Pegatron é acusada de violar direitos trabalhistas; relatório indica que “iPhone de baixo custo” existe

Logo - Pegatron

Em um novo relatório destacado pelo Wall Street Journal, o China Labor Watch acusou a Pegatron (parceira da Apple na produção de iProducts) de violar direitos trabalhistas de seus empregados. No total, a organização afirma que o fornecedor da Maçã está cometendo 86 violações de direitos trabalhistas em 3 de suas fábricas.

Logo - Pegatron

Entre as violações estariam a retenção de IDs de trabalhadores (para que eles não possam trabalhar em outros lugares), condições precárias de trabalho (como 30 minutos de espera para entrar numa sala de produção, salas, lanchonetes e dormitórios apertados/lotados, chuveiros frios, etc.), além de cargo horária de mais de 60 horas semanais — a Apple afirmou em seu site que, em junho, o tempo de trabalho dos empregados da Pagatron foi de 46 horas semanais.

A firma de Cupertino comentou o assunto, dizendo que está empenhada em proporcionar condições de trabalho seguras e justas em toda a sua cadeia de fornecimento e que realizou 15 auditorias abrangentes em instalações Pegatron desde 2007, incluindo auditorias surpresa nos últimos 18 meses. A empresa confirmou que a Pegatron estava retendo cartões de identificação de alguns trabalhadores e exigiu que a empresa acabe com isso. Além disso, informou que investigará as alegações contidas no relatório do China Labor Watch e que tomará ações corretivas quando necessário.

Curiosamente, a introdução desse mesmo relatório [PDF] do China Labor Watch começa assim:

A Apple está se preparando para lançar um iPhone mais barato. Como uma empresa próspera como a Apple produzirá uma versão mais barata de seus telefones?

E não para por aí. Ao abordar o perfil da Pegatron, o relatório diz:

A Pegatron monta principalmente telefones celulares e tablets para a Apple. Os produtos montados por ela incluem o iPhone 4, o iPhone 4S, o iPhone 5 e os iPhones de plástico de baixo custo.

Tem mais (página 27):

O trabalho de hoje inclui colar uma película protetora de plástico na estrutura traseira do iPhone para impedir que ele seja riscado em linhas de montagem […].

Contudo, parece que a produção em massa dele ainda não começou:

O novo celular ainda não foi colocado em produção em massa, então quantidade não é algo importante. Isso torna o nosso trabalho mais lento do que em departamentos que começaram seus cronogramas de produção em massa.

Existem muito mais referências ao “iPhone de baixo custo” (feito de plástico) no relatório do China Labor Watch, uma respeitada organização sem fins lucrativos, com bases em Nova York (Estados Unidos) e na China e que há 13 anos investiga condições de trabalho no país asiático.

Recentemente, o CEO da Pegatron afirmou que o “iPhone de baixo custo” é um produto real e ontem uma nova imagem mostrou embalagens de um “iPhone 5C”, possivelmente o nome desse “iPhone de baixo custo”.

Imagem falsa do iPhone 5C?

Todavia, de acordo com o site francês Nowhere Else [Google Tradutor], a imagem divulgada tem tudo para ser falsa. Mesmo assim o Business Insider afirma que, independentemente da imagem ser ou não verdadeira, o nome do produto é mesmo “iPhone 5C”, com o “C” representando “cores” (ainda que muitos já estejam fazendo a piada com “cheap”, que em português significa “barato”).

[via 9to5Mac: 1, 2, 3]

Posts relacionados

Comentários