Juíza nega petição da Apple e ação coletiva contra cartel em ebooks poderá seguir normalmente

Ícone do iBooks

Em agosto de 2011, a firma de advocacia Hagens Berman abriu uma ação coletiva contra a Apple e cinco das maiores editoras dos Estados Unidos (News Corporation, Hachette, Macmillan, Penguin e Simon & Schuster), acusando-as de manipular ilegalmente os preços de ebooks.

As acusadas entregaram uma petição tentando se livrar do processo, mas a juíza Denise Cote, da Corte dos Estados Unidos para o Distrito Sul de Nova York, não aceitou o pedido, ou seja, os reclamantes estão livres para continuar com a ação — eles alegam que foram forçados a pagar dezenas de milhões de dólares a mais em ebooks por causa de um esquema de fixação de preços organizado pelas editoras e pela Apple.

Nesta semana foi divulgado um email de Steve Jobs (ex-CEO da Apple) para uma empresa do grupo de uma das editoras, o qual poderá complicar a vida da Maçã em todos os processos envolvendo a manipulação de preços de ebooks, incluindo o aberto pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ) e uma outra ação coletiva aberta no Canadá.

[via MacDailyNews]

Posts relacionados

Comentários