Forrester: a era “pós-PC” é real e está chegando; conheça as quatro características principais dela

Pessoas usando iPads - Daniel Bogan

Sarah Rotman Epps, da Forrester, publicou ontem um artigo comentando o que seria a era “pós-PC” de que tanto se fala desde que Steve Jobs usou essa expressão na keynote de lançamento do iPad 2. Interessante notar que “pós-PC” já fora usado por Jonathan Schwartz em 2004 e por David Clark em 1999. O que os três usos têm em comum, vale notar, é que os novos aparelhos e categorias não necessariamente matam a computação tradicional, mas sim expandem as possibilidades de conexão, entretenimento e produtividade.

Publicidade

Pessoas usando iPads - Daniel Bogan

Aliás, se for para determinar quais seriam as bases dessa tal fase “pós-PC”, Epps aponta quatro características fundamentais compartilhadas por tablets, smartphones e afins:

  • O uso deixa de ser estacionário e passa a ser ubíquo: em vez de o computador ficar na sua mesa, ele fica no seu bolso (ou bolsa).
  • Os aparelhos não ficam desligados: em vez de ligar o computador, usá-lo e desligar ao fim, na era “pós-PC” os gadgets estão sempre ligados e podem ser usados a qualquer momento.
  • A computação se torna íntima: em vez de ficar a uma braça de distância do conteúdo, smartphones e tablets trazem a tela para bem mais perto do usuário, além de poderem ser usados em situações mais pessoais, como na cama ou deitado no sofá.
  • A interação perde uma camada de abstração: em vez de movimentar um cursor, os dedos do usuário “tocam” diretamente o conteúdo.

Diante disso, o que vai acontecer com o PC? Provavelmente o mesmo que aconteceu com as pedras e o bronze, quando acabaram a Idade da Pedra e a Idade do Bronze.

Publicidade

[via Ars Technica | foto: Daniel Bogan, via Flickr]

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…