Recorde de vendas de iPhones, lançamento de novos produtos e mais sobre o 3º trimestre fiscal de 2013 da Apple

Dinheiro da Apple

Ontem, 23 de julho, a Apple apresentou seus resultados financeiros referentes ao terceiro trimestre fiscal de 2013. No geral, eles ficaram dentro do esperado pela empresa e acima do estimado por Wall Street. A empresa tradicionalmente realiza uma conferência em áudio para divulgar e comentar todos esses resultados, bem como responder a questionamentos de alguns jornalistas.

Dinheiro da Apple

Hoje, a Apple tem em caixa nada mais nada menos do que US$146,6 bilhões e, se tem um produto que tornou isso possível, foi o iPhone. No FQ3 2013, as vendas do smartphone da Apple foram 20% superiores ao mesmo período de 2012 (31,2 milhões de unidades vendidas, um recorde para o período). Esses números ajudaram o faturamento da divisão crescer 15% ano a ano, fazendo do iPhone 5 o aparelho mais popular da história da empresa — ainda que as vendas dos modelos 4 e 4S continuem fortes.

As vendas do smartphone da Maçã estão boas em mercados essenciais para a Apple (Estados Unidos e Reino Unido) como também em mercados emergentes (Brasil, Rússia, Índia e Tailândia). No Japão, ele é o aparelho mais vendido (66% a mais que em 2012), mas a companhia também mantém a primeira ou a segunda posição em países como EUA, Canadá, diversos da Europa ocidental, Rússia, Turquia, Singapura e Hong Kong.

Troféu - J. D. Power (iPhone)

O iPhone continua com uma taxa de satisfação na casa dos 90%, liderando o ranking J.D Power inclusive na Coreia do Sul, terra natal da Samsung. Empresas como American Airlines, Cisco, General Electric, SAP e outras implantaram mais de 20 mil iPhones, mostrando que o dispositivo tem uma ótima penetração no mercado corporativo.

Quem não fez tão bonito neste trimestre foi o iPad, que pela primeira vez apresentou uma queda ano a ano (14%). Foram comercializados 14,6 milhões de tablets e, como as margens de lucro caíram depois da chegada do iPad mini, as receitas da “divisão iPad” despencaram 27%.

Apesar disso, existem números positivos para se comemorar: o iPad continua sendo o tablet com a melhor satisfação entre consumidores, a recente pesquisa da Chitika (citada durante a conferência) mostra que usuários compram e utilizam o aparelho, já que ele domina 84% do tráfego de tablets na web, e a Apple se mostrou muito satisfeita em ter colocado 660 mil iPads nas mãos de estudantes por meio de um contrato firmado com escolas de Los Angeles.

O mercado de PCs como um todo está em queda há bastante tempo e neste trimestre não foi diferente. Foram vendidos 3,8 milhões de Macs, 7% a menos que no mesmo período de 2012 — comparativamente, a queda no mercado como um todo foi de 11%. As receitas, no entanto, diminuíram apenas 1% e os números ficaram acima da expectativa da Maçã.

Novos MacBooks Air de 11 e 13 polegadas inclinados de lado

O novo MacBook Air está fazendo bonito e surpreendendo a empresa, assim como os negócios envolvendo as lojas de conteúdo (iTunes Store, App Store e iBooks Store). Como um todo, as lojas online faturaram 25% mais do que no terceiro trimestre fiscal de 2012, respondendo por US$3,9 bilhões dos US$35,3 bilhões de receitas do período.

E não são só apps que merecem destaque, como muitos imaginam: já são 230.000 episódios de séries e 60.000 filmes disponíveis, sendo que 1 bilhão de episódios de séries de TV e 390 milhões de filmes foram baixados por consumidores — sem contar com podcasts, que nesta semana atingiram a marca de 1 bilhão de assinaturas.

Mas é claro que a loja de apps contribuiu — e muito — com esses números, afinal, já são mais de 900.000 aplicativos, sendo 375.000 especialmente desenvolvidos para iPads. Graças a eles, desenvolvedores já faturaram US$11 bilhões, sendo US$5,5 milhões foram pagos nos últimos 12 meses! Outros números pra lá de assustadores envolvem o iCloud: já são 320 milhões de usuários, os quais 240 milhões estão no Game Center; esses mesmos usuários já trocaram 900 bilhões de mensagens e fizeram o upload de 125 bilhões de fotos; ao todo, mais de 8 trilhões de notificações push foram enviadas para iDevices!

iPods estão numa curva decrescente há bastante tempo. No terceiro trimestre fiscal de 2013, as vendas ficaram em 4,6 milhões de unidades, 32% a menos que no ano anterior. As receitas dos MP3 players da Apple também caíram bem (31%). Tudo isso, porém, é mais do que esperado na “divisão iPod”, que já teve o seu auge quando praticamente salvou a empresa e serviu de primeiro impulso nesse enorme salto que ela deu desde o começo da década de 2000 até aqui.

