Descoberta inacreditável: o iPad não serve pra ser seu único computador

Atenção para uma notícia de última hora do Departamento de Obviedades: o iPad não serve para ser o único computador da sua vida. Não estou falando de pessoas com necessidades específicas ou qualquer grupo majoritário/minoritário, estou generalizando. Se você for da espécie Homo sapiens sapiens, não use o iPad como sua única ferramenta computacional. Prova disso são os requerimentos mínimos do gadget: Mac ou PC, você precisa de um computador.

Isso não impediu Andrew Hyde de testar se a tablet poderia ser sua única máquina de produtividade. Pior ainda: ele a escolheu especificamente para uma finalidade prejudicada pelo conceito central do produto. Hyde é um escritor. Se você acha que isso vai dar em m****, eu vou adiantar logo pra você: vai dar em m****, e pelo motivo mais tosco possível.

Como Hyde queria escrever muito e uma tela sensível ao toque não é páreo para quem aprendeu a digitar profissionalmente num QWERTY físico, ele comprou também um teclado Bluetooth para levar a todo lugar. Só que, no meio da estrada, encontrar uma forma de gerenciar a tablet e o teclado era muito complicado — um ponto de reclamação que me faz pensar “Se ele queria o treco pra escrever longos textos onde quer que fosse, por que não um notebook (ou netbook com teclado decente)? Por que um iPad? E se ele queria, porque queria um iPad, por que não escolheu um teclado que fosse menos centrado em produtividade em mesas? Por que não um teclado-case que transforma o iPad em netbook?”

Mas isso não foi o mais grave: o grande prejuízo foi quando o teclado se ativou sozinho dentro da mochila, por causa da pressão de algumas teclas aletatórias, acionou a tela de senha do iPad e fez o gadget entrar em modo de segurança, precisando ser sincronizado com o computador que originalmente o ativou. O que o teclado estava fazendo ligado dentro da mochila? Por que o Bluetooth do iPad estava ligado? Cadê o computador, pra destravar o gadget? Hyde não é dono desse computador e teve que apagar todos os dados que tinha na tablet, incluindo fotos*, textos e anotações de três meses de viagens, e a culpa é da Apple.

Argh. Imagino o que um Apple Genius ou um atendente do AppleCare diria para ele, diante dessa situação. “What were you thinking?” é a coisa mais gentil que me vem à mente. Esta foi a história de uma pessoa que não entendeu que o iPad nunca foi uma máquina criada para ser completamente autônoma — sério, desde de 27 de janeiro todo mundo que podia já reclamou disso inúmeras vezes. Sabe como é, escolher ferramentas não é exatamente um talento universal das pessoas — desligar o Bluetooth e fazer backups também não, pelo visto.

Na semana que vem, aguarde notícias sobre a próxima pesquisa do Departamento de Obviedades: será que um Xbox 360 pode ser o único computador num escritório de contabilidade?**

* As imagens do iPad foram perdidas, mas Hyde não apagou os cartões de suas máquinas fotográficas, pois ele “não confia nem um pouco na Apple”. Mesmo assim comprou um MacBook Air. Argh.

** Isso foi uma piada, o Departamento de Obviedades não existe e não conduz pesquisas desse tipo.

[via MacStories]

Posts relacionados

Comentários