Gene Munster prevê resultados mornos, pois a Apple vende mais iPhones e iPads que fabrica… hã?

Família de iPods, iPhones e iPad

Já sabíamos que Gene Munster é o mais cauteloso de todos os analistas que acompanham a Apple e que ele não está animado com o evento “Back to the Mac”. Numa nota divulgada hoje, porém, o analista da Piper Jaffray procura transmitir para os investidores sua cautela em relação ao desempenho da Apple, usando a seguinte lógica: foram vendidos iPhones 4 e iPads demais. Bem-vindo ao Além da Imaginação.

Família de iPods, iPhones e iPad

Suas previsões de que a Apple teria vendido 11 milhões de smartphones, 4,5 milhões de tablets, 3,7 milhões de Macs e algo entre 10 e 10,5 milhões de iPods estão, de fato, 200 mil iPads abaixo da média em Wall Street. Munster justifica isso alegando que a escassez de iPhones e iPads, bem como a margem de lucro mais estreita destes, poderá prejudicar o desempenho da empresa, que não será capaz de superar suas estimativas de receita e lucro com a mesma folga de tempos passados.

“No fim das contas”, Munster escreveu, “apesar de ser difícil prever o desempenho das ações no dia após os resultados da Apple, acreditamos que elas vão subir nos próximos três meses. Acreditamos que os investidores vão permanecer otimistas e que o histórico de crescimento poderá continuar, dado o tamanho dos mercados ainda a abordar combinado com o market share relativamente pequeno [da Apple].”

Pois é, enquanto uns acham que a Apple vai penar para atingir a expectativa do mercado, de US$18,8 bilhões em faturamento, outros já esperam que ela passe dos US$20 bilhões. Por enquanto, a NASDAQ:AAPL vai bem, em alta de quase 2,6%, cotada a US$310,15. Será que ela se segura até o fechamento do pregão?

[via AppleInsider]

. . .

Em uma entrevista ao Silicon Alley Insider, Gene Munster comentou ainda sobre os principais desafios no caminho da Apple (a concorrência do Google e a perda de Steve Jobs, que é “insubstituível como Henry Ford”) e a possibilidade de a AAPL chegar a US$1.000 (se há alguma companhia que pode fazer isso na próxima década, é a Maçã, mas vai demorar).

Para o analista, o sucesso ou a derrocada da Maçã vai depender de ela continuar inovando na próxima década como fez na passada.

Posts relacionados

Comentários