US$148,6 bilhões em caixa, 15 aquisições, novos produtos e mais sobre o quarto trimestre fiscal de 2013 da Apple

Dinheiro (dólares)

A Apple realizou ontem (28/10) uma conferência para divulgar os resultados financeiros referentes ao quarto trimestre fiscal de 2013 e nós já trouxemos os números — que teve recorde de vendas de iPhones (33,8 milhões de unidades) — para o MacMagazine. No geral, eles ficaram acima do esperado pela empresa e por Wall Street.

Como sempre, Tim Cook (CEO) e Peter Oppenheimer (CFO, ou diretor financeiro) participaram do “evento” e nos deram alguns detalhes interessantes a respeito dos planos da Maçã, assim como número$ interessantes.

Dinheiro (dólares)

Durante o ano fiscal de 2013, a Apple faturou nada mais nada menos que US$171 bilhões e adquiriu 15 empresas as quais foram descritas como essenciais para sua estratégia. A Maçã terminou o ano fiscal com US$148,6 bilhões em caixa, sendo que US$35,5 bilhões estão nos Estados Unidos. No total, US$2,8 bilhões foram pagos para acionistas em dividendos no quarto trimestre e 47 milhões de ações foram retiradas de circulação por meio de recompras.

Traseira do iPhone 5s

Só esses números já impressionam, mas não para por aí: falando especificamente de iPhones, este foi um ótimo trimestre para a empresa, que conseguiu estabelecer um novo recorde de vendas (33,8 milhões) para o período. Melhor do que isso, talvez, é saber que 63% das pessoas que planejam comprar um smartphone nos próximos meses pretendem adquirir um iPhone; entre os que já possuem o smartphone da Apple, 96% se dizem satisfeitos. Ainda de acordo com a firma de Cupertino, 53% dos usuários de iPhones passam mais tempo brincando com seus telefones do que usuários de sistemas concorrentes.

Falando um pouco de estratégia, Cook deixou claro que o iPhone 4s é a porta de entrada para o ecossistema da Apple em muitos países, posicionando o aparelho como o modelo de entrada — e acabando com qualquer dúvida sobre a intenção da empresa com o iPhone 5c (ele foi mesmo criado para ser posicionado como um modelo intermediário). Até o fim do ano, a Apple pretende vender os novos iPhones em 100 países.

Nas empresas o iPhone está fazendo bonito, também: cerca de 14.000 empregados da Johnson Controls estão usando o smartphone da Apple; já a AVIC está começando a equipar seus funcionários com iPhones. O iOS como um todo, aliás, foi responsável por 92% das ativações na área corporativa e 72% de todos os aparelhos móveis no trimestre em questão. O iOS 7, novo sistema operacional móvel da Maçã lançado há poucos meses, já está rodando em 64% dos aparelhos compatíveis!

iPad Air deitado

Apesar de o iPhone ter sido a estrela do trimestre, o iPad também fez bonito, com vendas acima da expectativa — no total foram vendidos 14,1 milhões de unidades. Segundo a Apple, o iPad representou cerca de 90% — isso mesmo, 90%! — das ativações de tablets no período, com vendas crescendo ano a ano em diversos mercados importantes como Japão, Rússia e Oriente Médio.

No mercado educacional, o tablet também está com um ótimo desempenho. A promoção de “volta às aulas” foi bastante popular nos Estados Unidos e no Canadá, e a empresa afirma que detém 94% desse mercado — tá mais do que explicado por que o iPad 2 continua à venda, não é mesmo?

Eu acho que será o Natal do iPad.

Tim Cook, CEO da Apple.

Sobre o iPad mini com tela Retina, Cook confirmou alguns rumores de que a produção dele muito provavelmente não dará conta do recado: “Não está claro se teremos ou não [iPads mini com tela Retina] suficientes para o trimestre. Sabemos quantos teremos, mas você realmente não sabe qual será a demanda até começar a vender.”

Analisando rapidamente, pode parecer que os Macs não fizeram bonito neste trimestre, mas não é bem por aí. Apesar de as vendas terem caído 7% se compararmos com o mesmo período de 2012 (4,6 milhões contra 4,9 milhões), a indústria de PCs como um todo caiu 10% — ou seja, a empresa continua ganhando mercado, como vem acontecendo há bastante tempo.

Durante a conferência, Cook comentou que tanto as futuras atualizações dos aplicativos iPhoto, iMovie, GarageBand, Pages, Numbers e Keynote quando do próprio OS X continuarão sendo gratuitas. Como não existe nada de graça nesse mundo, a atitude da Apple gerará um impacto de US$900 milhões nas contas da empresa.

Ícone da iTunes StoreÍcone da App Store

A iTunes Store também está de vento em popa, com receitas de US$4,4 bilhões no quarto trimestre fiscal — um crescimento de 22% ano a ano. A Apple não tem motivos para reclamar de sua loja de apps: no total, foram pagos US$13 bilhões para desenvolvedores — metade deste valor apenas no ano passado. Se levarmos em consideração que a Maçã fica com 30% do valor arrecadado, ela já faturou US$5,6 bilhões — pode até parecer muito, mas para rodar toda a infraestrutura da loja desde 2007, é bem capaz de esses 30% ficarem bem na conta mesmo.

Apple Retail Store - Stanford

Apple Retail Store – Stanford

As famosas Apple Retail Stores tiveram receitas de US$4,5 bilhões no FQ4 2013, 6% a mais que o período em 2012. A empresa renovou totalmente duas lojas (uma delas é essa, que você vê aí em cima) e abriu outras oito. Oppenheimer afirmou que mais lojas serão remodeladas e 30 serão abertas em 2014, tanto nos EUA quanto fora — incluindo a nossa, brasileira. A média de receitas ficou em US$10,9 milhões por loja — no total, são 441 ARSs funcionando hoje, as quais receberam 99 milhões de visitantes entre julho e setembro.

E a China, alguém aqui arriscaria dizer quanto dos US$171 bilhões que a empresa faturou ao longo do ano fiscal (2013) o país representou? Impressionantes US$27 bilhões!

Sobre possíveis novidades, Cook afirmou que a empresa enxerga grandes oportunidades tanto nas categorias de produtos que já participa como em novas, e que esses produtos serão lançados em 2014. Resta saber agora se o CEO estava se referindo a uma possível “iTV”/Apple TV renovada ou a um smartwatch/pulseira inteligente.

Que venha agora o primeiro trimestre fiscal de 2014, com mais recordes! 😛

[via AppleInsider, iDownloadBlog, The Verge]

Posts relacionados

Comentários