E se o seu iPhone ganhasse a habilidade de um gato ao cair no chão?

Sempre achei muito interessante o mercado de patentes, principalmente quando se trata de tecnologia. Sabemos que várias delas não veem a luz do dia — muitas empresas as registram “apenas” para proteger suas descobertas de seus concorrentes, porque vai que…

Os pedidos de registros ocorrem com alta frequência e se referem a diversos assuntos. Mas esse, da Apple, me chamou bastante a atenção. Resumindo: imagine que você deixou seu iPhone cair e, nesse meio tempo — em plena queda livre — ele pudesse “se auto-orientar” e cair no chão de um jeito que a tela não quebre? Pois é, este é o conteúdo da patente 8.903.519, concedido pelo Escritório de Marcas e Patentes dos EUA.

Gato pulando

E como isso funcionaria? Segundo a descrição do invento, combinando dados do giroscópio, acelerômetro e GPS, um dispositivo equipado com esse novo “mecanismo de proteção” reconheceria quando estivesse em queda livre e calcularia atributos como velocidade da descida e tempo para o impacto. Desta forma, o dispositivo usaria um motor interno para se reorientar e evitar que componentes mais delicados (como a tela ou a câmera) colidissem diretamente com o chão. Esse motor interno de vibração faria o dispositivo se inclinar um pouco enquanto o aparelho estivesse caindo.

É grande a probabilidade de esse recurso nunca aparecer em iPhones, porém tem uma coisa interessante nessa história toda: tecnologias aparentemente absurdas são passíveis de piada. Veja: como reagiríamos, por exemplo, se recebêssemos a informação de que a Apple estaria criando um dispositivo móvel com tela sensível ao toque, iPod embutido e com conexão à internet em 2001? No mínimo com todas as pulgas possíveis atrás da orelha; com ceticismo; acredito até que viraria piada.

Tendemos a pensar assim quando se trata do desconhecido, do incomum. Mas pera lá! Vamos considerar que a tecnologia já esteja implantada e funcionando bem — nos padrões Apple. Quais benefícios teríamos? Imagine que o seu iPhone teria um risco muito menor de ter a tela quebrada. Economia de tempo e dinheiro para você e para a Apple (quando o modelo ainda estiver na garantia). Diversos desdobramentos poderiam ocorrer com um recurso desses.

Seja simplesmente por proteção de propriedade intelectual ou por realmente querer viabilizar essa tecnologia, as patentes sugerem os caminhos a serem percorridos pelas empresas de tecnologia — o que elas pensam ser possível para o futuro.

[via AppleInsider]

Posts relacionados

Comentários