Appreendedor: preparando para o campo de batalha

Soldados lutando em guerra

Soldados lutando em guerra

Soldados lutando em guerra, via Shutterstock.

Dedicamos a semana anterior para o uso do canvas como ferramenta de modelarem de um negócio exemplo. Neste processo criamos cenários a partir de observações e pesquisas. Para quem tem colocado em prática as dicas da série, foi uma etapa importante para a definição da estrutura primária do seu negócio.

Como devem ter percebido ao preenchermos o canvas, fomos indiretamente forçados a voltarmos a visão ao mercado para descobrirmos se o nosso projeto possui concorrentes e detalhes sobre eles, para que a partir dessa análise possamos identificar os diferenciais do nosso projeto.

Em marketing existe uma técnica bem interessante chamada “mystery shopping” que consiste em se passar por cliente de determinado serviço ou produto com o objetivo de identificar todas as etapas e percepções de uso, além de questionar outros clientes sobre pontos de vistas e experiências observadas.

Na ultima semana diversos meios de comunicação associaram o assunto empreendedorismo a estratégias não-leais, o famoso “nada se cria, tudo se copia”. Este é um assunto delicado e prefiro seguir pelo raciocínio de que, se existe uma ideia e posso melhorá-la, seja em apoio ao autor ou de forma independente, então se torna válida a proposta de inovar respeitando os direitos do projeto original ou entrando no mercado como concorrente e com novas propostas de valor.

Antes do início do desenvolvimento, faça uma análise detalhada sobre os pontos fortes e fracos do seu projeto e também dos seus concorrentes utilizando uma matriz SWOT. Encare esta etapa como uma missão de batalha, afinal neste mercado se não estiver preparado o alvo pode ser o seu projeto. E cabe a você, líder, cuidar do seu time e protegê-lo de riscos iminentes. Sun Tzu, autor do livro A Arte da Guerra, recomenda que tenhamos nossos inimigos próximos, assim podemos observar melhor suas estratégias e anteciparmos ações.

Juridicamente falando, é muito importante que registre a sua marca ou patente no INPI, um processo simples e barato comparado aos problemas que pode-se evitar com relação a plágios e uso indevido. O processo pode ser aberto como Pessoa Física ou Jurídica e, se a sua empresa estiver enquadrada como micro-empresa, existe uma redução de 50% sobre o custo. Investidores também se sentem mais seguros ao tratar com empreendedores e startups que já possuem seus futuros produtos registrados no INPI.

Posts relacionados

Comentários