Review: iPhone 4S com o iOS 5

iPhone 4S - MacMagazine

Já conferimos um resumão de reviews internacionais do iPhone 4S e trouxemos inúmeros detalhes, fotos e vídeos sobre o aparelho em artigos individuais, porém agora é hora de reunirmos todas as nossas impressões sobre o aparelho num só artigo. Como referência, vale dar uma relida na resenha que o Silvio Sousa Cabral escreveu sobre o iPhone 4, em julho do ano passado — até porque estamos falando de um produto evolucionário, e não revolucionário.

A ideia desta análise é que nos foquemos no que realmente mudou nesta nova geração do iPhone — e, para isso, utilizaremos a base do que a Apple vem promovendo para ele. Preparados? Então vamos lá. 😉

Visual

Para o iPhone 4S, a Apple decidiu manter o mesmo visual do iPhone 4. Mais precisamente, quase 100% do mesmo design do iPhone 4 em sua versão CDMA, lançada em fevereiro deste ano — inicialmente de forma exclusiva para a operadora Verizon Wireless, nos Estados Unidos.

iPhone 4S - MacMagazine

Ao contrário do que ocorreu com o iPhone 4, o 4S chega desde o início com duas versões: uma branca e uma preta. A grande novidade, neste sentido, é um novo modelo de 64GB — que se junta aos já existentes de 16GB e 32GB.

iPhone 4S - MacMagazine

A única forma de fato de se diferenciar um iPhone 4S de um 4, por fora, é analisando as “frestas de suas antenas”: agora são quatro, nas laterais (duas em cima, duas embaixo). A que havia em cima, logo ao lado do microfone de redução de ruídos, sumiu.

iPhone 4S - MacMagazine

As dimensões do aparelho permanecem as mesmas, tanto quanto o seu peso. Ok, minto: ele ganhou 3 gramas, agora com 140.

Engana-se, porém, quem acha que a Apple de fato só realizou mudanças internas no aparelho. Três coisas se destacam, aqui:

  • Botão Home: a Apple não comentou nada, portanto isso não é oficial. Mas em pouco mais de um mês de uso do iPhone 4S, e conversando com outras pessoas, posso dizer com segurança que a Apple alterou o mecanismo do botão a fim de torná-lo mais resistente do que antes. Tive problemas com esse botão em todos os meus iPhones anteriores, os quais com o tempo apresentaram mau contato. Não estou sentindo que isso acontecerá com o meu 4S, mesmo daqui a alguns meses.
  • Alto-falante:comentamos isso aqui no site — o alto-falante do iPhone 4S está perceptivelmente mais alto que o do 4. Isso é ótimo para quem gosta de ver vídeos no aparelho, mas ainda mais útil se pensarmos em FaceTime, ligações em viva-voz e, é claro, na Siri.
  • Sensor de proximidade: outro sistema que foi alterado pela Apple. Como agora ele funciona sempre que o aparelho está com a tela ligada, a Siri pode ser chamada bastando levá-lo à orelha — uma ótima forma de “poupar” o botão Home, aos traumatizados com isso. 😛 É também bem mais prático, devo dizer. Quem teve problemas, no passado, com a tela não sendo desligada durante chamadas, dificilmente enfrentará isso no 4S.

Eis um vídeo de unboxing do iPhone 4S, filmado pelo nosso colaborador Breno Masi:

Detalhe: ele usou outro iPhone 4S para isso, por isso o vídeo está em Full HD 1080p. E o ambiente estava escuro, então o próprio flash do iPhone foi utilizado na iluminação. Nada como já ir testando o produto enquanto preparamos material para este review… 😉

A seguir, algumas fotos — inclusive comparando as versões branca e preta:

Unboxing do iPhone 4S

Unboxing do iPhone 4S

Unboxing do iPhone 4S

Unboxing do iPhone 4S

Unboxing do iPhone 4S

Unboxing do iPhone 4S

Performance

A cada nova geração do iPhone, a Apple costuma dar bons saltos em performance — alguns maiores, outros menores. É difícil dizer se o desta vez foi superior ou inferior ao do 3GS»4, mas não é pouco significativo.

