Rumores: Apple estaria priorizando iOS 7 ao OS X 10.9; próxima geração de iPhone poderá ter sensor biométrico avançado

iOS 7

Desde novembro passado, sites internacionais afirmam estarem recebendo visitas de computadores rodando a décima versão do OS X — [Lynx?], a qual ainda não foi anunciada oficialmente pela Apple. Esse número de acessos vem crescendo nos últimos meses, o que nos faz acreditar que a apresentação do OS X 10.9 poderia acontecer a qualquer momento.

A título de comparação, o OS X Mountain Lion (10.8) foi apresentado em fevereiro de 2012. Na época, ouvimos muito se falar sobre um possível ciclo anual para o OS X, assim como acontece com o iOS. Todavia, com esse “atraso” de notícias sobre o OS X 10.9, já começaram a surgir algumas perguntas do tipo “Estaria a Apple voltando a um ciclo de 18 meses?” ou “O sistema seria apresentado apenas na WWDC?”, entre muitos outros questionamentos.

iOS 7

Logo não-oficial, meramente ilustrativo.

Hoje, alguns blogueiros importantes do mundo Apple resolveram se encontrar no Branch para um bate-papo sobre iOS, iPhone, OS X, entre outras coisas. E parece que resolveram falar tudo o que escutaram ultimamente sobre a Maçã. John Gruber, famoso por “acertar” previsões relacionadas à Apple [1, 2, 3, 4] e por ter fontes dentro da empresa, trouxe algumas novidades sobre o assunto. Segundo ele, equipes de engenheiros que estariam trabalhando no OS X 10.9 foram transferidas para o iOS 7, que estaria atrasado. Como quem comanda os sistemas operacionais da Apple é a mesma pessoa (Craig Federighi), uma movimentação desse porte na equipe dos empregados não seria algo tão difícil — pelo contrário, até mesmo provável.

O fato é que, se Apple estivesse satisfeita com o atual caminho do iOS, não teria promovido mudanças executivas significativas. Ao escolher Federighi para tocar ambos os sistemas com total apoio/parceria do “Cavaleiro e Mago do Design” Jony Ive, acredito que o CEO Tim Cook tinha certeza de que eles seriam capazes de trazer as tantas mudanças e melhorias aguardadas ansiosamente pelos consumidores.

Por falar em Ive, ele estaria promovendo mudanças bem profundas no visual do iOS. Tão profundas que os engenheiros com privilégios de carregar o iPhone equipado com o novo sistema estariam usando uma película protetora que atrapalha a visão em diversos ângulos. Assim, se esse aparelho fosse deixando em cima de uma mesa, a pessoa ao lado não conseguiria enxergar direito a tela, escondendo as mudanças na interface. E, reforçando os rumores, essa nova UI deixaria os adoradores de interfaces que simulam a realidade (skeumorphism) bem tristes.

Mas nem tudo são flores. Gruber também comentou que o preço por mudanças significativas no iOS — em pouco tempo — foi desfalcar demais a equipe do OS X, o que poderá atrasar a chegada dele. Não sei vocês, mas eu sou a favor de fazer um belíssimo serviço em um único produto; depois, outro belíssimo serviço num segundo produto, em vez de fazer dois serviços “regulares” ou “incompletos”. Mais uma vez utilizando a comparação como base, a última vez que a equipe do iOS precisou de engenheiros do OS X — pelo menos que se tem notícias — foi em 2007, época do lançamento do Leopard.

A próxima geração de iPhones também foi alvo de rumores. O Wall Street Jornal informou que o iPhone de sétima geração começará a ser fabricado agora no segundo trimestre. MG Siegler, editor do TechCrunch e outro com contatos na Apple, também disse ter ouvido de muitas fontes algo simples e inovador relacionado a biometria — algo que vai além do desbloquear o seu aparelho e que este deve ser um dos principais pontos do ‟iPhone 5S” — e o que faz bastante sentido, já que a Maçã adquiriu a AuthenTec, empresa especializada nessa área.

Esse leitor poderia ser usado para diversas funcionalidades, substituindo as senhas e — por que não? — para compras. Sou capaz de imaginar a imensidade de aplicações que um hardware bem desenvolvido como esse pode oferecer. No entanto, entre tantas citações, um comentário curioso chamou atenção: a de que a Apple poderia cobrar um adicional para que desenvolvedores tenham acesso às APIs relacionadas a biometria, algo não muito comum no histórico da empresa.

Como Federico Viticci — editor do blog MacStories — colocou, o “S” das gerações passadas de iPhone já representaram “speed” (“velocidade”, no 3GS) e Siri (no 4S). Quem sabe agora, com um possível ‟iPhone 5S”, a coisa não seja para “scanner”? 😉

Posts relacionados

Comentários