Sai iPhoto, entra Fotos para Mac

Fotos para Mac OS X

A jornada que quero descrever neste texto não começou recentemente, mas sim no dia 2 de junho de 2014, quando a Biblioteca de Fotos Fototeca do iCloud foi lançada em fase de testes no iOS 8 beta. Desde o seu lançamento até esta data, o iCloud nunca tinha se mostrado muito funcional para a geração de fotógrafos munida de iPhones e iPads: através do Meu Compartilhamento de Fotos (My Photo Stream), a Apple de Steve Jobs e Scott Forstall oferecia apenas uma função Rolo de Câmera centralizada com ferramentas simples de compartilhamento, ambas incapazes de oferecer muita inspiração para seus usuários.

Para a Apple, pior do que lidar com a baixa flexibilidade desses recursos foi ver muitos dos seus clientes terem acesso ao que eles realmente queriam nas mãos de empresas como Dropbox, Google, Microsoft e muitas outras: serviços dedicados a backup e armazenamento de fotos na nuvem. Hoje elas integram desktop e mobile, permitem acesso instantâneo a conteúdos capturado de um dispositivo em qualquer lugar e, em alguns casos, oferecem ferramentas simples e intuitivas de edição e compartilhamento, capazes de atender bem ao que o público consome na internet.

Com a nova liderança de Tim Cook trabalhando em plataformas e serviços, a Apple está fazendo da Fototeca do iCloud muito mais do que um simples recurso da sua investida na computação em nuvem, mas também a base do que os usuários precisam ter à mão para cuidar das suas fotos no futuro. O “hub digital” profetizado por anos nos discursos de Jobs nos serviu bem, mas a forma como o iPhoto foi posicionado na sucessão dessa tendência nos últimos anos nunca ficou muito clara. Para formar um modelo capaz de atender a todas as suas plataformas, a Apple optou por dar poderes extras ao seu gerenciador de fotos padrão do iOS e, a partir dele, criar uma solução completamente nova para o Mac.

Sabendo da transição que levaria alguns meses para se completar (afinal de contas, o iPhoto seria descartado, visto que um novo aplicativo está sendo criado em seu lugar), decidi importar uma cópia das minhas fotos para o iCloud e fui testando como o novo serviço se comportava ao longo do caminho até aqui. Hoje, o Fotos para iOS é bastante conhecido e já contamos com uma versão web destinada a visualização e gerenciamento há algum tempo, então o foco aqui é observar como o novo aplicativo para Mac poderá ser usado.

Fotos para Mac OS X

Obtendo o Fotos para Mac

No momento, a única maneira de começar a usar o Fotos para Mac é habilitando o seu computador para receber versões beta do OS X Yosemite — atualmente, estamos na sexta compilação da versão 10.10.3. Você pode se aventurar a fazê-lo no site da Apple, mas faça por sua conta e risco: até a atualização ser finalizada para distribuição, você pode encontrar alguns probleminhas em um ou outro recurso do sistema.

Começando a usar

Fotos para Mac OS X

Duas coisas importantes merecem menção antes de falarmos do que o Fotos para Mac pode fazer. Primeiro, logo após atualizar o seu computador, você poderá controlá-lo como um um serviço do iCloud habilitado nele. Para isso, basta visitar as Preferências do Sistema (System Preferences) e clicar no painel iCloud. Em seguida, ao lado de Fotos (Photos), clique em Opções (Options).

Fotos para Mac OS X

Aqui você tem controle sobre o que deseja usar do Fotos para Mac na sua máquina. O velho Meu Compartilhamento de Fotos (My Photo Stream) e o serviço de compartilhamento (iCloud Photo Sharing), que você costumava ajustar como serviços do iPhoto anteriormente, podem ser mantidos ligados junto da Fototeca do iCloud. Assim como qualquer serviço dele, você pode desativá-lo completamente desmarcando a caixa de seleção ao lado do nome do aplicativo, na tela anterior.

Segundo, ao abrir o aplicativo pela primeira vez no seu Mac, experimente ir até as Preferências para explorar as opções adicionais — na barra de menus, clique em Fotos » Preferências (ou Command + ,), no seu teclado. A guia Geral (General) permite fazer os meus ajustes anteriormente possíveis no iPhoto, com relação ao local da sua biblioteca, forma de importação, uso de metadados e até acesso à loja de impressões1.

