iFixit põe as mãos no iPad Pro; venha conhecer todas as entranhas do mais novo tablet da Apple [atualizado]

O último novo hardware da Apple que a iFixit havia desmontado foi o iMac de 21,5 polegadas com tela Retina 4K. Agora, temos um novíssimo na parada: o iPad Pro.

De ontem para hoje, ela fez o seu tradicional teardown no novo iPad de 12,9 polegadas e aqui estão os (muitos!) destaques:

  • As 12,9 polegadas, com 2732×2048 pixels de resolução, significam 264 pixels por polegada em termos de densidade. Comparativamente, o Surface Pro 4 — com uma tela de 12,3 polegadas — tem 267 pixels por polegada.
  • O iPad Pro traz um modelo totalmente novo, o A1584.
  • Como sempre, a parte frontal do iPad é toda colada na sua carcaça. Para abri-lo, é necessário um breve aquecimento e o uso de espátulas finas.
  • Com a placa lógica situada no centro do iPad Pro, é por ali também que sai o cabo que a conecta ao display.
  • Ao contrário do que temos visto recentemente em hardwares da Apple, desta vez nem toda a parte interna é ocupada por bateria. No caso do iPad Pro, a Apple dedicou boa parte dela à estrutura dos quatro alto-falantes. Eles ocupam cerca da metade do espaço ocupado pela bateria, e pelo visto a Apple achou que valia a pena comprometê-la nesse sentido.
  • As câmeras iSight (traseira, de 8 megapixels) e FaceTime HD (frontal, de 1,2 megapixel) não diferem muito das encontradas no iPad Air 2.
  • A placa lógica do iPad Pro é protegida por uma camada eletromagnética (EMI shielding) que precisa ser removida antes da placa em si. Ela não só a protege de interferências, mas também esconde os conectores de cabos e prende a placa lógica à carcaça.
  • Os quatro alto-falantes, localizados em suas câmaras de ressonância (estas, recortadas na própria carcaça unibody do iPad Pro e preenchidas com espuma), são idênticos. Mas eles mudam de função dinamicamente, conforme a orientação do iPad; os dois de cima sempre emitem as frequências mais altas (agudos), enquanto os de baixo balanceiam os sons com graves. De acordo com a Apple, esses alto-falantes produzem três vezes mais potência que os do iPad Air 2 e são, pela primeira vez em um iPad, estéreo.
  • Assim como o iPad Air 2, o iPad Pro é equipado com duas antenas usando a tecnologia MIMO (multiple-input and multiple-output). Com isso, o seu Wi-Fi 802.11ac pode chegar a 866Mbps, enquanto o LTE a 150Mbps.
  • Como se não bastasse pelos códigos do Xcode ou pelos benchmarks, a iFixit também comprovou analisando o hardware da placa lógica que o iPad Pro tem mesmo 4GB de RAM.
  • As baterias do iPad Pro vêm com abas que facilitam o descolamento dos adesivos, uma mão na roda para reparos/substituição do componente. São oito(!) no total, quatro de cada lado.
  • Estamos falando de uma bateria de 3,77V, com uma potência animal de 10.307mAh. A fonte tem 38,8Wh, isto é, 40% a mais que a do iPad Air 2.
  • O novo Smart Connector lateral do iPad Pro é preso com cola; a iFixit acabou danificando o componente para conseguir retirá-lo do lugar.

No fim das contas, o iPad Pro ganhou uma nota 3/10 no quesito “reparabilidade” da iFixit. Os únicos elogios ficaram mesmo para a sua bateria, pois de resto o acesso é como sempre bem complicado/limitado.

Atualização · 12/11/2015 às 16:57

A iFixit publicou um vídeo sobre o teardown:

Posts relacionados

Comentários