Em entrevista, Tim Cook ignora o Mac e questiona: “Por que alguém ainda compraria um PC?”

Por conta do lançamento do iPad Pro, Tim Cook deu um pulo no Reino Unido.

Lá, foi entrevistado pelo The Telegraph e falou de tudo um pouco: privacidade (a Apple continua comprometida em proteger a comunicação de clientes, criptografando mensagens de ponta a ponta e não deixando backdoors em seus serviços online), interesse no mercado de saúde (Cook deu a entender que a Apple poderia lançar algum tipo de acessório para o Apple Watch focado no mercado de saúde, mas que o relógio não pois para a Maçã não é interessante ter o produto regulado pela Food and Drug Administration, já que isso atrapalharia a inovação dele) e outras coisas.

iPad Pro

Obviamente, o iPad Pro não poderia ficar de fora do papo, e Cook foi bem incisivo ao falar dele.

Eu acho que se você está procurando um PC, por que você iria comprar um? Sério, por que você compraria um?

Sim, o iPad Pro substitui um notebook ou um desktop para muitas, muitas pessoas. Eles vão começar a usar e concluir que não precisam de mais nada, a não ser dos seus telefones.

Sim, o CEO da Apple afirmou categoricamente que, para “muitas, muitas pessoas”, o iPad Pro substituirá um computador. Essa discussão é velha, o próprio Steve Jobs já havia comparado PCs a caminhões, dizendo que veremos cada vez menos por aí — ainda que eles sejam úteis para muita gente.

De fato, para muitos um simples tablet já é suficiente para substituir um PC, afinal o que muita gente faz num computador é navegar pela internet, ler emails, visualizar fotos, usar um app aqui outro ali e ponto final. Para muitos outros, porém (e eu me incluo nessa), o computador continua sendo uma ferramenta de trabalho indispensável e — ao menos por enquanto — insubstituível.

Como disse, não é o iPad Pro que vai roubar mercado de PCs. Tablets como um todo já fazem isso há algum tempo. Para o cenário que descrevi acima, não importa se estamos falando de um iPad mini, Air ou Pro: todos eles são suficientemente bons para ler emails, navegar e outras coisas mais. O grande diferencial do iPad Pro — além da tela gigante — é o seu poder de processamento, o novo sistema estéreo de áudio e os acessórios (lápis e teclado). De resto, estamos falando de um iPad com as mesmas limitações.

Imagine uma pessoa que utiliza hoje um notebook/desktop intensamente ao longo do dia. Dá para ela substituir a máquina por um iPad Pro? Claro que dá, mas será necessário comprometer muita coisa. A começar pelos benefícios do OS X de realmente rodar dois ou mais aplicativos de uma vez só (no iPad Pro você pode colocar, no máximo, dois apps simultaneamente na tela).

Smart Keyboard para iPad Pro

Outro ponto negativo é que, ao utilizar o Smart Keyboard, há apenas um ângulo de visão para o iPad. Além disso, a ideia de usar o iPad Pro assim nesta posição por um logo período vai contra todo o discurso da Apple de não colocar telas multitouch em Macs — ou você acha que vai utilizar o iPad Pro sem encostar o dedo na tela por um longo período?

Que o futuro caminha para algo com menos computadores e mais dispositivos pós-PC ninguém tem dúvidas, mas essa vontade de querer matar o PC logo eu não entendo. Aliás, a própria Apple deveria reconhecer o papel do Mac: enquanto as vendas de iPads vêm caindo nos últimos trimestres, as de computadores simplesmente bateram recorde!

Para completar, ao falar com estudantes do Trinity College, Cook “desdenhou” do Surface Book ao afirmar que o híbrido da Microsoft se esforça para fazer muita coisa, mas acaba não exercendo bem nem a tarefa de ser um notebook, nem de ser um tablet.

O tempo dirá, mas me parece que a Microsoft tem mais mais chances de acertar com o Surface Book do que a Apple com o iPad Pro (ao menos na tarefa de substituir PCs).

Outro ponto abordado por Cook na entrevista foi a nova Apple TV.

Apple TV

O CEO da Apple revelou que, além de ter vendido bastante nos primeiros dias, a empresa está supresa com a quantidade de apps sendo desenvolvidos para a set-top box. Mas o que mais me chamou a atenção foi o comentário dele sobre a possibilidade de a Apple lançar um serviço de streaming de vídeos. Ao ser questionado sobre o assunto, Cook disse:

Vamos ver. A questão chave para nós é: podemos fazer algo melhor, que atua como um catalisador? Se concluirmos que sim, então nós o faremos. Mas eu não iria fazer algo só para dizer que fizemos.

Não deixa de ser uma resposta padrão; por outro lado, não é nada difícil imaginar um serviço “catalisador” assim sendo lançado pela Apple. Faz todo sentido e seria uma ótima adição à Apple TV.

[via The Verge: 1, 2]

Posts relacionados

Comentários