Processador dual-core Apple A5O novo chip do iPhone 4S é o Apple A5, o primeiro dual-core a chegar a um iPhone. Com ele a Apple promete “o dobro de poder e gráficos até sete vezes mais rápidos”, mas falar sobre isso numericamente é muito relativo. O fato é: usar o aparelho *está* mais agradável. Acho que o melhor teste que alguém pode fazer para comprovar esse avanço, no iPhone 4S, é pegar um iPhone 4 depois de algum tempo usando o modelo novo. Aí sim, você percebe o quanto a coisa evoluiu.

O ponto negativo, aqui, é que a Apple manteve os mesmos 512MB de RAM do iPhone 4. Alguns explicam que isso pode ter a ver com consumo de bateria — e eu até acredito, mas a questão é que todo o poder do A5 fica um pouco limitado quando só se pode rodar um número x de apps ao mesmo tempo, ou abrir poucas abas no Mobile Safari sem ter que vê-las atualizando ao alternar de uma pra outra.

Não se trata de algo absurdo (até porque o iPhone é feito para você se focar em uma coisa de cada vez, até por isso tudo roda em tela cheia), mas será muito bem-vindo quando o iPhone atingir o 1GB de RAM — e aí já ficaremos sonhando com o dia em que ele terá 2GB, e assim sucessivamente. É a vida, sempre queremos mais.

Antena

E já que estamos falando de performance e citamos também as frestas de antenas modificadas agora há pouco, vale lembrar que o iPhone 4S aterrisou com um sistema de antenas completamente refeito pela Apple. Para usuários em geral, a grande novidade é que o Death Grip® é passado: não importa como você segure o aparelho, o sinal não será afetado.

A Apple conseguiu essa proeza através de redundância: o iPhone 4S conta com duas antenas internas, e eu não estou falando do fato de ele agora ser híbrido GSM/CDMA. A questão é que, mesmo se você cobrir com as mãos uma área de uma antena, o aparelho automaticamente passa a usar a outra — e isso sem você perceber, mesmo no meio de uma ligação. É fantástico.

iPhone 4S com sinal 3G+

No iPhone 4, a tecnologia HSDPA tinha uma velocidade teórica máxima para downloads de 7,2Mbps. No 4S, a Apple dobrou isso para 14,4Mbps. Todavia, só sentirão esse ganho usuários de locais que já disponham de redes do tipo “3G+”, capazes de atingir esses níveis de performance. Aqui no Brasil, podem tirar o cavalinho da chuva por enquanto.

Bateria

Ao contrário de muitos usuários, não tive absolutamente problema nenhum com a bateria do iPhone 4S. De uma maneira geral, o que posso dizer é que ela dura mais ou menos a mesma coisa que a do iPhone 4 — considerando o meu uso e as minhas preferências.

Bateria cheia (verde) no iOS

Esse deve ter sido um grande dilema para os engenheiros de Cupertino, afinal, a bateria melhor foi um dos aspectos principais promovidos na transição 3GS»4. No caso do 4S, tudo o que a Apple promete é 1h a mais de conversação via 3G, mas isso é algo absurdamente relativo. Como o aparelho ganhou uma série de outras coisas, a evolução do software e da bateria não permitiram que a Apple atingisse uma autonomia realmente superior à de antes.

Ainda assim, eu já achava a autonomia da bateria do iPhone 4 bastante satisfatória. Continuo na mesma por aqui, portanto.

Câmera de 8 megapixels

Para quem gosta de tirar fotos com o iPhone, esta será certamente a principal novidade do 4S. Para quem não gosta, quem sabe agora seja a hora de mudar de ideia.

O novo iPhone tem um sensor CMOS de 8 megapixels — contra 5MP do anterior —, é verdade, mas isso pouco importa hoje em dia. O que mais importa é que a câmera do iPhone é agora fornecida pela Sony (tchau, OmniVision!) e traz uma lente extra para imagens mais nítidas, com cores mais precisas, melhor iluminação e bom equilíbrio de branco.

Atalho pra Câmera no iOS 5

Com o processador A5 e o sistema operacional iOS 5, a Apple também adicionou detecção automática de rostos e melhorou bastante a performance da câmera. Agora basta dar um duplo-clique no botão Home, quando o aparelho estiver bloqueado, tocar no ícone da câmera e mandar ver. Em poucos segundos, você já consegue capturar um momento inesquecível sem dores de cabeça. E, é claro, agora também é possível usar o botão de aumentar o volume para tirar fotos, como se fosse uma câmera convencional.

