Apple é acusada de esconder defeitos nas placas gráficas dos MacBooks Pro lançados em 2011

No começo desta semana nós informamos que a Apple se livrou de um processo no qual foi acusada de vender MacBooks com placas lógicas defeituosas. Este, porém, não era o único processo contra a Maçã envolvendo problemas em MacBooks.

Gráfico problemático num MacBook Pro de 2011

Imagem retirada deste tópico, no fórum de discussões da Apple.

Um outro aberto no final do ano passado, abrange moradores da Califórnia e da Flórida, os quais adquiriram 2.011 MacBooks Pro (modelo lançado em 2011) com placas gráficas da AMD e alegam que a Apple deixou de reembolsar reparos nas máquinas que podem custar US$350-600. Na época nós informamos que o escritório responsável pelo caso estava considerando abrir processos similares em outros Estados americanos. Pois isso aconteceu.

A firma de advocacia Whitfield, Bryson & Mason revelou que o processo agora inclui os seguintes Estados/locais: Califórnia, Colorado, Flórida, Illinois, Indiana, Porto Rico e Vermont. A ação também foi atualizada, acusando a Apple de ter tomado providências para esconder os problemas de consumidores ao liberar uma atualização de software em 2011 para que a performance gráfica dessas placas fosse drasticamente reduzida a fim de evitar que elas alcançassem temperaturas mais altas e, consequentemente, se autodestruíssem.

Além disso, algumas pessoas que fazem parte da ação coletiva se voluntariaram a emprestar seus MacBooks Pro defeituosos para que um especialista analise os computadores e execute testes no hardware da máquina. Com isso, os reclamantes tentarão mostrar os problemas técnicos da máquina e possíveis soluções que a Apple deveria ter adotado para resolver tudo isso.

O caso será decidido pelo juiz Edward J. Davila no começo de abril, num tribunal californiano.

[via AppleInsider]

Posts relacionados

Comentários