Fotos para Mac OS X

Na guia iCloud, a Apple oferece um ajuste que muitos usuários gostarão de saber. Como o centro das suas fotos agora é a nuvem, você também pode optar por manter apenas uma cópia otimizada delas no seu computador, exatamente como é possível em iPhones ou iPads. Quando precisar fazer edições ou criar projetos, você trabalhará com as imagens originais sendo baixadas sob demanda, mas esta opção viabiliza o mínimo de consumo em disco, muito útil caso o seu Mac não possa contar com muito espaço dedicado a fotos e vídeos.

Fotos para Mac OS X

Navegando

Fotos para Mac OS X

É possível navegar pelas fotos usando os mesmos controles do aplicativo para iOS. Isto é, o sistema automaticamente fará agrupamentos e resumos com base em Momentos (fotos tiradas na mesma faixa de tempo e local), Coleções e Anos. É fácil navegar por essas visualizações usando gestos de pinça no trackpad, mas a mesma hierarquia de navegação do aplicativo móvel também está disponível no botão Voltar, situado no canto superior direito.

Ao abrir uma foto, você pode contar com uma barra lateral à esquerda mostrando as demais fotos de um dado Momento ou tirá-la da visualização clicando no seu botão correspondente, entre a seta para Voltar e o controle de zoom manual. No lado direito da Barra de Ferramentas ficam os botões para marcar como favorito, exibição de informações (local, câmera, data, etc.), adicionar a um projeto, compartilhamento e edição.

Fotos para Mac OS X

Por ter sido desenvolvido a partir da versão para iOS, o novo Fotos para Mac possui uma arquitetura otimizada e é bastante veloz. É possível navegar por milhares de fotos mesmo em um MacBook Air não muito recente e, ao contar com acesso à internet e as facilidades do iCloud, trabalhar com muito mais conteúdo do que você teria armazenado apenas no seu computador local.

Editando

Com o iOS 8 e o novo Fotos para Mac, a Apple trouxe um conjunto seleto de ferramentas de edição, para usuários fazerem pequenos ajustes em conteúdo capturado diretamente do iPhone ou disponível no computador. O objetivo aqui é oferecer recursos para fazer melhorias sem a necessidade de software adicional — sendo essa a intenção dos usuários, é claro.

Fotos para Mac OS X

No Mac, é possível manipular algumas informações sobre uma determinada foto aberta na tela clicando no “i” situado no canto superior direito. Além de ser possível adicionar título, descrição e palavras-chave, toda a gravação EXIF feita no arquivo é elegantemente formatada, o local de captura é convenientemente exibido como um mapa e, caso existam rostos (faces), é fácil adicioná-las por aqui.

Fotos para Mac OS X

Clicando em Editar (Edit), a janela do aplicativo se escurece e então temos nossa pequena caixa de ferramentas a disposição. São exibidos sete comandos à direta da imagem selecionada e, novamente, são destinados a tarefas básicas: auto-ajuste, rotação, corte/enquadramento, filtros, ajustes, retoques e correção.

Fotos para Mac OS X

A interface desses comandos é bastante alinhada com suas interações no iOS. Para usuários do iPhoto, é uma unificação de comandos que torna agradável a interação diária entre Macs e iPhones/iPads.

Em alguns casos, há mais detalhes facilmente editáveis a disposição. Tome os ajustes como um exemplo. Nesta ferramenta, a Apple deixa uma série de características que podem ser individualmente alteradas sem esforços. Você pode optar por adicionar edições finas para cada atributo disponível, mas ao reconhecer que as cores da imagem são o único problema, basta adicionar ajustes específicos para tratar desse fim e pronto. Nada de ficar passeando por itens de menus longos de edição, algo bastante conveniente para um usuário comum.

Fotos para Mac OS X

Compartilhando

Fotos para Mac OS X

Qualquer aplicativo no seu Mac integrado ao serviço de compartilhamento padrão do OS X Yosemite é elegível a ter uma opção no Fotos para receber suas imagens. Basta habilitá-lo no painel Extensões (Preferências do Sistema) e sair usando.

O botão de compartilhamento aparece não apenas em seleções de fotos, mas também automaticamente em Momentos e Coleções, ao passar o mouse sobre elas na lista de imagens. Por padrão, você poderá compartilhar imagens via Mail, Mensagens e/ou AirDrop, além de Twitter e Facebook, caso as suas contas para estes serviços estejam configuradas no sistema.

Não surpreendentemente, é possível adicionar conteúdo nos álbuns compartilhados hospedados no iCloud — que podem ter acesso restrito ou público —, até mesmo via interface web. Comentários e opiniões de pessoas com as quais você oferecer suas imagens serão exibidos na guia Compartilhado (Shared) — caso ofereça essas possibilidades para a sua audiência.