A seguir, algumas fotos comparativas do iPhone 4 vs. 4S:

FOTO #1
Foto tirada com um iPhone 4
Foto tirada com um iPhone 4S

FOTO #2
Foto tirada com um iPhone 4
Foto tirada com um iPhone 4S

FOTO #3
Foto tirada com um iPhone 4
Foto tirada com um iPhone 4S

A nova câmera do iPhone 4S também é capaz de filmar em Full HD 1080p. Vocês já tiveram um exemplo do que ela é capaz no vídeo de unboxing que viram no começo deste review, mas a seguir trazemos mais uma comparação caseira com um iPhone 4.

Vejam só:

O destaque, neste caso, fica para o sistema de estabilização de vídeo que a Apple implementou no iPhone 4S. É simplesmente incrível o quanto isso deixa as filmagens melhores e com um ar mais profissional.

Após tirar suas fotos ou filmar seus vídeos, no iOS 5, agora também é possível fazer rápidas edições nos seus trabalhos, como cortes, aplicar a varinha mágica (que faz melhorias gerais em brilho/contraste e cor), rotacionar e até remover olhos vermelhos.

Siri

É claro que chegaríamos a ela — para alguns, o *grande* destaque do novo iPhone. Todavia, uma novidade “polêmica”: ainda em fase beta (coisa rara, na Apple), com suporte a poucos idiomas, recursos com grande potencial de expansão e algumas limitações geográficas. Ou melhor, algumas coisas que só funcionam nos EUA.

A Apple ainda não anunciou oficialmente quando o iPhone 4S chegará ao Brasil, mas quando isso acontecer é bastante improvável que a Siri já esteja falando português. Daí, o que podemos imaginar é que o recurso virá desabilitado por padrão (e é assim que ocorre, em todos os lugares), restando ao usuário a opção de usá-lo em outro idioma ou continuar com o Controle de Voz (Voice Control) básico, que já fala a língua tupiniquim.

Lista de funções da Siri

Por aqui eu tenho usado a Siri configurada para o inglês norte-americano sem problemas, mas pessoas com o inglês muito precário e sem a pronúncia correta das palavras poderão ter dificuldades. Pra mim, o mais chato mesmo é não poder usar os recursos de geolocalização (direções e locais), porém também não podemos ditar emails/mensagens em português — o que me obriga a falar em inglês com certas pessoas, quando não estou a fim ou não posso digitar. Minha namorada e alguns amigos já estão até acostumados. 😉

Não sei se é devido à ausência do suporte ao nosso idioma, mas eu ainda me vejo usando a Siri de forma, digamos, “forçada”. O que quero dizer com isso é que ela ainda não adentrou o meu dia-a-dia, a minha forma de usar o iPhone, de maneira que eu possa afirmar que ela é de fato uma revolução e que mudou completamente a minha experiência com o smartphone da Apple. Certamente, há situações em que é absurdamente agradável utilizá-la, e cito aqui algumas:

  • Ativar/desativar o despertador.
  • Mandar tocar uma música específica (antes, o Controle de Voz era restrito a bandas, álbuns e playlists).
  • Enviar mensagens/emails enquanto estou dirigindo.
  • Criar lembretes.
  • E, é claro, ligar para alguém.

Acreditem em mim: ninguém vai ficar usando a assistente pra perguntar a previsão do tempo. Eu, pelo menos, raramente me importo com isso. Realizar buscas no Google e fazer perguntas mirabolantes para o Wolfram|Alpha também é legal, mas como o reconhecimento nem sempre é 100% preciso, às vezes acaba dando mais trabalho ter que editar a coisa depois.

Felizmente, conforme já observamos aqui no site, a Siri não faz um consumo de dados muito elevado na sua conta — isso sem falar que boa parte do uso provavelmente é feito em conexões Wi-Fi. O real problema de ela sempre utilizar uma conexão com a internet é que nossas conexões 3G não são lá muito ágeis, então em muitas vezes eu sentia que o Controle de Voz era mais rápido para ligar para alguém — algo que não *necessitaria* de uma conexão — do que o que ocorre com a Siri.

