Polêmica entrevista de Jimmy Iovine mostra que a Apple precisa repensar sua comunicação externa

A aquisição da Beats parece estar trazendo algumas “dores de cabeça” inesperadas para a Apple. E não, não estamos falando de nada relacionado aos produtos/serviços adquiridos, e sim dos dois principais executivos da Beats que agora ocupam cargos importantes dentro da Maçã: Dr. Dre e Jommy Iovine.

Há alguns meses o passado violento de Dr. Dre voltou à tona por conta do lançamento do seu novo álbum — tanto ele quanto a Apple prontamente se desculparam por tudo. Agora foi a vez de Jimmy Iovine colocar a Maçã numa posição desconfortável.

Lembram do comercial do Apple Music focado na criação de playlists e estrelado pelas famosas Mary J. Blige (cantora), Taraji P. Henson (atriz) e Kerry Washington (atriz)? Pois Iovine e Blige foram ao programa CBS This Morning para falar um pouco sobre ele. E foi aí que Iovine soltou um pérola, conforme informou o The Verge.

O momento da explicação de Iovine é logo no começo do vídeo (por volta de 1’37”), após a apresentação deles.

As mulheres acham muito difícil às vezes — algumas mulheres — encontrar uma música… e isso [curadoria humana e playlists criadas pelos editores do Apple Music] ajuda a tornar tudo mais fácil.

[…] Eu apenas pensei em um problema, você sabe: mulheres estão sentadas, sabe, falando de homens. Ou reclamando de homens, quando elas estão com o coração partido ou o que quer que seja. E elas precisam de música para isso, não é? E é difícil encontrar a música certa, você sabe. Não é todo mundo que tem as playlists corretas, conhece um DJ ou algo assim.

Pegou mal. Incrivelmente não parece ter pegado mal na hora do programa, já que as mulheres participantes não se incomodaram — ou foram educadas ao ponto de não demonstrar isso. E, pelo que parece, a diretora do comercial (Ava DuVernay) fez um ótimo trabalho ao não transparecer que essa reunião de amigas que decidiram curtir umas músicas estava acontecendo para falar de homens. 😛

A apresentadora do programa saiu em defesa de Iovine, falando que as palavras do executivo da Apple foram tiradas de contexto e pedindo para que as pessoas vejam a entrevista até o final.

Não demorou muito para Iovine pedir desculpas, via BuzzFeed:

Nós criamos o Apple Music para permitir que todos achem músicas certas de forma fácil — homens, mulheres, jovens e velhos. Nosso novo anúncio fala sobre as mulheres, razão pela qual eu respondi da maneira que fiz, mas é claro que a mesma coisa se aplica igualmente para os homens. Eu poderia ter escolhido melhor minhas palavras e peço desculpas.

Eu realmente acredito na desculpa de Iovine. E isso me fez concordar 100% com o comentário de Dave Mark, do The Loop:

Ele é uma pessoa inteligente, tem um fantástico senso do que funciona musicalmente e realmente conhece o negócio da música. Mas por alguma razão, ele cai por terra quando colocado na frente de uma audiência e é perguntado sobre tecnologia. Em junho, Iovine subiu ao palco como um dos apresentadores da WWDC, e ele era um nervosismo só, um desastre. Ele era um peixe fora d’água, desconexo com a tecnologia entre ele e a música.

Esta aparição na CBS This Morning teve um toque misógino. A Apple não pode continuar colocando-o nessas condições. É ruim para o Apple Music, é ruim para Jimmy Iovine.

Eu iria além e incluiria Eddy Cue nisso. Enquanto Tim Cook anda por aí promovendo o iPad Pro como um substituto de PCs, Cue fala numa entrevista que o iPadão é ótimo para ler emails, navegar na internet (ou seja, fazer o mesmo que já fazemos com os outros iPads, mas com uma tela maior — ignorando completamente, por exemplo, o Apple Pencil e o posicionamento mais corporativo e de criação do tablet gigante).

É fato que ambos são ótimos e talentosos executivos — do contrário não estariam onde estão hoje. Mas basta colocá-los debaixo dos holofotes para eles titubearem de alguma forma…

Não acho que precisamos voltar à era Jobs quando apenas o CEO da empresa dava entrevistas (quando elas raramente aconteciam). Mas isso também não quer dizer que sair permitindo que todos os executivos falem por aí sobre “qualquer coisa” seja uma estratégia boa. Está provado que não é.

Posts relacionados

Comentários