Backup na nuvem, acessível no seu iPad ou iPhone/iPod touch

Ícone - App CrashPlan

por Rodrigo Muchinelli Ramos, da MBE

Em 2007, no lançamento Mac OS X 10.5 Leopard, a Apple inovou com o Time Machine, uma ferramenta automatizada de backup extremamente intuitiva. Pela primeira vez na história, uma tarefa usualmente complexa era levada ao usuário leigo de forma simples e elegante.

Ainda assim, o Time Machine não deve ser encarado com a solução ideal de backup, uma vez que suas limitações são notórias, como a enorme queda de performance causada durante sua execução, o baixo aproveitamento do espaço armazenado em disco e a ausência de relatórios de falhas e sucesso nas operações.

O CrashPlan — que já foi comentado aqui no site — é uma excelente ferramenta de backup que pode substituir ou, melhor ainda, complementar o Time Machine. Resumindo em três vantagens principais, ele se destaca nos seguintes itens:

  • Eficiência no armazenamento dos dados, através de avançados algoritmos de de-duplication;
  • Possibilidade de fazer backups para múltiplos destinos;
  • Baixo uso computacional durante as operações de backup — traduzindo, o CrashPlan é muito leve, você nem mesmo nota que ele existe!

Além da versão gratuita, existe também uma opção paga, o CrashPlan+, que oferece recursos adicionais, como backup contínuo em tempo real, interface sem anúncios, configurações para Backup Sets e armazenamento na nuvem através do CrashPlan Central. Dos recursos adicionais, o destaque vai para o armazenamento na nuvem, que chega a oferecer espaço ilimitado para os seus dados por apenas US$50 ao ano.

No final do mês passado, a Code 42, empresa por trás do serviço, lançou um aplicativo para ser usado com o CrashPlan+, a versão paga do CrashPlan. Com o app é possível acessar todos os arquivos cujo backup foi feito para o CrashPlan Central, na nuvem.

App CrashPlan

Soa familiar? Pois é, o Dropbox oferece recursos muito parecidos! A diferença fundamental entre eles é que o Dropbox é uma via de mão dupla, na qual você pode receber ou enviar seus arquivos para a nuvem; o aplicativo do CrashPlan apenas os recebe. Nos meus testes ele cumpriu a função proposta, permitindo baixar e visualizar imagens, PDFs, arquivos do Microsoft Office e do iWork.

App CrashPlan

Apesar de nenhum arquivo ser maior que 20MB, alguns não puderam ser visualizados por questões de tamanho, provavelmente fruto de algum bug.

App CrashPlan

Conclusão

A ideia de uma espécie de Dropbox integrado ao CrashPlan é boa e o aplicativo é promissor, mas confesso que esperava mais. Quem sabe a possibilidade de obter relatórios dos backups, alterar configurações ou até mesmo iniciar operações de restore remotamente seja o que falta. As possibilidades são inúmeras e nada impede que os próximos updates tragam novos recursos como esses.

O CrashPlan 1.0.1 — que já conta com suporte ao iOS 5 — requer a versão 4.2 ou superior do sistema operacional móvel da Apple, é universal (compatível tanto com iPads quanto com iPhones/iPods touch) e não custa nada na App Store [3,2MB].

Posts relacionados

Comentários