Discussão: como será o iPhone destinado a mercados emergentes?

iPhone de lado

O tema deste post é antigo, mas sempre que publicamos algo que fala sobre o assunto chovem comentários inflamados dizendo que, se a Apple realmente vier a lançar um iPhone de baixo custo, vai estar descaracterizando a empresa, será o fim da Apple, a gigante de Cupertino vai entrar em um processo de decadência, etc.

Publicidade

Mas muita hora nessa calma! 😛 Vejamos: Mac mini, iPod shuffle, MacBook Air e iPad mini, só pra citar alguns exemplos, são produtos acessíveis e nem por isso eu leio por aí ninguém reclamando ou esbravejando sobre estes produtos — pelo contrário, eles são festejados e em alguns casos até endeusados por grande parte dos usuários de iProducts. Pergunto: a Apple entrou em decadência? Perdeu o rumo depois que lançou esses produtos?

iPhone de ladoE por que quando se comenta sobre a possibilidade de a Apple vir a lançar um modelo de iPhone específico para mercados emergentes essa paixão se transforma em ódio? Medo de perder o status: “Eu possuo um iPhone.” Pera lá, né? Toda empresa visa lucro, caso contrário não teriam chamado Steve Jobs de volta para comandar a Apple quando ela estava indo à falência.

E lucro com polêmica, convenhamos, é muito interessante para a Apple, pois tudo que envolve o nome da Maçã aparece mais na mídia.

Publicidade

Já pararam para imaginar se a Apple lança um iPhone para mercados emergentes (ou de baixo custo, como queiram chamar)? Eu aposto que iria vender muito, mas muito mesmo, tanto que a Apple não daria conta de suprir o mercado — ora, isso já acontece atualmente, com as versões mais caras! Sobre o design, vamos deixar para Sir Jony Ive quebrar a cabeça, afinal competência para isso ele tem, e isso ninguém duvida.

Sobre a possibilidade de a Apple aproveitar as linhas do iPod touch de quinta geração e simplesmente arrumar um jeito de arrumar espaço para o Nano-SIM, também pode ser uma possibilidade. Ontem mostramos um conceito de iPhone com uma tela de 3,5 polegadas que poderia ser aproveitado pela gigante de Cupertino, o que também não deixa de ser uma outra opção, até mesmo com materiais mais baratos, como eram utilizados nos iPhones 3G/3GS — lembram que estes iPhones eram de plástico? 😉

Está certo, a principal reclamação sobre esses modelos de iPhones com plástico na sua utilização era de que eles rachavam perto do conector de 30 pinos. Eu mesmo tive dois aparelhos que racharam neste mesmo local, mas não é nada que a Apple não possa corrigir num novo projeto. Sem falar que usar vidro/metal com uma tela de 3,5 polegadas não está fora de cogitação, bem como aproveitar as linhas do iPod touch para isso.

Publicidade

Mas será que o iPod touch deixaria de existir? Não deixa de ser uma forte hipótese, afinal não existe vitória sem sacrifícios e, nesse caso, a Apple teria muito mais a ganhar, tendo em vista que as vendas de iPods touch estão caindo ano a ano. Qual a melhor maneira, então, de ela reverter este quadro? Justamente… arriscando! Quer utilizar como um iPod touch, tá na mão, quer utilizar como um smartphone? Também está lá.

iPhone de ladoA diferença nesse caso para o iPhone Pro(?) seria talvez o tamanho da tela (isso se a Apple não adotar as linhas do modelo iPod touch), materiais menos nobres, modelos sempre desbloqueados de fábrica, design diferenciado para ser mais barato, câmera menos potente e provavelmente chip menos parrudo.

Alguns vão dizer que, com essas configurações, ele ficaria muito fraco. Bom, se levarmos em consideração que a proposta é levar para os mercados emergentes um modelo específico para este fim, barato, para ser o modelo de entrada aos quem não têm condições de comprar o atual modelo de iPhone, ou aquele usuário que não quer ficar preso a um plano de operadora, pode estar aí uma opção interessante.

Publicidade

E eu ainda aposto que, se a Apple realmente vier a lançar um modelo de iPhone de baixo custo, ele pode trazer algumas inovações que não estão presentes em seus concorrentes diretos como Nokia, Samsung, etc. Assim como ela inovou quando lançou o MacBook Air, o iPod shuffle, o Mac mini e o iPad mini.

Tenho quase certeza de que este modelo supreenderá muita gente se for realmente lançado. A Apple pode reinventar também o segmento de smartphones de baixo custo, assim como ela renovou o setor da telefonia móvel e ninguém esperava, lançando o iPhone em 2007 e surpreendendo o mundo.

Mas os modelos de iPhones 3G/3GS não podem ser considerados os modelos de entrada, por terem preços mais baixos? Na minha opinião, não. Primeiro por que não estão mais à venda. Segundo, pelo seu hardware já ultrapassado — alguns nem rodam o sistema/apps atuais. E os iPhones 4/4S, que são mais recentes, também acredito que não, pois hoje em dia você consegue vender o iPhone 4S por R$1.400 tranquilamente. Não sei por que valor o iPhone de baixo custo deveria ser vendido, é difícil dizer, mas para ser considerado um iPhone (mesmo “low-cost”) acho eu que deveria ter um valor menor do que é cobrado pelo iPhone 4S, inclusive no Brasil.

Eu ainda sou adepto daquele velho ditado: quanto mais opções, melhor para nós, consumidores. 😉

Posts relacionados