Projetos

Fotos para Mac OS X

Aqui temos uma exclusividade do Fotos no Mac — ao menos será neste primeiro momento. Com o fim do iPhoto, não era esperado que a Apple abandonasse seus produtos impressos, que foram um diferencial enorme dos seus aplicativos de imagem por muito tempo.

Fotos para MacApenas a estante de madeira foi deixada para trás — por bem, na minha opinião. 😀 Mas todas as opções impressas estão no seu devido lugar: são três tipos diferentes de livros, três categorias de cartões e quatro opções de impressões individuais, além de calendários e apresentações de slides para tela, todos muitos fáceis de criar e editar.

Ninguém sentirá falta de nada em relação ao iPhoto — a não ser nós, brasileiros, visto que a loja impressa ainda não pode ser usada aqui…

Curiosamente, álbuns e álbuns inteligentes também são tratados como projetos, mesmo possuindo uma seção própria no aplicativo completamente dedicada a eles. Ao redor de todo o aplicativo, onde for possível selecionar grupos de fotos, o botão “+” pode ser usado para adicionar conteúdo a qualquer tipo de projeto existente, ou criar um novo.

O que eu preciso saber para a mudança?

Algumas menções são necessárias aqui. Talvez a mais importante seja a respeito do posicionamento que a Apple decidiu tomar com o Fotos. Como já sabemos, o seu anúncio acabou colocando tanto o iPhoto quanto o Aperture na frente da bala. Porém, embora o novo produto tenha sido concebido para simplificar o trabalho de usuários do iPhoto, tornando-os capazes de fazer mais do que estavam habituados em um app melhor concebido para as necessidades de hoje em dia, em contrapartida ele não é posicionado como um substituto para o Aperture.

Ao contrário do iPhoto, o Aperture foi uma ferramenta profissional mantida pela Apple ao longo de quase dez anos, abrangendo um grupo mais seleto na sua comunidade. Ambos os aplicativos, porém, mantinham uma estrutura de biblioteca bastante similar em diversos aspectos, então fez sentido para a empresa oferecer meios de migração a partir dois lados. Porém, se você é um fotógrafo profissional e precisa do melhor disponível para pós-produção, considere uma solução de terceiros específica para este fim: aqui entre meus colegas de MacMagazine, o Photoshop Lightroom, da Adobe, é bastante apreciado.

Dito isso, ao migrar uma biblioteca, é necessário se atentar a algumas coisas, a começar por metadados: no Fotos, a Apple decidiu simplificar o uso deles, visando favorecer a sua organização automática por locais e datas. Se você usava estrelas nos aplicativos anteriores ou outros recursos avançados do Aperture, como codificação por cores, a empresa converte essas informações em palavras-chave no seu novo aplicativo, retendo a utilidade nas buscas. Mesmo os sinalizadores (flags) receberão esse tratamento.

No Fotos, a Apple reteve Rostos e Lugares como tipos diferentes de organização de conteúdo na guia Álbuns, em conjunto das categorias que a empresa tornou populares no iOS, como Panoramas, Time-Lapses e imagens em Modo Contínuo (Burst Mode). Contudo, os Eventos do iPhoto/Aperture viram Álbuns comuns no novo aplicativo. Você poderá, se quiser, manter projetos comuns no Fotos vindos do iPhoto, inclusive Álbuns Inteligentes.

Independentemente de você estar migrando do iPhoto ou do Aperture, suas bibliotecas antigas continuarão da maneira como esses produtos as deixaram; o Fotos cuida sozinho de criar a nova organização desse conteúdo e consolidar o que está no iCloud localmente, sem duplicar ou mover nada existente. Você não terá, todavia, edições sincronizadas caso decida voltar aos aplicativos antigos e usá-los.

Por fim, é importante lembrar que o Fotos para Mac foi feito para se usar com o iCloud, o qual não possui espaço gratuito para armazenar alguns anos de fotos guardadas no iPhoto — que dirá a coleção inteira de um profissional que respirava todo dia em frente ao Aperture. Embora o Fotos seja capaz de trabalhar com algumas flexibilidades que alguns usuários se habituaram até aqui (múltiplas bibliotecas, como exemplo), ele foi concebido para funcionar com uma única coleção sincronizada com o iCloud. É recomendado deixar uma biblioteca específica para o serviço da Apple que não comprometa o seu plano, caso não tenha a intenção de migrá-lo para as opções pagas — que oferecem até 1TB por US$20 mensais.

Posts relacionados

Comentários