John Gruber acha improvável (pra não dizer impossível) vermos apps de iPad na Mac App Store

Ícone - Mac App Store

Quando falei de uma ideia de Dave Winer sobre a chegada de apps do iPad para povoar a Mac App Store, acho que eu posso ter entendido uma coisa fora do lugar. Desde minha primeira leitura até terminar de escrever aquele post, em nenhum momento me passou pela cabeça que os desenvolvedores iam vender na Mac App Store os mesmos apps do iPad, sem mudar nada — mas parece que era esse o cerne da coisa e eu interpretei tudo de forma demasiadamente benévola.

Publicidade

Mac App Store rodando num MacBook Air

John Gruber, por outro lado, entendeu perfeitamente o conceito comentado por Winer e escreveu uma extensa explicação sobre por que isso não vai acontecer. Desse texto, uma frase resume tudo perfeitamente:

Toda a razão para o sucesso da Apple com o iOS foi justamente o oposto de “escreva uma vez, rode em qualquer lugar”. Ela está mais para “escreva uma versão que seja especificamente otimizada para este aparelho em particular”.

Daí, o espírito do que Winer falou está correto (o desenvolvimento de apps para Mac pode se tornar semelhante ao para iOS, atraindo desenvolvedores desta para aquela plataforma), mas as chances de vermos apps exatamente iguais aos do iPad na Mac App Store são nulas. Graças a Deus! Alguns aplicativos podem requerer apenas um mínimo de mudanças (um Flight Control da vida, por exemplo, viveria bem apenas com um cursor e gestos multi-touch no trackpad), mas a maioria certamente vai precisar de várias alterações grandes e, principalmente, a eliminação de coisas como o “shake to undo”, que já é complicada num iPad, que dirá num iMac. 😛

Justamente por isso o boato da reunião secreta faz sentido nesse contexto: dá pra imaginar facilmente o pessoal de Cupertino repassando uma tonelada de orientações e alertas quanto a não fazer ports puros e simples de apps do iPad para Mac, sem falar em ferramentas (alpha ou beta) para facilitar a vida de quem começou no iOS e vai abordar o OS X. Apps em versões bem adaptadas, por outro lado, são bem-vindos: um Brushes da vida, por exemplo, seria uma excelente pedida para desenhar no Mac sem ter que pagar por um editor de imagens completo como o Pixelmator ou, pior ainda, um exagero como o Adobe Photoshop.

[dica do Juliano Rossi]

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…