Surgem mais detalhes da audiência sobre uma ação popular contra empresas acusadas de firmar acordos envolvendo empregados

Martelo de juiz

Martelo de juizDando sequência às informações da ação popular contra companhias do Vale Silício acusadas de firmar acordos sobre empregados, o TechCrunch informou que o juiz responsável pelo caso não aceitou o pedido dos réus de não levar o processo adiante, perguntado aos reclamantes se eles gostariam ou não de focar nos acordos separadamente. Contudo, eles julgam que tais acordos são interligados, e que podem ser analisados em conjunto.

Confira uma breve cronologia dos arranjamentos retirados deste documento [PDF] apresentado pelos querelantes:

  • Janeiro de 2005: executivos de alto escalão da Pixar (incluindo Steve Jobs) escreveram um rascunho dos termos de um acordo entre Pixar e Lucasfilm a fim de evitar o “roubo” de funcionários.
  • Maio de 2005: Apple e Adobe entram em acordo.
  • 2006: Apple e Google fazem acordos logo depois que Eric Schmidt entra para o conselho da empresa.
  • Abril de 2007: Apple e Pixar também fazem acordos.
  • Junho e setembro de 2007: Google faz acordo com a Intuit e com a Intel — o mesmo selado entre Apple e Google, Apple e Adobe, Apple e Pixar.

No dia 28 de junho próximo, a corte definirá quais empregados serão elegíveis para serem representados na ação coletiva — evidências serão analisadas para determinar se somente engenheiros de software e cientistas farão parte, ou se *todos* os funcionários dos réus poderão fazer parte da ação.

Somente para ilustrar o tamanho do problema que isso pode representar para as empresas, um cálculo bem conservador de compensações para os empregados mostrou que, se 10.000 engenheiros participarem da ação, as indenizações poderão chegar a US$150 milhões.

Posts relacionados

Comentários