Começou a guerra musical na nuvem: Google Music Beta vai ao ar nos Estados Unidos [atualizado]

Google Music Beta

Foi anunciado hoje no Google I/O 2011 um novo produto da gigante de Mountain View para armazenamento de músicas na nuvem. O Google Music Beta se assemelha muito ao Amazon Cloud Player em vários pontos: em ambos, os usuários podem salvar suas músicas num armário digital que pode ser acessado de smartphones (Androids, claro — mas nada de iOS, no serviço do Google) ou navegadores desktop; além disso, nos dois casos suas criadoras basicamente ignoraram a necessidade de firmar contratos com gravadoras.

Só que o serviço do Google tem algumas diferenças. Por exemplo, ele tem um app com o qual é possível enviar, de uma vez só, toda a sua biblioteca do iTunes ou arquivos em determinadas pastas. O uso do Music Beta não é baseado em gigabytes, mas em faixas — até 20.000 podem ser salvas na nuvem. No Android (2.2 ou superior), a novidade será integrada ao app Music, podendo armazenar localmente faixas recentes ou selecionadas. Já no desktop, será possível ter acesso às faixas através de um tocador em Flash (“aberto”, imagino?). O serviço não terá nenhum canal de compra, ao contrário do da Amazon.com.

Assim como em quase tudo o que o Google faz, o Music Beta fará jus ao nome e deverá passar por um período de ajustes finais, sendo inicialmente fechado apenas para pessoas convidadas nos Estados Unidos. Com o tempo, ele deverá ser aprimorado e expandido, como é de praxe na gigante de buscas, além de provavelmente receber a adição de publicidade — imagino que algo como no Gmail. Contudo, pelo menos durante toda a fase beta, ele será gratuito.

Google Music Beta

Só que a batalha maior não será entre as companhias de Larry Page e Jeff Bezos, mas sim com a dona da maior loja de músicas do mundo: a Apple. Apesar de a Maçã ainda não ter tornado oficial nenhuma iniciativa de streaming de músicas, a quantidade avassaladora de rumores nos últimos tempos torna quase certa a existência de planos para oferecer algo do tipo em breve.

Como é possível perceber que o Google pretende atingir a sua parceira/rival de Cupertino? Pequenas coisas, como por exemplo o serviço não funcionar no iOS, mas ter um app que busca músicas direto do iTunes; outro ponto sensível é o uso o Flash Player (em vez de algum padrão aberto) no desktop, sem falar nos Instant Mixes, uma cópia descarada do Genius. Ah, e tem aquela história de aluguéis no YouTube

Só que, por enquanto, não há conflito direto, já que a Maçã (ainda) não oferece nada do tipo e, pelo menos teoricamente, é possível comprar uma faixa livre de DRM na loja da Apple e enviá-la para a nuvem de Mountain View.

Bem, agora é oficial: a guerra pela nuvem musical começou com força total — e, felizmente ironicamente, sem o envolvimento das gravadoras (elas fizeram por onde ser irrelevantes). Resta saber quando a Apple vai entrar com seus canhões e, quase certamente, contratos de parceria. A briga deverá ser boa, mas espero que alguém lembre de lançar um serviço desses para nós, brasileiros. 😛

[via TechCrunch: 1, 2]

Atualização (às 16h29)

Eis que, assim como o Amazon Cloud Player, o Google Music Beta é, sim, compatível com iGadgets: segundo testes feitos pelo pessoal da CNET, basta apontar o Mobile Safari para a página do novo serviço e interagir com ele na mesma interface disponível em desktops. Aparentemente, o uso do Flash Player é meramente decorativo, dado que a reprodução das músicas ocorre normalmente e até em plano de fundo no iOS — upload, porém, nem pensar.

Google Music Beta no iPhone

Resta saber se isso é apenas um efeito colateral do uso de padrões abertos compatíveis com todos os navegadores modernos ou se o Google pretende oferecer o serviço como web app para os usuários de iPads e iPhones/iPods touch.

[via MacStories]

Posts relacionados

Comentários

Deixe uma resposta