Diferença de preço entre tablets com Android e o iPad gera discussão entre especialistas

Tablet Motorola XOOM

Não há como negar que, neste ano, ficará mais difícil escolher uma tablet: apesar de o iPad ser o atual líder no segmento, a Apple sentirá uma pressão muito maior de concorrentes baseados no Android e outras plataformas móveis do que no primeiro lançamento do seu principal produto. Os anúncios feitos por empresas como Motorola, LG, Samsung e HP evidenciam que elas querem jogar sério no mercado de tablets, mas os planos delas parecem estar ofuscados devido a um quesito com o qual a Maçã aparentemente não precisa se preocupar: o preço.

Publicidade
Tablet Motorola XOOM
A Motorola fez uma boa tablet, mas o problema é fazer o preço dela convencer os usuários…

Hoje, é possível comprar um iPad por US$500 nos Estados Unidos (isto é, se você não se preocupa em ter apenas 16GB de armazenamento interno), de forma que colunistas de tecnologia não concordam muito com a ideia de um produto como o HP TouchPad vir a custar, especulativamente, US$700. A tablet XOOM, da Motorola, deverá ser lançada apenas com Wi-Fi por US$600, mas seu modelo 3G custará US$800 e alcança o iPad topo-de-linha, que custa US$830. Por que atingir o preço de entrada do gadget da Maçã parece ser impossível lá fora?

Há quem diga que isso seja causado por causa dos recursos extras que as concorrentes da Apple oferecem  — a Motorola, por exemplo, integrou vários deles à sua tablet (os quais de fato fazem as ofertas do atual iPad ficarem no chinelo), incluindo câmeras, porta micro USB, tela widescreen, suporte a 4G e… bom, já deu pra entender. Porém, depois de um ano no mercado, a própria estratégia da Maçã parece mais cara — afinal de contas, é difícil imaginar que o iPad 2, seja lá quando for lançado, não terá mais recursos pelo mesmo preço.

A Apple pode ter vantagem nos Estados Unidos por coordenar as vendas tendo suas lojas como base, sem falar que desenvolveu o iPad usando mão-de-obra própria, passando apenas a produção de seus componentes e a montagem de unidades para terceiros. Empresas como a HP precisam recorrer à Qualcomm para comprar processadores inteiramente prontos, por exemplo. De qualquer forma, não acho que, atualmente, o fator preço seja condição de vantagem no mercado de tablets: cedo ou tarde, elas precisarão ficar mais acessíveis para consumidores de forma global, mas isso não acontece nem com o iPad, custando mais de R$1.000 por aqui.

Publicidade

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…