A esperada versão do Reeder para iPad chegou à App Store

Ícone do Reeder para iPads

Ícone do ReederQuando meu iPad chegou, fiquei bastante impressionada ao ver como alguns serviços ficam bem melhores na tablet da Apple, como o Contatos (Contacts), o Gmail, o YouTube e até mesmo a App Store. Por outro lado, alguns não ficam tão legais, como é o caso do Google Reader via browser.

Publicidade

Recebi recomendações de outros leitores de RSS, mas resolvi esperar até o lançamento do Reeder para iPad, que prometia muito. Ele foi enviado para a App Store no dia 31 de maio e finalmente aprovado na sexta-feira (11/6).

Alguns apps, como o The Early Edition — disponível por US$5 —, apresentam uma cara bonita, mas pecam muito na navegação e nas funcionalidades. Não é o caso do Reeder, que, além do visual atrativo e organizado, já chegou com ótimas features.

Publicidade

Uma delas (e talvez a mais interessante) é a sincronização com o Google Reader, incluindo seus favoritos e itens compartilhados. Deixar a ferramenta do Google com uma cara mais bonita é com certeza bem-vindo, principalmente quando a versão mobile deixa muito a desejar.

Os posts ficam organizados em pilhas (stacks) divididas por categorias e podem ser listados em ordem cronológica ou separados por blog.

Publicidade

Além disso, há diversas opções de compartilhamento, cache de imagens, integração com o Instapaper, ReadItLater, Delicious e Pinbard. Também é possível pular de um artigo para outro de dois modos: usando as setas de navegação, ou simplesmente deslizando até o topo ou final da página. E como às vezes nós não damos conta de ler todo o conteúdo de um blog, o botão “marcar tudo como lido” está sempre ao lado para facilitar.

Senti falta de poder ver o feed passado dos blogs — para encontrar posts antigos — e de um sistema de busca. Se tem uma maneira de fazer isso, ainda não encontrei…

Publicidade

O leitor peca em alguns detalhes de usabilidade. Por exemplo, a navegação depende bastante do movimento “pinch to zoom” — aquele de pinça, usado para ampliar e diminuir imagens —, mas isso não fica claro para quem não conhece o app e chegou de paraquedas. O pinch é usado para expandir categorias, exibindo os feeds separadamente dentro delas, assim como para ter uma prévia dos posts de um feed específico.

Outros gestos também são usados: deslizar sobre um artigo para direita pode marcá-lo como lido (ou não-lido), enquanto para a esquerda o adiciona aos favoritos. Leva um tempo de aprendizado para pegar esses movimentos e ícones do app sem confusão, mas nada que prejudique a experiência.

MacMagazine no ReederDica: se você tem um blog, pode criar uma imagem de 120×120 pixels com o nome de ‘apple-touch-icon.png’ para que ela ilustre seu feed no Reeder, como na imagem ao lado.

Era um aplicativo que fazia falta nessas poucas semanas de iPad no mercado. Imagino que agora eu vá ficar mais em dia com a leitura de RSS. Será?

A novidade custa US$5 na App Store e compensa muito mais que outros apps do gênero. Em menos de 24 horas, o Reeder já ocupava a primeira posição entre os apps mais vendidos para iPad. Há ainda a versão dele para iPhones/iPods touch, que também já ganhou um review positivo aqui no blog.

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…