Review: MacBook Pro unibody de 15 polegadas (modelo “Early 2011”)

MacBook Pro unibody de 15 polegadas

Processadores poderosíssimos. Gráficos incríveis. Nova I/O de altíssima velocidade.

É com este slogan que a Apple tem divulgado a sua mais recente linha de laptops profissionais, conhecida como MacBook Pro. Os novos modelos chegaram no primeiro semestre deste ano e agora tivemos a oportunidade de testar a versão topo-de-linha de 15 polegadas, com direito a um tunning de desempenho. Mas antes vamos às já comentadas novidades do notebook.

MacBook Pro unibody de 15 polegadas

Internamente, o fator que mais chama a atenção é o processador de quatro núcleos produzido pela Intel. O Core i7 quad-core possui um clock de 2,2Ghz (podendo chegar a 2,3GHz, se você desembolsar mais alguns obamas) e pode atingir até 3,4GHz com uma tecnologia chamada Turbo Boost — que, como o próprio nome já diz, acelera a velocidade de processamento automaticamente quando existe demanda.

Para acompanhar o processador de alto desempenho, temos duas placas de vídeo. A primeira e mais simples é a Intel HD Graphics 3000, que está presente em todos os notebooks da atual linha da Maçã. Ela é uma placa com bom desempenho para tarefas diárias, mas que pode deixar a desejar em jogos ou aplicativos profissionais. Para atender a este público, a Apple adicionou também um chipset AMD Radeon com 1GB, suficiente para rodar os mais avançados games e softwares. O hardware de vídeo é realmente fantástico, mas talvez a melhor novidade fique por conta do software. Muitos de vocês possuem um MacBook Pro com duas placas de vídeo e devem se irritar com a necessidade de reiniciar o computador todas as vezes que desejam alterar a placa. Nos novos modelos, esse problema simplesmente acabou. Tudo é feito de forma automática e você não precisa se preocupar com nada.

Outra novidade neste modelo é a novíssima porta Thunderbolt, que consegue transferir dados em velocidades incríveis. Comparando com uma simples USB 2.0, a Thunderbolt é cerca de 20 vezes mais rápida. Entretanto, neste primeiro momento pós-lançamento da novidade, existem poucos hardwares compatíveis com a porta. Você conseguirá encontrar no mercado alguns HDDs externos, uma placa de captura de vídeo em alta definição da BlackMagic-Design e o incrível Apple Thunderbolt Display. Ou seja, se você deseja “brincar” com ela, terá que desembolsar uma grande quantidade de dinheiro. Mas eu acredito que a Apple esteja pensando no futuro e, quando as empresas fabricantes de acessórios se adaptarem a esta tecnologia, teremos possibilidades incríveis por um preço mais baixo.

MacBook Pro unibody de 15 polegadas

Ainda falando das novidades, a nova linha de MBPs conta com uma câmera frontal de alta resolução, totalmente focada ao FaceTime, mas que também pode ser utilizada para captura de fotos no Photo Booth. Quem sentirá realmente a diferença na qualidade da imagem não será você, e sim a pessoa que está te vendo. A diferença entre a antiga e a nova câmera é nítida. O ponto negativo fica para a falta de padrão utilizada pela Apple em seus iGadgets, visto que tanto iPhone quando iPad possuem câmeras com uma resolução muito abaixo do que gostaríamos de ver.

Estas são as quatro principais novidades do laptop, aquelas que a Apple vem utilizando para destacar o produto e que no meu ponto de vista me fizeram optar por uma troca. Mas além dessas, contamos com uma bateria ainda mais duradoura, um HDD maior e memórias mais rápidas, ou seja, tudo o que existe de mais moderno em termos de tecnologia.

Design

MacBook Pro unibody de 15 polegadas

Falar de design de produtos da Apple é chover no molhado, pois dificilmente você encontrará alguém que não goste deles; com o MacBook Pro não é diferente. Ele continua sendo construído a partir de uma carcaça em monobloco de alumínio (unibody) com um acabamento impecável, ainda tem o fantástico teclado retroiluminado e o extremamente útil trackpad multi-touch, que vem mudando a forma de utilização de computadores.

Em relação ao modelo que possuía antes, um “Late 2008”, além das portas a bateria agora é coberta e não pode ser acessada através de uma tampa. Mas esta não é uma novidade deste modelo e sim da linha antes até da anterior.

Desempenho

Como falei no início desta análise, as principais novidades do notebook estão ligadas ao seu desempenho (e que desempenho!).

Realizei testes com jogos, aplicativos pesados e programinhas leves, e o computador não deixou a desejar. Tudo funcionou de uma forma incrivelmente rápida. Consegui importar mais de 16 mil fotos no iPhoto em pouco mais de 5 minutos, copiei toda a minha biblioteca de músicas com mais de 75GB de uma forma quase que inacreditável, processei um vídeo em alta definição no iMovie em apenas 7 minutos (contra 38 minutos no meu antigo MBP) e rodei os principais aplicativos do meu dia-a-dia, como Photoshop CS5.5, MAMP e Twitter (=]), parecendo usar apenas 1% do desempenho do computador.

Fiz alguns testes de benchmark e apresento-os abaixo. Não sou um expert no assunto, mas os números me parecem superpositivos:

Benchmark do MacBook Pro unibody de 15 polegadas

Benchmark do MacBook Pro unibody de 15 polegadas

Bateria

Autonomia da bateria dos novos MBPsOutro fator muito importante em um notebook é o desempenho de sua bateria. Estamos vendo, nos últimos anos, a Apple evoluindo cada vez mais quando falamos de baterias e, com o novo MacBook Pro, não é diferente. Apesar do desempenho dela variar de acordo com a sua utilização, é possível atingir uma autonomia de até 7 horas. Nos meus testes, cheguei a 6 horas e usei muito o Safari, Photoshop, MAMP, Twitter e uTorrent.

Por se tratar de um notebook com um ótimo desempenho e um excelente hardware, não é algo a se reclamar.

Considerações finais

Quando o meu novo MacBook Pro chegou, ouvi comentários em casa que ele era “exatamente igual” ao meu antigo. E realmente, externamente ele é muito parecido, mas quando apertamos o botão de ligar, parece que é tudo novo. Fiquei impressionado com o desempenho do hardware nas tarefas mais simples e também nas mais exigentes. O que mais me motivou a trocar de máquina foi a busca de um desempenho melhor e o que recebi superou muito as minhas expectativas.


✔ PRÓS

  • Ótimo desempenho em aplicativos profissionais e jogos.
  • Design fantástico.
✘ CONTRAS

  • Preço totalmente fora da realidade no Brasil.
  • Apesar da velocidade, a porta Thunderbolt ainda é inútil.

Entretanto, nem tudo são flores: no Brasil, este modelo — com todas as modificações — custa incríveis R$9.050, o que o torna uma máquina extremamente cara. Lá fora, o mesmo laptop sai pela metade do preço — cerca de R$4.100 —, o que a torna um pouco mais atrativa, mas nem por isso barata. Acredito que essa máquina continuará tendo um excelente desempenho por pelo menos mais três ou quatro anos, o que me faz ficar mais aliviado no quesito “custo/benefício”.

Posts relacionados

Comentários

Carregando os comentários…