Uma primeira visão geral sobre o recém-lançado Final Cut Pro X

Ícone do Final Cut Pro X

por Lucas Saldanha Werneck, instrutor da IDS Tecnologia

Na madrugada da terça-feira passada (21/6), a Apple lançou o Final Cut Pro X na Mac App Store — um dia muito importante e bastante contraditório ao mesmo tempo. O aplicativo foi completamente re-escrito, com ênfase em velocidade e facilidades.

Final Cut Pro X num iMac

Suas três novidades principais são:

#1: Análise automática de conteúdos (Content Auto-Analysis)

São análises feitas em plano de fundo (background), enquanto arquivos são importados, tais como:

  • Janela de importação do Final Cut Pro XCreate optimized media – Para melhor performance, caso suas mídias não forem otimizadas, haverá um transcode em plano de fundo por uma versão melhor.
  • Create proxy media – Versões mais leves (em tamanho, resolução e qualidade) das suas mídias serão criadas.
  • Analyze for stabilization and rolling shutter – Vídeos tremidos ou com “rolling shutter” (principalmente em DSLRs) serão corrigidos também na importação.
  • Analyze for balance color – Imagens serão corrigidas em balanço de branco e cor.
  • Find people – Na importação será feita uma busca por rostos de pessoas.
  • Analyze and fix audio problems – Problemas de som, como zumbido, ruído, pop, distorção, etc. serão também resolvidos na importação.

#2: Arquitetura 64 bits, utilização de GPU, Grand Central Dispatch e processamento em plano de fundo

Ícone - 64 bitsSão avanços “under the hood”, os quais acabam com alguns limites como o uso da memória RAM em apenas 4GB, tamanhos de projetos, a utilização de apenas parte do poder de processamento e o emprego da GPU (processador das placas de vídeo).

Ou seja, aqueles minutos de cafezinho enquanto “renderiza” ou “exporta” não vão mais existir — ou pelo menos vão diminuir drasticamente!

#3: Linha do tempo magnética (Magnetic Timeline)

Esta funcionalidade permite que você mova clipes (de áudio ou vídeo) sem se preocupar em sobrepor algum outro. Os clipes que estiverem no caminho vão abrir espaço (para baixo ou para cima) para o que você estiver movendo.

· · ·

Mais novidades que vale listarmos:

  • Clip Connections
  • Compound Clips
  • Inline Precision Editor
  • Auditions
  • Range-Based Keywords
  • Smart Collections
  • Resolution independence
  • ColorSync-managed color pipeline
  • Increased native format support
  • Proxy creation
  • Skimming
  • Better Retiming
  • Always saved
  • Audio enhancements
  • Subframe audio editing
  • Fade handles
  • Automatic audio sync
  • Match Audio
  • Surround mixing
  • Match Color
  • Color Board
  • HTTP live streaming

Mais informações e detalhes sobre estas e outras novidades podem ser encontrados na página da Apple sobre o Final Cut Pro X.

Ícone do Final Cut Pro X

Reações

Estas novas funcionalidades são fantásticas, mas o aplicativo também foi totalmente redesenhado em termos visuais. Sem sombra de dúvida, ele foi altamente inspirado pelo iMovie — o que não é de se espantar, já que o pai de ambos (iMovie e FCP) é ninguém menos que Randy Ubillos. Isso não é necessariamente algo ruim, muito pelo contrário, mas todo cuidado com o mercado profissional sempre é pouco. Muitos ficaram com muito medo de o Final Cut Pro X ser “um iMovie Pro” e, agora com o lançamento, muitos outros aderiram a essa ideia.

Realmente esta nova versão ainda não possui inúmeras funcionalidades que até a anterior (o Final Cut Pro 7) existiam e eram utilizadas pela maioria dos usuários profissionais. A exemplo:

  • Não há suporte a XML;
  • Projetos das versões antigas até o FCP7 não podem ser abertos no FCPX;
  • Não há importação e exportação de EDLs;
  • Não há importação e exportação de OMFs;
  • Não há suporte a MultiCam Edit;
  • Não há interface com Decks profissionais;
  • Seus plugins comprados até a versão do FCP7 não funcionarão no FCPX;
  • Possibilidade de visualizar em um monitor profissional;
  • Não há como (facilmente) começar um projeto em um computador e continuar em outro;
  • Não há como importar XDCAM/XDCAM EX nativamente;
  • Não é possível ter múltiplos projetos e timelines abertos ao mesmo tempo;
  • A reconexão de mídias não é possível ou pelo menos não é algo fácil e lógico;
  • Não é possível trabalhar com mais de uma timeline no mesmo projeto;
  • Os clipes não mantêm as marcações de Ins e Outs — ao selecionar o próximo clipe, eles são apagados.

Fontes próximas à Apple informam que esta é a primeira versão de um software totalmente redesenhado e que rapidamente eles irão adicionar funcionalidades. Os detalhes são escassos, mas as perspectivas são boas.

No sneak peek na FCPUG SuperMeet (em que eu estava presente), a Apple — que estava lá sendo representada por engenheiros, arquitetos e vice-presidente — foi ovacionada pela plateia por causa das novas funcionalidades e, principalmente, por conta do preço de US$300 e do fato de o Final Cut Pro X poder ser baixado diretamente da Mac App Store.

Grandes gurus da área (como Larry Jordan e Steve Martin) comentaram que nunca viram um anúncio com esta quantidade de empregados da Apple presentes e isso só reforçava o “comprometimento” da empresa neste lançamento.

Conclusões

Se você edita como hobby ou em projetos pequenos, sem colaboração, afinamentos de pós-produção e apresenta basicamente seu resultado final na internet (Vimeo, YouTube e afins), DVD, Apple TV ou arquivo digital diretamente, então o FCPX é ótimo para as suas necessidades.

Se você for um editor profissional, freelancer e vive disto, muito provavelmente as empresas, produtoras e emissoras de TV em que você trabalha não irão migrar neste momento para o FCPX, portanto com certeza seus conhecimentos em Final Cut Pro 7 ainda serão válidos por muito tempo.

Independentemente das opiniões e sensações que muitos estão tendo neste momento, o fato é que houve uma mudança drástica e felizmente há os Authorized Apple Training Centers (como a IDS Tecnologia, aqui no Brasil) para nos auxiliar nesta transição de forma rápida, eficiente, autorizada e comprovada. Se você for um entusiasta de vídeo e gostaria de aprender mais sobre estas novas funcionalidades, ou se você é um profissional do mercado e gostaria de ser um dos primeiros certificados, procure uma AATC e verifique o calendário sobre os próximos cursos.

· · ·

Outros artigos e links de interesse:

Dicas de plugins:

Por ora, é isso. 🙂

[Nota do editor: na semana passada, David Pogue, colunista de tecnologia do New York Times, publicou uma série de queixas e soluções sobre o FCPX e suas deficiências atuais, contendo informações vindas diretamente da Apple.]

Posts relacionados

Comentários