Além disso, de vez em quando ela fica assim:

Erro na Siri

Já houve casos mais abrangentes de quedas nos servidores da Apple responsáveis pela Siri, até porque o recurso/serviço ainda está em fase beta — esse deve ser, inclusive, um dos grandes motivos pelos quais a Apple optou por caracterizá-lo desta forma.

Comigo, só vi esse tipo de mensagem duas vezes nesse mais de mês que estou com o iPhone 4S; ainda assim, foi bastante frustrante.

AirPlay Mirroring

E um recurso que chegou primeiro ao iPad 2 está agora disponível para donos de iPhones 4S: é o AirPlay Mirroring, ou seja, espelhamento da tela via AirPlay. A ativação do recurso, assim como na tablet, é feita pela barra de multitarefa — só que, no iPhone, é preciso deslizá-la duas vezes para a direita até que o ícone de AirPlay apareça (ao lado do volume).

AirPlay Mirroring no iPhone 4S

Tocando nele, você verá uma tela como esta:

AirPlay Mirroring no iPhone 4S

Com o iPhone e o Apple TV conectados a uma mesma rede Wi-Fi, tcha-ram! 😉

AirPlay Mirroring no iPhone 4S

Assim como ocorre no iPad, toda a tela do iPhone é espelhada para a TV — muito útil, principalmente para fazer apresentações, mostrar fotos ou ver vídeos. Aos poucos, jogos também estão começando a fazer uso pesado do recurso, oferecendo experiências antes inimagináveis para donos de iGadgets.

iOS 5

O foco deste review não é tratar do novo sistema operacional móvel da Apple, até porque muito já foi dito sobre ele aqui no site e porque seus recursos estão disponíveis para todos. Er, quase: todos os donos de iPhones 3GS/4, iPods touch 3G/4G e iPads. Ainda assim, uma grande massa.

Banner do iOS 5

Todavia, vejo-me na obrigação de tecer pelo menos alguns comentários sobre a minha experiência com o iOS 5 — a partir das suas principais novidades. Vamos lá:

  • Central de Notificações (Notification Center): era algo que certamente faltava no iOS. Para um sistema multitarefa e multifunção que ele é, usuários mais do que necessitavam de uma forma de poder ter uma visão geral de “tudo o que está rolando”. Gostei, também, de a Apple ter oferecido múltiplas opções de customização para cada aplicativo. Só não simpatizei tanto assim com o visual da interface, sinto falta de um botão “Limpar tudo” e acho que widgets merecem espaço nessa área. Também tive um problema com notificações duplicadas, mas isso parece ter sido solucionado há um tempo — talvez no iOS 5.0.1.
  • iMessage: como usuário assíduo do WhatsApp Messenger que sou, acabei me vendo usando o iMessage muitas vezes apenas para explorar mais o sistema — mas devo dizer que ele já me “salvou” uma ou outra vez que os servidores do WhatsApp ficaram fora do ar (e não é algo tão incomum assim). É muito bom ter esse recurso integrado ao sistema, especialmente pelo fato de que ele também troca mensagens com iPads e iPods touch. Agora, só falta mesmo chegar ao Mac.
  • Integração com o Twitter: só usei uma ou outra vez, como teste. Não sou usuário tão assíduo do Twitter assim no iPhone, e quando o faço prefiro usar o Echofon para tudo — meu cliente preferido, sempre sincronizado entre meu iPhone 4S, meu iPad 2 e meu Mac. Ainda assim, excelente adição para o sistema — o pessoal do Twitter que o diga. 😉
  • Lembretes (Reminders): este é um app que tenho usado bastante, o qual chegou para substituir a gambiarra de usar despertadores como lembretes. Muito bom, Apple — especialmente por sincronizar tudo, via iCloud, entre o meu iPhone 4S e o meu iPad 2. Só acho que faltou uma coisinha: a possibilidade de darmos uma “soneca” quando alarmes disparam, isto é, poder adiar um determinado alarme e pedir que ele me lembre de novo em x minutos, horas ou até dias. Por ora, é preciso alterar o lembrete manualmente para tal.
  • Banca (Newsstand): outra novidade que pouco tenho usado, até porque não há — até onde eu sei — nenhuma publicação brasileira que já tire proveito dela. Além disso, não costumo consumir tanto conteúdo de revista/jornal pelos meus iGadgets. Apesar de tudo, é notável que a Apple fez um grande favor às publicações e suas editoras: ter esse ambiente exclusivo e independente para apps de conteúdo é ótimo. Meu pedido ficaria apenas para termos uma opção, nos Ajustes (Settings), de desabilitar a Banca no aparelho. Afinal de contas, nem todo mundo vai utilizar isso — e um ícone a menos na Home Screen às vezes é algo bem-vindo.
  • Safari: ótimas novidades aqui, a começar por uma performance aprimorada. Mais uma vez focando em conteúdo, a Apple trouxe o Safari Reader — uma forma de ler os conteúdos sem a poluição de sites. A Lista de Leitura (Reading List) também é uma mão na roda, especialmente para quem também usa o Safari no Mac — o que não é o meu caso, como usuário assíduo do Google Chrome. Mas no iPad com o iOS 5, a coisa ainda é melhor: ele agora tem abas! 😉
  • PC Free: a Apple deu um grande passo aqui, especialmente permitindo o backup de dados pelo iCloud. Ainda não *precisei* testar o recurso, mas estou apostando forte nele. O mais legal até agora, certamente, foi atualizar o sistema para a versão 5.0.1 pelo ar (over-the-air). Tudo ocorreu às mil maravilhas e, como o update é Delta, o sistema agora só baixa os arquivos realmente necessários para a atualização — ou seja, é tudo bem rapidinho. Acho que atualizei meu iPhone 4S *e* meu iPad 2 na metade do tempo que levaria para atualizar somente um deles, anteriormente.

