Apple enviou dois engenheiros à casa de usuário que teve a sua biblioteca do iTunes apagada

Lembra da história do bug do iTunes que poderia fazer bibliotecas inteiras desaparecerem? Ainda que a Apple não tenha conseguido replicar o problema — e que poucos usuários tenham sido afetados por ele —, a empresa deu um jeito de tentar diminuir ainda mais a ocorrência desse enorme incômodo com o lançamento do iTunes 12.4.

Antes da liberação da nova versão do software, porém, a Apple fez o dever de casa para tentar replicar o problema de todas as formas. Duvida? Então leia este relato de James Pinkstone. Nele, o diretor de estúdio e operações da Vellum contou como passou um fim de semana inteiro na companhia de Tom e Ezra, dois engenheiros da Apple que foram escalados para fazer uma visita a fim de tentar descobrir mais informações sobre o sumiço repentino de grande parte da biblioteca musical (122GB) de Pinkstone.

Mac com um fone de ouvido

Antes mesmo de eles se encontrarem, os engenheiros da Apple afirmaram que não se tratava de um erro do usuário. Além disso, Tom e Ezra concordaram com as condições de Pinkstone (de que as pesquisas para encontrar os possíveis problemas seriam totalmente restritas ao Apple Music, ao iTunes e à biblioteca de músicas; e que ele estaria 100% do tempo no quarto com eles, vendo-os trabalhar — qualquer informação recolhida seria utilizada exclusivamente para a Apple tentar resolver os problemas do iTunes).

A saga começou com um drive externo conectado ao notebook de Pinkstone, que continha uma versão especial do iTunes capaz de documentar de maneira mais precisa algum possível erro — a ideia era, de alguma forma, tentar replicar o ambiente no qual Pinkstone teve a sua biblioteca apagada.

Após o almoço, passamos horas conjecturando, mas o problema nos iludiu. Desta vez, os arquivos permaneceram, que foi apenas um dos muitos elementos de confusão de toda a minha saga. O problema não foi simples e direto, portanto, tem-se revelado difícil de replicar. Por exemplo, uma das muitas coisas confusas sobre a perda inicial de arquivos foi que a maioria dos meus arquivos de músicas tinha desaparecido. A maioria, mas não todos. Para confundir ainda mais a questão, os arquivos desaparecidos — e remanescentes — tinham pouco em comum; alguns eram WAV, outros MP3, outros arquivos protegidos AAC que eu tinha comprado pela iTunes Store entre 2003 e 2009. Gênero, tamanho e nome do artista variaram bastante entre os arquivos ausentes, assim como data adicionada. Não havia nenhum padrão discernível.

Resumidamente, depois de muito trabalho, nada de concreto foi descoberto.

O relato de Pinkstone, porém, serve para sempre nos lembrar de fazer backups — afinal, apesar de tudo hoje estar funcionando perfeitamente na sua máquina, isso não significa que amanhã estará. No mais, a visita dos engenheiros da Apple conforta minimamente usuários afetados pelo problema, mostrando que a empresa está, sim, preocupada com a qualidade do seu software e empenhada em corrigir tudo.

Se Pinkstone continuará sendo ou não um usuário Apple, ainda não sabemos; mas é bom saber que a empresa está fazendo a sua parte.

[via AppleInsider]

Posts relacionados

Comentários