além do mínimo legal como compensação por ferimentos adquiridos fora das linhas de montagem. Contudo, as severas críticas a essa atitude fizeram Guo retratar-se e voltar atrás na decisão.

Segundo o Engadget, Sony, Nokia e Nintendo manifestaram publicamente sua preocupação com o caso, assim como já fizeram Apple, Dell e HP. Outra medida que estaria sendo tomada é a transferência de um quinto dos trabalhadores para regiões mais próximas às suas famílias.

Fiquemos de olho.

Posts relacionados

Comentários