Há uma série de outras pequenas novidades e melhorias no iOS 5 que tornam a sua experiência de uso muito superior à da versão anterior, sem dúvida alguma. A Apple mandou muito bem nessa nova versão do sistema — mal posso esperar para ver o que virá no iOS 6, mas por enquanto já podemos ficar empolgados com alguns boatos sobre o iOS 5.1. 😉

Conclusão: mas e aí, comprar ou não o iPhone 4S?

A primeira pergunta a se fazer aqui é: o que você tem, hoje?

Se não tiver um iPhone, eu o recomendo como smartphone sem pensar duas vezes. Se você tiver um iPhone de primeira geração, um iPhone 3G ou até um 3GS, meu amigo, está na hora de você se atualizar. O pulo aqui é de grande pra gigantesco. Agora, se você já tiver um iPhone 4, é preciso pôr as coisas na balança.

iPhones 4S branco e pretoComo dissemos, o iPhone 4S não é nenhuma revolução em relação ao iPhone 4. Para os geeks de plantão que sempre “precisam” das querem as últimas das últimas tecnologias, considerar essa compra nem será algo complicado — é algo na certa. Os ganhos em performance são agradáveis, a Siri é show, mas ainda pode amadurecer bastante (e começar a falar o nosso idioma), então certamente um dos pontos-chave do aparelho seria a sua câmera. Se você é dos que amam tirar fotos com o celular, não pense duas vezes.

De um jeito de outro, é evidente que a Apple nunca tinha feito um iPhone tão bacana antes. E, como o iPhone é o melhor smartphone que existe, o iPhone 4S é então a melhor escolha para qualquer pessoa. É um aparelho “redondo”, estável, robusto, completo, bonito e aprimorado. Arrepender-se de uma compra dessas só deve ocorrer em casos muito pontuais, por fatores específicos ou bastante raros.

Por enquanto, porém, o fator “preço” nem pode ser levado muito em consideração, aqui. Embora o iPhone 4S já esteja totalmente homologado pela ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações), a Apple ainda não anunciou absolutamente nada sobre o lançamento do produto em território nacional. Pode acontecer na primeira quinzena de dezembro, mas também pode ser que ele só venha no começo de 2012.

Enquanto isso, as opções são: viajar para fora ou pedir que alguém traga de lá (certifique-se de ser um modelo desbloqueado de fábrica), comprá-lo nos Estados Unidos e recebê-lo no Brasil através da nossa parceira SkyBOX, ou então, se você for muito sortudo, ganhar um através da promoção que estamos realizando — o sorteio é daqui a uma semana exata.

Aos que já estão com seus iPhones 4S, não deixem de complementar este artigo comentando aí embaixo. Espero que tenham gostado. 😉

Posts relacionados

Comentários