A Apple estaria encorajando desenvolvedores a cobrar mais por apps premium; conheça Papa Sangre, um game diferente

Ícone de Papa Sangre

A famigerada “corrida para o fundo” foi um fenômeno que preocupou muitos desenvolvedores no primeiro ano da App Store: em uma terra desbravada onde todo mundo cobra US$1 por aplicativo, como seria possível se destacar e cobrar um extra por software de alta qualidade? Algumas empresas encontraram a saída no modelo freemium (você não paga para jogar, mas pode adquirir material adicional ou acelerar o passo do game por alguns trocados), enquanto outras fincaram o pé e apostaram no próprio taco.

Ícone de Papa SangreSó que Steve Ackerman, do estúdio Something Else, revelou hoje que a própria Apple estaria estimulando uma alta de preços por apps especialmente bem-desenvolvidos, segundo conta o Develop. “Obviamente, a Apple não promete nada em termos de promoção de jogos, mas antes do lançamento de Papa Sangre, nos disseram que estavam interessados no game e que poderiam promovê-lo”, contou Ackerman. “Daí nos perguntaram quanto íamos cobrar por ele e dissemos que seriam 2 libras. Eles responderam ‘Você deve estar brincando, isso é um app premium, ele vale mais que o preço de um café.'”

Papa Sangre foi então lançado custando 4 libras [US$5 na App Store dos EUA; 123MB; requer o iOS 4.0 ou superior em iPhones 3GS/4, iPods touch 4G ou iPads em modo de compatibilidade] e fez um considerável sucesso.

Mas o que torna esse game especial? Digamos que seriam os “gráficos”, mas de uma forma inusitada: como você está entrando no reino de Papa Sangre, completamente imerso em escuridão, apenas o som pode lhe servir de guia. A completa ausência de imagens e um gameplay totalmente baseado em orientação espacial sonora. Veja Ouça só, que loucura:

Use fones de ouvido; ouça mais aqui.

Certamente uma experiência dessas vale o preço cobrado: a escassez de ideias originais no mercado de jogos eletrônicos faz com que iniciativas como esta mereçam todo o apoio. Saber equilibrar o preço com a qualidade de um app é certamente uma virtude a ser aprendida: nem tudo precisa ser gratuito ou custar apenas US$1, mas também não faz tanto sentido cobrar US$60 por um jogo distribuído via download.

Esse ponto de US$5 pode ser exatamente a zona ideal para os melhores aplicativos: barato o bastante para não pesar quase nada no orçamento de quem o quiser, mas o suficiente para recompensar o trabalho de um bom desenvolvedor. Realmente não me espanta saber que a Apple apoia isso — afinal de contas, ela também sai ganhando direta (com os 30%) e indiretamente (pois aumenta o nível da App Store).

…só não dá pra cobrar US$16 por um jogo de 1997 que nem mesmo roda num iPad, né?

[via Pocket Gamer]

Posts relacionados

Comentários