Saiba mais sobre o Fusion Drive, nova solução de armazenamento oferecida opcionalmente em Macs desktop

Ícones - Fusion Drive, HDD e SSD

falamos um pouco do Fusion Drive, a combinação do armazenamento de HDDs com a velocidade de SSDs que a Apple está comercializando junto aos novos iMacs e Macs mini. Vale lembrar sempre que o recurso é opcional — apenas máquinas compradas pela Apple Online Store podem ser personalizadas com ele.

Ícones - Fusion Drive, HDD e SSD

Dave Hamilton, do The Mac Observer, resolveu analisar um pouco mais esse Fusion Drive e compartilhou informações interessantes. Enquanto o Mac mini tem a opção do Fusion Drive com 1TB — apenas no modelo topo-de-linha —, os iMacs podem ser configurados com 1TB e 3TB, com exceção do modelo mais básico, de 21,5 polegadas. Em todos esses, a Apple coloca um SSD de 128GB, com o resto do armazenamento sendo HDDs. O bacana é que não se trata de um RAID simples, já que o OS X tem uma participação importante nisso tudo. O Fusion Drive analisa quais aplicativos e arquivos você mais utiliza e os joga para dentro do SSD, que é mais rápido do que o HDD; obviamente, o contrário também é feito: arquivos e apps menos utilizados são jogados dentro do HDD.

Também não se trata de cache (armazenamento temporário de um determinado arquivo para facilitar o acesso). Normalmente o cache implica que os dados sejam duplicados — o original fica no HDD e é espelhado para o SSD, facilitando o acesso —, o que não acontece no Fusion Drive. O Utilitário de Disco (Disk Utility) enxerga dois discos físicos, mas o sistema operacional os mescla, apresentando ao usuário uma única camada, no topo. Mostrando apenas um disco para o usuário, fica claro que o OS X é quem faz a gestão dos arquivos, cortando a possibilidade de você ficar brincando com o que fica dentro do SSD e o que fica no HDD. Para quem não tem muita intimidade com o sistema é ótimo, além de não atrapalhar em nada o backup realizado com o Time Machine, por exemplo.

Gráfico - Performance do Fusion Drive

Outra coisa legal do Fusion Drive: todas as operações de escrita (entrada de dados, write) do sistema são armazenadas primeiro no SSD e, se o OS X entender que aquele determinado arquivo deve ser direcionado ao HDD, ele executa a tarefa. Com isso, temos um ótimo ganho na velocidade das operações, já que o SSD é bem mais rápido.

Se por um acaso seu Fusion Drive morrer, a Apple indicou que não há nada de especial (ou de muito diferente) neles. Na teoria, temos totais condições de trocar as peças por soluções de outras empresas. Tudo deve funcionar, mas é claro que a Apple não vai oferecer mais suporte.

Soluções similares já existem no mercado, mas acho que essa é a primeira que se integra perfeitamente com o OS X — não dava para esperar menos, afinal, a Apple é quem comanda o hadrware e o software de seus produtos. Levando em conta que a coisa deve ter sido bem implementada por ela, esse recurso tem tudo para ser muito, muito promissor!

Caso queria entender melhor como tudo funciona, Lee Hutchinson escreveu um belo artigo — um pouco mais técnico — sobre o assunto que vale a pena conferir. E, para terminar, a Apple colocou no ar um FAQ (Frequently Asked Questions, ou perguntas mais frequentes) sobre o assunto bastante focado no que pode/não pode ser feito com um Fusion Drive. Ele ainda não está disponível em português, mas em breve deverá pintar a tradução por lá.

[via MacRumors, The Loop]

Posts relacionados

Comentários