Em parceria com a Oxil, Apple realiza programa de reciclagem de seus produtos no Brasil

Programa de reciclagem - Apple Brasil

Não sabemos dizer ao certo desde quando isso está sendo realizado no Brasil, mas parece ser algo bastante recente: em parceria com a Oxil, a Apple realiza agora por aqui também o seu Programa de Reciclagem, tanto para Macs e monitores quanto para iPods e iPhones. A iniciativa é uma das várias da empresa em prol do meio ambiente.

Programa de reciclagem - Apple Brasil

O Programa de Reciclagem da Apple oferece descarte gratuito e adequado aos equipamentos eletrônicos fabricados pela companhia que tenham chegado ao final da sua vida útil.

Quando você recicla com a Apple, seu equipamento usado é desmontado e os componentes principais, que podem ser reaproveitados, são removidos. O vidro e o metal podem ser reprocessados para serem utilizados em produtos novos. Grande parte do plástico pode ser pelotizada em matéria bruta secundária. Com o reprocessamento de materiais e reutilização de componentes, a Apple chega a uma taxa de recuperação de aproximadamente 90% por peso do produto original.

A Apple atende os requisitos da Convenção de Basiléia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito. Todo o lixo eletrônico coletado pelos programas voluntários da Apple em todo o mundo é processado na região na qual é coletado. Nossos recicladores precisam atender às legislações vigentes de saúde e segurança e não permitimos o uso de trabalho encarcerado. Os recicladores da Apple não descartam lixo eletrônico nocivo em aterros sanitários nem incinadores.

Qualquer brasileiro pode participar do Programa de Reciclagem da Apple ligando para 0800-772-3126, ou utilizando o email applecs@oxil.com.br para mais informações. Ao que tudo indica ela não oferece descontos na compra de novos produtos como ocorre em alguns casos, nos Estados Unidos, mas a iniciativa em prol do meio ambiente, por si só, já é extremamente válida.

Cada um fazendo a sua parte! 🙂

[dica do Jefferson Hauptmann e do Erik Gonçalves]

Posts relacionados

Comentários