O que a Apple pretende comprar com US$3,9 bilhões ao longo de dois anos?

Tim Cook

Tim CookNa conferência de resultados financeiros de ontem, uma informação muito interessante quase passou batida por nós: Peter Oppenheimer, nas declarações de abertura do evento, anunciou que a Apple garantiu um contrato de US$3,9 bilhões ao longo de dois anos para assegurar a aquisição um tipo de componente “muito estratégico” para seus produtos.

Mas o que poderia ser isso? Tim Cook se recusou a dizer especificamente, mas traçou uma analogia com algo que já conhecemos:

Olhando pelo lado operacional da casa, como vocês provavelmente devem lembrar, ao longo de nossa história entramos em certos acordos com diferentes pessoas para assegurar oferta e outros benefícios. O maior deles no passado recente foi quando assinamos um contrato com vários produtores de [memórias] flash no final de 2005, num total superior a US$1 bilhão, pois antecipamos que flash seria cada vez mais importante em toda a nossa linha de produtos e em toda a indústria. Daí quisemos assegurar suprimentos para nossa companhia. Achamos que esse foi um uso absolutamente fantástico do dinheiro da Apple, e constantemente procuramos por mais [usos] desses. Daí, nos últimos trimestres, identificamos outra área e fechamos alguns acordos recentes dos quais Peter [Oppenheimer] falou em seus comentários iniciais. Esses pagamentos consistem em pré-pagamentos e capital para equipamentos e ferramentas. E, similarmente ao acordo acerca de memórias flash, eles são focados em uma área que sentimos ser muito estratégica. Por isso eu prefiro não entrar em mais detalhes sobre que área é essa, mas foi o mesmo raciocínio que nos levou a esses acordos.

Pronto: agora todo mundo quer saber o que seria o objeto desse acordo. O Engadget aposta em LCDs de alta resolução, John Gruber diz que seria algo a ver com tecnologia de touchscreens (o que pode dar na mesma), o AppleInsider levanta várias possibilidades, indo desde as telas Retina até os sucessores do processador A4 e as baterias.

Uma coisa é certa: quando esse componente sumir do mercado e nenhum concorrente foz capaz de encontrá-lo à venda para usar em seus próprios produtos, saberemos do que se trata — a Apple tem essa mania de drenar a cadeia de produção.

Eu aposto como esse investimento é em Nutella: todos os produtos da Maçã em 2011 virão recheados com essa iguaria deliciosa, não vai sobrar nenhum nas prateleiras. 😛

Posts relacionados

Comentários