Dicas, alertas e orientações sobre roubos de iPhones (e celulares, em geral)

Ladrão roubando telefone celular

Sou F., leitor antigo do MacMagazine, e dei a ideia deste post ao Rafael Fischmann a fim de tentar compartilhar experiências de segurança com os outros amigos leitores. Agora, com o lançamento iminente do “iPhone 5”, creio que seja um bom momento para isso.

Morei por muitos anos no subúrbio e passei por experiências que valem a pena contar, pois conheci muita gente boa e ruim, mas, por questão de educação familiar, nunca me envolvi diretamente e posso hoje estar aqui relatando tudo a vocês.

O que vou descrever atinge a todos, de todas as cidades do Brasil, e tenho fontes importantes que me ajudaram a coletar informações para este post, por isso peço que prestem atenção em alguns detalhes. Vou me concentrar em iPhones, mas algumas descrições são iguais para todos os celulares.

Ladrão roubando telefone celular

Vamos lá!

iPhones roubados

iPhones são o grande foco dos assaltos e furtos. São vendidos a preços altos, a julgar a “aquisição”, pois o “mercado negro” possui suas próprias regras de compra e venda (acreditem).

Se você está triste que seu iPhone roubado vai ser vendido a preço de banana, não se preocupe. O safado vai vender seu aparelho em alguma loja virtual ou em anúncios de jornal, com uma caixa de outro aparelho, acessórios genéricos e às vezes a preço de novo. Muita gente compra principalmente em época de lançamento, que as operadoras vinculam os aparelhos a planos ou o financiamento a cartões de crédito.

Ao contrário do que muitos pensam, os assaltantes SABEM o que é um iPhone e a grande maioria está ciente da função Buscar Meu iPhone (Find My iPhone). Eles sabem que o aparelho não pode ser rastreado se desligado, sem chip ou sem sinal de operadora. Então, se você for assaltado e o cara esqueceu-se de desligar, não envie aquela mensagem revoltada para ele: “ESTOU INDO ATÉ VOCÊ COM A POLÍCIA, SEU MALDITO!” Muitas vezes você perde sua chance de reaver seu aparelho, por causa disso.

Aí, você pensa: “Vou bloquear o IMEI e pelo menos ele não vai poder mais usar!” Certo? Errado! Infelizmente existe uma prática criminosa que é muito mais profissional do que os assaltos. O desbloqueio de IMEI (International Mobile Equipment Identity, ou Identificação Internacional de Equipamento Móvel), ou remoção de blacklist.

Desbloqueio de IMEI

Para quem não sabe, o IMEI é a identidade do seu aparelho, que está registrada no banco de dados das operadoras e da ANATEL. Essa identidade está em todos os aparelhos e, quando você liga informando a perda ou roubo, a operadora bloqueia-o e o sistema unificado faz com que ele não funcione mais com chips de operadora nenhuma.

No caso do iPhone, o aparelho vai mostrar sempre a mensagem “Sem Serviço” ou, em alguns casos, mostra o nome da operadora mas não sobe nenhuma barrinha de sinal. A única forma de reverter isso seria o próprio dono, munido de identidade e CPF, ir até uma loja e pedir a remoção da blacklist (caso ele tenha recuperado o aparelho, por exemplo). Não é o que acontece, infelizmente.

iPhone desativado por IMEI

Foto: Josh Bancroft, via Flickr.

Muitas pessoas dentro das próprias operadoras cobram um valor (normalmente R$50, para iPhones) para desfazer o “blacklist” e fazer o aparelho voltar a funcionar em uma operadora ou até em todas. É terrível, como o brasileiro sempre arruma uma forma de ganhar dinheiro — mas é verdade.

Não tenho conhecimento técnico disso, mas sei também que alguns aparelhos possuem o IMEI impresso em peças trocáveis, como é o caso da maioria dos Nokia, e basta trocar essa peça para voltar a funcionar. Simples, assim. Basta ir em qualquer centro da cidade, informar o seu problema e você será encaminhado a alguém que conhece ou “faz IMEI” de aparelhos celulares. Os preços variam de R$10 a R$150, a depender do valor do seu aparelho bloqueado. E não é preciso ir muito longe, para isso. Pesquisem na internet ou em jornais, alguns estão disfarçados de “consulta”, mas basta confirmarem que está bloqueado e eles lhe oferecem o serviço de remoção.

Porém, existe uma boa notícia nessa história. De 2010 para cá as operadoras começaram a observar essa prática ilegal e passaram a fiscalizar isso de forma intensa. O que acontece hoje em dia é que pouca gente está fazendo esse “serviço” ilegal, pois ele não se mantém mais. Ou seja, ele volta a bloquear depois de alguns dias. Isso é muito bom, pois dificulta a venda ilegal de iPhones e diminui o interesse pelo aparelho. Mas estranhamente sei que só existe esse rigor com iPhones. No caso do Samsung Galaxy S III, por exemplo, o desbloqueio de IMEI custa R$30 no centro da cidade e é permanente.

Mas obviamente, amigo, o sistema ilegal já arrumou um jeito de burlar isso parcialmente.

Fundos falsos de iPhone

Só é possível bloquear aparelhos nacionais homologados pela ANATEL, certo? Se for um aparelho importado, desbloqueado, por mais que ele tenha sito perdido ou roubado fora do país ou de algum gringo infeliz que esteja visitando o Brasil (o mais provável), não vai bloquear nunca e o aparelho está livre para ser vendido ilegalmente e sem culpa.

Muitas pessoas sabem disso e procuram aparelhos importados, a fim de evitar que tomem prejuízo com futuros bloqueios. Com essa procura, o sistema da bandidagem se adaptou. A moda agora é comprar fundos genéricos de iPhone (em especial o iPhone 4/4S, que é facílimo de trocar), removem o fundo original da ANATEL e vendem como importado. Depois somem e um abraço pro seu dinheiro suado. Fiquem ligados nisso!

Roubos especializados

Se você é baladeiro, fique ligado nesta dica. O cara que rouba dois iPhones tem pelo menos R$2.000 em caixa para investir. E eles investem! Entre os relatos que recebi, estão histórias de grupos inteiros que viajam para fora do Estado para roubar em outras cidades. São os caçadores de micaretas (que bizarro!). E você pensa que o cara fica na pista batendo carteira? Não! Ficam em camarotes, e camarotes caros. Afinal, o custo/benefício é grande.

Normalmente camarotes de alto custo têm pessoas com alto nível financeiro, e mais segurança — o que faz com os bandidos se aproveitem disso. Misturam-se, aproveitam um vacilo de um celular na mesa e uma pessoa bêbada e pronto, já pagou a viagem dele.

Tomem muito cuidado com isso, especialmente pois além de homens existem mulheres bandidas, que muitas vezes são bonitas e não levantam absolutamente nenhuma suspeita.

·   ·   ·

Por enquanto, é isso. Voltarei em breve com mais dicas.

Posts relacionados

Comentários