Entenda a polêmica em torno do que mudou nos termos de uso do Instagram [atualizado 2x]

Instagram e FacebookOntem começou o burburinho e hoje a linha do tempo do Instagram já está lotada de protestos! O motivo: de acordo com mudanças dos termos e regras, o usuário permite que a rede de fotos use as imagens comercialmente (em propaganda ou mesmo vendendo seus direitos) sem precisar comunicar ou gratificar o autor da fotografia.

Na época em que o Instagram foi adquirido pelo Facebook, muitos questionaram qual seria o impacto disto para os usuários. Até agora a gente só tinha acompanhado a evolução da integração de ambas as redes, mas a tal mudança trouxe mais coisas que incomodaram muita gente. Além da questão comercial que citei acima, agora Instagram e Facebook podem utilizar as informações de seus usuários e até compartilhá-las com seus anunciantes.

Nós talvez compartilharemos sua informação, assim como informação de ferramentas como cookies, arquivos de log, identificador de aparelhos (“device identifiers”) e dados de localização com organizações que nos ajudam a oferecer o serviço para você […] e anunciantes parceiros.

É claro que a grande maioria das redes e serviços que utilizamos sempre colocam essas coisinhas (que ninguém nunca lê) para garantir o deles. A gente mesmo já vivencia isso quando Facebook, Google e tantas outras grandes empresas nos mostram publicidade relacionada a algo que acabamos de escrever em mensagens privadas — bom ou ruim, é coisa que já acontece no nosso dia-a-dia. Dito isto, o problema é mesmo o sensacionalismo e a má interpretação dos fatos. Já tem sites tratando o assunto como se o Instagram estivesse colocando preços nas fotos e virando um banco de imagens, mas a coisa não é por aí!

O pior cenário é a gente acabar numa rede lotada de anúncios irrelevantes e/ou notarmos sem mais nem menos que nosso nome/imagem está linkado a um anúncio que nós sequer curtimos ou autorizamos. Vou falar a verdade: este último já está acontecendo em casos isolados no Facebook! Amigos meus já viram mensagens de “Larissa curtiu Jornal nome-do-jornal” sem eu nem lembrar se já entrei naquela página, e até um anúncio de “Crepúsculo no Telecine” linkado ao nome de um amigo que apenas curtiu a página do canal pela rede. Justo? Não sei. Só sei que quem não concordar com os novos termos terá como única opção cancelar sua conta do Instagram até 16 de janeiro próximo.

Termos do Instagram

Imagina só uma foto minha anunciando um Galaxy? ;-P

Brincadeiras a parte, muitos já apagaram suas contas e outros estão prometendo fazer o mesmo se os termos não mudarem. O Facebook, por sua vez, já deve estar acostumado com as polêmicas envolvendo seus termos de uso, mas ainda não respondeu à insatisfação dos usuários. Quem quiser acompanhar as reclamações pode procurar por #instafail ou #termsofuse — dica no Instagram do @fepacheco — pra ver o tanto de protestos na própria rede.

Exagero ou a preocupação é justificada?

Atualização I

O Instagram acabou de tocar no assunto via Twitter, prometendo esclarecer melhor a situação sobre os novos termos:

[blackbirdpie id=”281133360833773568″]

Ainda para tranquilizar os usuários da rede, o The Verge publicou um artigo bem interessante explicando a questão do “sensacionalismo e a má interpretação dos fatos” que citei no post. Repito mais uma vez: o “vender” é relacionado a inserir publicidade e não a um tipo de banco de imagens, hein pessoal! Como eles bem apontaram, o problema está realmente em o Instagram não ter explicado o que as mudanças significam, além da baixa confiança que temos no Facebook. A mais pura verdade.

Atualização II

Como prometido, o Instagram deu seu parecer sobre a polêmica do dia! No blog oficial, os caras deixaram claro que tudo não passou de um mal entendido devido aos termos usados por eles mesmos. Eles estariam inclusive buscando por novos termos “legais” para atualizar o contrato e evitar interpretações erradas.

“Usuários do Instagram são donos de seu conteúdo e o Instagram não pede nenhum direito sobre suas fotos. […] Nós respeitamos que suas fotos são suas.” — E pra completar, a questão da privacidade: “Nada mudou quanto ao controle que você tem sobre quem pode ver suas fotos.”

Ainda na explicação, o Instagram diz que não irá vender as fotografias de ninguém, tampouco associá-las com publicidade ou encher o aplicativo de banners. Pelo que entendi, a ideia é que tanto usuários comuns quanto marcas possam promover melhor suas imagens e ganhar mais seguidores.

Posts relacionados