Bandeira do JapãoNormalmente o país que sempre se destaca nas conferências financeiras da Apple é a China. Mas desta vez as atenções foram para outro país asiático, o Japão. Lá no começo do post, falamos que o iPhone fez bonito na terra do sushi, mas não foi só ele: as Apple Retail Stores japonesas aumentaram suas receitas em 27%, bem mais do que as lojas nas Américas, que viram o faturamento crescer 12% — no resto do mundo, os números não foram animadores e acabaram caindo se comparados ao ano anterior.

Ao todo, as 408 lojas — 156 fora dos EUA — faturaram US$4,1 bilhões (média de US$10,1 milhões por loja). O número de visitantes ficou em 16.000 por semana, por loja, totalizando 84 milhões durante o trimestre. Querendo ampliar ainda mais a cobertura e aproximar consumidores, a Maçã realocará 23 lojas em 2013 (melhorando tamanhos/localizações) e planeja abrir ainda mais 9 lojas no quarto trimestre fiscal de 2013.

Na sessão de perguntas e respostas, os executivos da Apple deixaram bem claro que *outubro* será um mês bastante agitado para a empresa. O aguardado programa de troca de iPhones (trade-in) também foi comentado, com Cook dizendo que as informações que saíram até o momento não passam de rumores. O programa faz sentido, mas a Apple ainda não anunciou nada, lembrou ele, deixando claro que não é contra algo do tipo — pelo contrário.

A China continua importante e vista como uma grande oportunidade para a Apple. Apesar de os números não terem sido enormes por lá (por uma mistura de fatores, de acordo com os executivos) — principalmente os números de iPhones e iPads —, a venda de tablets cresceu (dominando mais de 50% do mercado), o número de desenvolvedores chineses subiu para cerca de 500.000 (alta de 70%) e a quantidade de lojas dobrará nos próximos dois anos.

Conceito de "iWatch"

Conceito de “iWatch”.

Novos produtos (e novas categorias) também fizeram parte do papo, e Cook deixou claro que a Apple está preparando algo, afirmando que eles estão orgulhosos do que está sendo feito (“iWatch” vindo por aí?). Contudo, esse(s) produto(s) misterioso(s) só será(ão) apresentado(s) depois de pronto(s) — estratégia diferente da do Google, por exemplo, que apresentou o Glass bem antes de ele ser um produto final. Especificamente sobre isso, acredito que em setembro/outubro veremos a chegada de novos iPhones (5S e “de baixo custo”), iPads e iPods; já o tão aguardado “iWatch” deverá ficar para 2014 mesmo.

Mostrando que está bem ligado no que sai na mídia sobre a empresa, Cook disse que a relação com operadoras pode ser classificada como boa. Recentemente, muito se falou sobre a relação da Apple com telecoms russas, que desistiram de vender iPhones por conta de uma negociação mais dura da Maçã. Cook afirmou, porém, que no país, cerca de 80% dos aparelhos são comercializados por lojas e não por operadoras.

O CEO também destacou a importância de marcar presença no mercado automotivo, dizendo que o iOS em carros fazem parte do ecossistema da Apple, assim como a iTunes Store, a App Store, etc. É algo muito importante, que as pessoas querem, e que a empresa pode entregar soluções únicas nesse mercado.

A forma como eu penso sobre isso é: nós estamos aqui para fazer ótimos produtos. Achamos que, se nos concentrarmos nisso, vamos fazer um ótimo trabalho e os aspectos financeiros [serão uma consequência]. Acreditamos que o mais importante é que o cliente ame os produtos. Ame-os. Se você não começar com esse nível, você corre o risco de fazer algo que as pessoas não querem.

Tim Cook, CEO da Apple.

Aguardem, pois o segundo semestre virá com tudo!

[via AppleInsider, 9to5Mac, TUAW, iMore]

Posts relacionados