Final Cut Pro X é coroado a “Escolha do Editor” pela PCMag.com

Ícone do Final Cut Pro X

Quem diria… Depois de chegar e ter uma recepção nada calorosa, o Final Cut Pro X recebeu sua terceira atualização no final de janeiro e parece ter se tornado profissional o suficiente ao ponto de ganhar o título de “Escolha do Editor” da PCMag.com — para quem não conhece o software, leia uma visão geral sobre ele (enquanto ainda estava na 10.0).

Final Cut Pro X num MacBook Pro

Na avaliação deles, os prós do novo software de vídeo da Apple são arquitetura 64-bits e suporte a CPU de múltiplos núcleos (que resulta em aumento de performance), interface amigável, clipes compostos, audições para clipes alternativos, nova timeline magnética, processo em plano de fundo, organização de ferramentas, análise automática para rostos, cenas e estabilização, suporte para múltiplas câmeras, compatibilidade com conexões Thunderbolt, monitoramento de transmissões, além de recursos keying — e eu incluiria aqui também o preço, que teve uma drástica redução de US$700.

Já na lista dos contras, encontramos a impossibilidade de importar *nativamente* projetos de outras versões do Final Cut Pro (através de plugin, é possível) e a necessidade do Compressor para exportar ajustes customizados.

Para a Michael Muchmore, analista chefe de softwares da PCMag.com, a Apple conseguiu criar um software completamente novo, mais rápido, mais “limpo” e intuitivo. Mesmo com alguns profissionais ainda reclamando bastante, Muchmore acredita que, eventualmente, eles migrarão para a décima versão do aplicativo, principalmente pela velocidade e usabilidade — e ele também é ótimo para entusiastas de vídeo, já que a transição para uma ferramenta profissional ficou menos assustadora.

[via AppleInsider]

Posts relacionados

Comentários