Diversidade: Apple contratou mais de 11 mil mulheres em 2014, um aumento de 65% comparado a 2013

Quando informou pela primeira vez os números a respeito de diversidade dentro da Apple, Tim Cook se mostrou bastante insatisfeito e prometeu mudanças. Uma das primeiras atitudes foi investir US$50 milhões para melhorar a diversidade no setor tecnológico. Hoje a Apple compartilhou o seu novo relatório1 focado no tema, com avanços significativos.

Eis a carta aberta de Tim Cook:

A Apple sempre foi diferente. Um tipo diferente de companhia com uma visão diferente do mundo. É um lugar especial onde nós temos a oportunidade de criar os melhores produtos do planeta — produtos que mudam vidas e ajudam a moldar o futuro. É um privilégio que abraçamos com carinho.

Diversidade é crítica para inovação e é essencial ao futuro da Apple. Nós aspiramos para fazer mais do que simplesmente tornar a nossa empresa tão diversa quanto os talentos disponíveis para contratação. Precisamos resolver os mais básicos e amplos desafios, oferecer novas oportunidades e criar uma futura geração de empregados tão diversa quanto o mundo à nossa volta. Nós também aspiramos a fazer uma diferença além da Apple.

Isso significa fomentar diversidade não apenas na Apple, mas através de todo o nosso ecossistema, de clientes os quais recebemos em nossas lojas aos fornecedores e desenvolvedores com os quais trabalhamos. Estamos comprometidos a fomentar e avançar em inclusão e diversidade através da Apple e de todas as comunidades das quais fazemos parte. Como um exemplo, estamos orgulhosos que nossos gastos em negócios liderados por mulheres ou minorias superou US$650 milhões no ano passado.

Nós queremos que cada pessoa que entra para a nossa equipe, cada cliente visitando as nossas lojas ou ligando para o nosso suporte sintam-se bem-vindos. Nós acreditamos em igualdade para todos, não importa a raça, a idade, o gênero, a identidade de gênero, a etnia, a religião ou a orientação sexual. Isso se aplica por toda a nossa companhia, em todo o mundo, sem exceções.

No ano passado nós divulgamos a demografia dos nossos empregados pela primeira vez externamente, embora há muito tempo tenhamos priorizado diversidade. Nós prometemos melhorar esses números e estamos contentes em anunciar que realizamos progressos. No ano passado nós contratamos mais de 11.000 mulheres globalmente, o que é 65% mais do que no ano anterior. Nos Estados Unidos, nós contratamos mais de 2.200 empregados negros — um crescimento de 50% sobre o ano anterior — e 2.700 empregados hispânicos, um crescimento de 66%. No total, isso representa o maior grupo de empregados que já contratamos de minorias em um único ano. Além disso, nos primeiros 6 meses deste ano, quase 50% das pessoas que contratamos nos Estados Unidos são mulheres, negras, hispânicas ou americanas nativas.

Como você pode ver, estamos trabalhando duro para expandir os nossos esforços em recrutamento de forma a continuarmos contratando pessoas de grupos minoritários em nossa indústria. Estamos apoiando educação com programas como o Thurgood Marshall College Fund para ajudar estudantes em colégios e universidades historicamente negros a encontrar oportunidades em tecnologia. O ConnectED está levando a nossa tecnologia para algumas das escolas e comunidades mais prejudicadas economicamente nos Estados Unidos, então mais pessoas têm a oportunidade de seguir os seus sonhos. Também estamos recebendo centenas de estudantes na nossa conferência anual de desenvolvedores, e estamos preparando novos programas para ajudar estudantes a aprender como programar.

Estamos orgulhosos do progresso que fizemos, e o nosso comprometimento com diversidade continua firme. Mas sabemos que há muito mais trabalho a ser feito.

Algumas pessoas lerão esta página e verão o nosso progresso. Outras reconhecerão quão longe ainda temos que ir. Nós enxergamos ambos. E mais importante do que essas estatísticas, nós vemos dezenas de milhares de empregados da Apple em todo o mundo, falando dúzias de línguas, trabalhando juntos. Nós celebramos as suas diferenças e os muitos benefícios que nós e os nossos consumidores aproveitamos como resultado disso.

Ainda que a Apple tenha avançado em diversidade, os homens ainda são a maioria dentro da empresa (69%) — assim como brancos (54%). Compare os números de 2015 com os de 2014:

Diversidade da Apple

O relatório com as informações sobre os empregados deste ano será registrado com o governo americano e, após isso, a empresa prometeu torná-lo púbico (como fez com o documento de 2014). Ainda assim, a Apple informou que o EEO-1 (como é conhecido o relatório) não manteve o ritmo de acordo com as mudanças da indústria ou da força de trabalho americana ao longo da última metade do século e acredita que as informações compartilhadas em seu próprio site são uma reflexão muito mais precisa do progresso rumo à diversidade.

Apesar de ainda não estar disponível em português, vale a pena passear pela página “Diversity” e ver o que a Apple tem a falar sobre o assunto.

Diversidade (estudantes)

Como curiosidade, Cook comentou na mensagem que a Apple está recebendo centenas de estudantes na WWDC. Pois em 2015, uma dessas estudantes foi a Beatriz Magalhães (a da esquerda, na foto acima). Nós batemos um papo muito legal com ela no MacMagazine no Ar #135, vale a pena escutar. 😉


Capa do podcast MacMagazine no Ar

MacMagazine no Ar

Episódio: #135
Gravação: 16 de junho de 2015
Duração: 56min01
Trilha sonora: Ed Sheeran

[via Fortune]

Taggeado:

Posts relacionados

Comentários