Review: Disk Drill é uma ótima ferramenta para recuperar dados perdidos no Mac

Quem nunca apagou um arquivo sem querer que atire a primeira pedra! Cuidado se já estava pegando a pedra, pois pode ser que você ainda não tenha precisado do arquivo que nem lembra que apagou… 😜

Brincadeiras à parte, além de arquivos apagados, problemas podem acontecer com pendrives, HDDs1, etc. Nesta hora, o que fazer quando você precisa muito de um desses arquivos e não encontra ou não consegue acessar a unidade onde estava o seu valioso backup?

Alguns vão correr para um “especialista” e talvez pagar uma fortuna para recuperar seus dados. Mas, felizmente, o mercado de softwares evoluiu bastante e procura oferecer soluções cada vez mais amigáveis para que o usuário possa fazer isso no conforto da sua casa.

Uma dessas soluções que testei por algum tempo tentando recuperar antigos arquivos se chama Disk Drill (da CleverFiles) relativamente fácil de se utilizar.

Abaixo, um video “engraçadinho” em inglês sobre a proposta do aplicativo:

Na vida real, talvez, seja essa a sensação ao recuperar um arquivo prestes a entrar em uma reunião. 😝

A proposta da ferramenta é de recuperar arquivos em algumas destas situações:

  • Arquivos apagados do HDD/SSD do seu Mac e dispositivos USB.
  • Partições perdidas em HHDs externos ou áudios perdidas em algum MP3.
  • Foto apagadas de câmeras.
  • Músicas perdidas em seu iPod (nano, mini, shuffle ou classic).
  • Livros apagados do seu ereader.
  • Quando você não conseguir acessar seus cartões de memória (SD, XD, flash card, etc.).

Disk Drill PRO

Para quem entende um pouco mais do sistema de arquivos do computador, não importa muito como ele foi configurado inicialmente pois o Disk Drill tem um poderoso sistema de reconhecimento mesmo nos formatos a seguir:

  • HFS e HFS+;
  • FAT/FAT32/exFAT;
  • NTFS;
  • EXT3/EXT4.

Um ponto interessante da ferramenta são os tipos de arquivo que ela costuma conseguir recuperar; a lista completa tem mais de 80 tipos de arquivos — entre os mais comuns, temos:

  • Arquivos de fotos: JPG, PNG e TIFF;
  • Arquivos gráficos: AI, PSD e INDD;
  • Arquivos de câmeras: RAW CR2, NEF e DNG;
  • Arquivos de vídeo: AVI, DV e MP4;
  • Arquivos de áudio: AIF, MP3 e WAV;
  • Documentos: DOCX, PPTX e XLSX.

Dependendo do que você queria recuperar, pode marcar as opções na ferramenta para o escaneamento ser mais rápido e não perder tempo com outros tipos de arquivo que encontrar no caminho da unidade a qual você está tentando recuperar.

Disk Drill PRO

Gostei muito da forma que o app oferece o processo de recuperação pois você não precisa inicialmente pagar pela ferramenta. Você primeiro baixa o software, verifica o que é possível recuperar (ou não) e, se encontrar o que você precisa, aí sim você compra a parte dela responsável pela recuperação — ou seja, uma venda super-honesta, no meu ponto de vista.

A versão grátis ainda possibilita gerar um arquivo de imagem DMG para discos externos que estejam falhando para, posteriormente, tentar recuperar com uma versão paga antes que o disco falhe de vez. Outra possibilidade da versão gratuita é montar um mapa do seu drive para ver quais pastas estão consumindo mais espaço.

Disk Drill PRO

Com isso você pode escolher os arquivos que estão ocupando mais espaço e fazer uma “faxina” no seu HDD/SSD.

Disk Drill PRO

Na versão paga, usuários domésticos precisam desembolsar US$89 mais impostos para uma licença (entretanto, podendo instalar em até três Macs); esta versão chamada PRO já permite um escaneamento mais rápido bem como a recuperação dos arquivos e montagens de partições perdidas em HDDs externos.

Já na versão Enterprise, o investimento é de US$399 mais impostos com infinitos usuários e instalações — ela também conta com suporte técnico. Vale baixar a ferramenta e testar as funções livremente para ter uma ideia do que ela faz.

Espero realmente que você não tenha que *precisar* da ferramenta, afinal, não torço para quem ninguém perca seus arquivos. Mas se precisar, está ai uma boa alternativa para não ter que pagar mais de R$600 — ou até mesmo R$1.000, como eu já vi cobrarem por aí — para recuperar arquivos perdidos.

Se não estiver precisando recuperar nada, só o mapa do drive (versão gratuita) já vale para você fazer uma limpa. 😉

·   ·   ·

Você já passou por alguma situação de perda de arquivos? Sim?! Então comente o que você fez para recuperá-los — ou se, infelizmente, não conseguiu e quais foram as consequências da sua perda.

Posts relacionados

Comentários